Publicidade

sexta-feira, 1 de novembro de 2013 Degustação, Novo Mundo | 10:34

O teste da idade: os grandes vinhos chilenos envelhecem bem? (E vale a pena aguardar esta evolução?)

Compartilhe: Twitter

A Wines of Chile – associação que vende a imagem do vinho chileno pelo mundo – promoveu uma degustação com os homens que cospem vinho e profissionais da área para mostrar o potencial de guarda dos grandes rótulos de seu país. O desafio era saber a opinião desta gente bacana sobre uma questão muito direta: os vinhos chilenos envelhecem bem? Traduzindo: como os grandes tintos reagem à  passagem do tempo, como evoluem (e se evoluem) os aromas, a fruta, a acidez e o tal do tanino? Enfim, o bichão melhora  com o tempo em garrafa ou entrega os pontos?

Esta é uma discussão que na verdade interessa a pouca gente – quem é que guarda uma garrafa de vinho por dez anos na adega ou no armário da cozinha? -, pode parecer muito acadêmica – e é -, mas para os enólogos, sommeliers e especialistas é a prova de fogo para um vinho mostrar o seu valor. Para as marcas é quase como um marketing regressivo – buscando o valor do passado para vender o futuro.

Seis vinhos do primeiro time participaram do evento com uma safra recente (2010) e outra mais antiga. Eles foram escolhidos pois representam o vinhedos de norte a sul do país, e traduzem o sentido do lugar. Foram eles:

Viña Altair

  • Altair 2002 e 2010

Concha y Toro

  • Don Melchor 1996 e 2010

Viña Errázuriz

  • Don Maximiano Founders Reserve 2000 e 2010

Viña Lapostolle

  • Clos Apalta 2002 e 2010

Viña Montes

  • Montes Folly 2000 e 2010

Santa Rita

  • Casa Real 2002 e 2010
Doze vinhos e nenhum segredo de idade

Doze vinhos e nenhum segredo de idade

O maestro que conduziu a degustação foi o jornalista e crítico de vinhos Patricio Tapia, autor do Descorchados, o Guia de Vinhos Chilenos e Argentinos mais respeitado entre os que entendem e não entendem de vinho. Tapia explicou que ambas as safras – mais recentes e mais antigas – eram de anos mais frios e frescos, pois nesta condição climática o terrenos podem mostrar melhor suas características, o pH é mais adequado e a acidez mais presente. Ou seja, se você tinha aprendido lá trás que as melhores safras do Chile eram de anos ímpares, esqueça.

Leia Também: Chile e Argentina dominam o mercado de importação no Brasil

O onipresente powerpoint mostrava as regiões, os enólogos e um resumo das duas safras de cada vinho. Tapia fez uma introdução, apresentou dois vinhos e passou a palavra aos enólogos convidados – Cecilia Torres (Santa Rita), Gustavo Hormann (Montes), Angélica Carrasco (Lapostolle) e Ana Maria Cumsille (Altair) – que vieram  defender seu terroir. A cada rodada um especialista da plateia era convidado a dar suas impressões (Abre parênteses: é uma situação um pouco constrangedora esta, e com um resultado pra lá de suspeito. Quem vai falar mal do vinho, principalmente na frente dos enólogos? Claro que não há defeitos em rótulos deste gabarito, nem grandes arestas, mas claramente se percebe um desconforto no discurso hesitante ou então se parte para os elogios descarados, num oba-oba que não acrescenta nada ao evento. Mas fica parecendo democrático… Fecha parênteses)

Bom, e chegamos ao sexto parágrafo e ainda não se revela qual a resposta à pergunta: o vinho chileno envelhece bem? Opinião unânime, incluindo deste humilde cuspidor de vinho, é: SIM! Mas envelhecem como um vinho do novo mundo deve envelhecer, sem as características dos colegas da Europa, por exemplo. A impressão que fica, porém, é de que as safras atuais envelhecerão melhor. Têm mais extração de fruta, mais exuberância, um tanino presente e macio, além do aprendizado destes anos todos do manejo de uma região que afinal de contas ainda é jovem comparada ao velho mundo. Como observou Tapia, quanto melhor o vinho evoluir sua fruta, modificando-se sem perder a presença, melhor o vinho chileno passará pelo teste do tempo.

Não era uma prova para ter vencedores, mas como o ser humano tem como padrão de comportamento hierarquizar suas escolhas, foi inevitável. A grande maioria (pelo menos quem eu consultei) elegeu o Casa Real 2002 como a mais fina evolução, com aromas de frutas mais maduras misturadas a toques de tabaco, e as mesmas frutas se confirmando na boca, uma delícia de tomar, de cheirar e de voltar na taça para encontrar novos sabores. O Casa Real 2010 também foi bem, boa extração de fruta, ótimo final, jovem mas pronto para beber. A comparação entre as duas garrafas foi muito didática do efeito do tempo, que aqui só melhorou a bebida, trazendo maior substância e sutileza ao sabor e aromas.

Leia também: Vinhateiros independentes do Chile: pequenas vínicolas, grandes vinhos

Outro destaque foi o Don Maximiano – um vinho que sempre me surpreende em degustações e competições. A boa notícia é que a safra atual, 2010, tem uma fruta fresca muito gostosa e presente, um bom corpo, macio, uma doçura envolvente. Passado alguns minutos na taça um chocolatão invade a taça. Seu igual de dez anos atrás (2000) também se comportou bem na garrafa, perdeu um pouco da fruta, mas integrou melhor com a madeira, ganhou uns aromas mais terrosos, um delicadeza e uma boa acidez. O famosão Don Melchor 2010, um tinto mais de macho, concentrado, de fruta negra, um pouco de coco no nariz, ainda precisa amaciar um pouquinho os taninos (pega no final da boca), mas há agrada de imediato, mas o 1996, portanto o exemplar mais antigo, já estava indo embora. A fruta estava escapando da taça, uma sensação química era bem perceptível, aquelas notas de champignon, terroso. O que pode até levantar a sobrancelha da dúvida do tempo que os tops chilenos aguentam na garrafa. Como disse o Tapia, ‘O desafio é prolongar mais ainda o vinho.”

O Montes Folly melhorou com o tempo, sem grandes transformações, ganhando mais acidez e frescura, atenuando a potencia da syrah. O Altair 2002 não alterou tanto, mas também melhorou a bebida trazendo mais frescor e leveza e um toque gostoso de tabaco. E por fim o Lapostolle, que diante dos colegas do embate ficou no empate entre os anos. Pouca diferença de evolução, mantendo suas principais características de potência, de influência marcante da madeira meio deslocada nesta exibição de idade.

O vinho precisa se manter vivo - e você também!

O vinho precisa se manter vivo – e você também!

Mas vale a pena aguardar esta evolução? 

O lado acadêmico e teórico diz que sim. O envelhecimento, na realidade, é uma troca, um pacto entre o consumidor e o vinho. Ganha-se algumas coisas e perdem-se outras. Na sua maioria os vinhos melhoraram com o passar dos anos (ou os anos melhoram com o passar dos vinhos, como se diz por aí). E a melhor prova disso é exatamente a de comparar duas ou mais garrafas de safras diferentes. Os vinhos com capacidade de guarda, mesmo os do novo mundo, podem até perder a exuberância da fruta com o tempo na garrafa, mas os taninos se amaciam e o conjunto fica mais equilibrado e harmonioso, a madeira se integra mais à bebida. Surgem neste estágio aromas e sabores deliciosos e oníricos, tornando o vinho mais complexo e fascinante.

Mas o lado prático diz “depende”. Guardar vinhos para beber lá na frente é visão otimista da vida (o vinho precisa se manter vivo, mas você também…). Há o risco do tempo – pois existe um auge teórico, o Everest da curva de evolução do vinho, em que boa parte da fruta permanece viva e praticamente toda a complexidade do envelhecimento se mostra. Mas também existe a curva descendente, quando o vinho vai perdendo suas qualidades até desaparecer. Outro risco? A garrafa pode sofrer alguma avaria e o caldo virar vinagre. Por fim, há o fato de que você precisa apreciar as mudanças que o tempo provoca no vinho, trazendo maior acidez, menos volume em boca, transformando a fruta exuberante em uma fruta mais delicada, diminuindo a presença da madeira e modificando os aromas originais.  O que pode provocar a seguinte digressão: “Mas este não é o vinho que eu conheço e aprecio.”

Leia também: O envelhecimento do vinho: o mito da idade

Dá para pular esta espera toda para comprovar a veracidade destes dados? Sim, mas aí é preciso investir uma certa grana: safras mais antigas de vinhos de excelência são difíceis de encontrar e pesam no bolso. O jeito é encontrar um amigo rico que possa proporcionar esta brincadeira, ou um incauto sem conhecimento que apareça com um Don Melchor, um Don Maximiano, um Casa Real de safras mais antigas e proponha: “Achei estas garrafas antigas no fundo da adega do meu tio que morreu recentemente. Será que presta?” Pode ser o início de uma grande amizade…

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

3 comentários | Comentar

  1. 13 Frederico 26/04/2015 17:19

    voce Acha que o Don Melchor 2009 aguenta 18 anos de guarda?

    Responder
    • Beto Gerosa 27/04/2015 11:13

      Sim, acho que aguenta sim.

  2. 12 Fabio 16/11/2013 11:57

    Tenho uma adega em casa, e sempre costumo deixar algumas garrafas guardadas, com chilenos e argentinos noto uma evolução, mas as dos Franceses e espetacular. Comprei alguns Bordeaux no site http://www.vinhobr.com.br/ safra 2005 vou deixar 15 anos de guarda.

    Responder
  3. 11 Rodolfo 01/11/2013 17:57

    Não tem que guardar vinho, enquanto estamos vivos, devemos degustá-los todos !!!!!
    Não tenho vinho especial, todo dia é especial e merece um vinho e com qualquer tipo de comida. É o prazer de saborear uma taça que não tem preço!!!!!!

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios