Publicidade

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014 Nacionais | 11:10

Espumantes e tintos. Conheça os “vinhos do sertão” de Amores Roubados

Compartilhe: Twitter
Antonia é um personagem. Isis Valverde é de verdade.Viera Braga é ficção, os vinhos do sertão são reais

Antonia é um personagem. Isis Valverde é de verdade.Viera Braga é ficção, os vinhos do sertão são reais

Ok, todo mundo sabe diferenciar ficção de realidade. Ou não? A Vinícola Vieira Braga não existe, muito menos um sommelier tão intenso quando o personagem de Cauê Reymond. Mas como este Blog do Vinho já havia mostrado no último post, os vinhedos e vinícolas do Vale do Rio São Francisco são de verdade.

A minissérie Amores Roubados criou uma expectativa inicial no mundo do vinho (críticos, produtores, blogueiros e amantes da bebida) que se transformou rapidamente numa visão crítica do roteiro, apontando falhas aqui e ali na descrição dos tintos e espumantes (é divertido entre o pequeno mundinho, mas fora do círculo perde a graça). O vinho, e principalmente a região, é apenas um pano de fundo, e as informações e diálogos têm de servir à história, ajudar na construção dos personagens, e não se intrometer na minissérie como um telecurso de vinho. Trata-se de uma história de amor e traição. O vinho é uma moldura.

 Leia também: Conheça os vinhedos onde foi gravada a minissérie Amores Roubados

Mas mesmo assim, a força que a TV aberta (leia-se Globo) ainda tem no Brasil trouxe à tona os vinhedos e principalmente os vinhos do sertão. “Independentemente da história, a minissérie mostra que no Vale do São Francisco, em pleno sertão, é possível produzir coisas maravilhosas”, defende Ricardo Henriques, enólogo da Vitivinícola Santa Maria, a ViniBrasil, onde foi gravada a série. “Muita gente ainda não faz nem ideia de que aqui se faz vinho”. “Além disso, coloca em destaque o vinho, auxiliando na desmistificação da bebida.”, acrescenta Gabriela Zenatto Jornada, Supervisora de Marketing Institucional e Comunicação da Miolo Wine Group, proprietária da Fazenda Ouro Verde, que produz o Terranova.

 Leia também: Os rótulos da Aurora: vinhos nacionais corretos, saborosos e acessíveis

 Entenda as duas safras por ano do Vale do São Francisco

Muitos entendidos e profissionais estranham um pouco esta história de um vinhedo produzir mais de uma safra ao ano. Quem já frequentou algum curso de vinho ou por curiosidade leu mais a fundo sobre o assunto sabe que existe algo chamado ciclo das vinhas, divido em três fases. No Brasil, e hemisfério sul, funciona assim: há um período de repouso, ou hibernação, que ocorre de abril e julho, quando a planta perde as folhas; de agosto a dezembro a planta começa a crescer e florescer e por fim há a colheita, entre dezembro e março, quando as frutas amadurecem. No hemisfério norte as datas são evidentemente opostas: repouso: dezembro a março; crescimento: abril a julho; elaboração e colheita: agosto a novembro. Mas é uma safra só.

  Leia também: Primeira Estrada: conheça oo vinho fino de Minas Gerais

Mas no Vale do São Francisco a história é outra. O enólogo Ricardo Henriques, que é português (o grupo ViniBrasil é português), explica: “Isto deve-se em grande parte à particularidade do clima do Vale do São Francisco, que se resume de forma genérica às seguintes características: 300 dias de sol por ano, temperatura média alta durante todo o ano (o que permite o contínuo desenvolvimento da planta), pluviosidade muito baixa e água para irrigação abundante graças ao “Velho Chico” (Rio São Francisco) . Todos estes fatores combinados permitem que a planta se desenvolva durante todo o ano, não estando condicionada à sazonalidade como em outras regiões tradicionais no mundo. Quem comanda o ciclo da planta é o homem, através da irrigação e nutrição da parreiras; o que acontece é que como não temos o inverno e suas temperaturas baixas que fazem com que a planta sofra o processo de hibernação, podemos controlar o seu ciclo de repouso – através de estudos sabemos que a videira precisa de repousar apenas cerca de 60 dias para acumular energia que lhe permita efetuar um novo ciclo de produção – sendo que o seu ciclo de desenvolvimento varia de 120 a 150 dias dependendo das castas. O seu ciclo de desenvolvimento tem a mesma duração que têm as videiras em outras regiões produtoras quentes, como é no Alentejo (Portugal), Mendoza (Argentina), Maipo (Chile), Toscana (Itália).”. Resumindo, o truque está na diminuição do tempo de repouso.

Em se plantando, tudo dá

E quais as uvas que melhor se adaptaram a este terroir tropical? Para Ricardo Henrique são: touriga nacional, alicante bouschet, cabernet sauvignon, syrah, aragonês (tintas), viognier, arinto, moscato canelli e fernão pires (brancas). “Elas estão bem preparadas para o clima árido e seco do vale e ao mesmo tempo não perdem a sua frescura durante a maturação, o que resulta em vinhos equilibrados e com bastante potencial”, avalia. Já Gabriela Jornada aposta mais no potencial das uvas brancas: “Constantemente fazemos testes com novas variedades tanto para vinhos quanto para espumantes. Podemos dizer que a família das Moscatéis, uvas brancas aromáticas, se adaptaram muito bem a região

 Leia também: Os 100 primeiros anos da Vinícola Salton

E você, já bebeu um vinho do sertão?

Certo, você já foi convencido que vinhedos no sertão não são uma miragem e até enfrentou um parágrafo para entender como é possível obter mais de uma safra por ano e outro para conhecer as principais uvas. Mas e os vinhos? Afinal, o que distingue os tintos e espumantes do sertão daqueles elaborados em outras regiões do Brasil, em especial no Sul ? Para Gabriela Zenatto Jornada, da Miolo Wine Group, os vinhos da linha Terranova “são mais jovens, frescos e frutados, se comparados aos vinhos mais tradicionais da região sul do Brasil.” Um exemplo desta categoria é o Almadén Syrah. Da linha Rio Sol, da ViniBrasil, os representantes desta ala são os tintos varietais, como o Rio Sol Tempranillo, Syrah e Cabernet Sauvignon.

Ricardo Henriques concorda e acrescenta: “Os espumantes são leves e bastante aromáticos, fugindo do padrão utilizado no sul que se assemelha mais às cavas e champagnes. Os nossos espumantes pretendem ser diferentes, para beber sem complicações”. É o caso do Rio Brut Rosé. O Terranova Moscatel (um espumante de sobremesa de baixo teor alcoólico, elaborado pelo método Asti) é líder de mercado na sua categoria “É a cara do Vale do São Francisco, leve, fresco, frutado e delicadamente doce”, explica Gabriela Jornada.

Mas a região também almeja voos mais altos e mostra todo o seu potencial em ícones tintos, como o Testardi Syrah, eleito o melhor tinto do ano no concurso Top Ten da ExpoVinis 2012, o Paralelo 8 Premium (alicante bouschet, aragonez, cabernet sauvignon, syrah, touriga nacional) e o Vinha Maria Reserva Selecionada (cabernet sauvignon e touriga nacional). São tintos mais potentes, encorpados, resultado de uma maturação da uva mais avançada. Os vinhos passam por estágio em madeira – e deixam isso bem claro no aroma e na boca – e mais um tempo de guarda na garrafa, revelando caldos com bom aroma e boa estrutura.

 Leia também: O merlot brasileiro é o melhor do mundo?

 Os vinhos e os preços*

  • Miolo/Terranova – Fazenda Ouro Verde

Almadén Shiraz: R$ 14,50

terranova moscatel

Terranova Brut/ Brut Rosé / Moscatel: R$ 25,00

Testardi

Testardi Syrah: R$ 81,00

  • ViniBrasil/Rio Sol – Vinícola Santa Maria

rio_sol_cabernet_sauvignon__57686_zoom

Linha Rio Sol Varietais (cabernet sauvignon e syrah, tempranillo, syrah, cabernet sauvignon): R$ 20,00

downloadrio sol brut rose

Linha espumantes Rio Sol: R$ 25,00

Linha Rio Sol Reserva – R$ 35,00

Linha Rio Sol Winemaker’s Selection (touriga nacional, alicante bouschet, cabernet sauvignon): R$ 45,00

RESERVASELECIONADA2007

Linha Vinha Maria Reserva Selecionada: R$ 70,00

Paralelo 8 Premium: R$ 90,00

 * preços praticados na venda online nos sites da empresa em janeiro de 2014

Leia também: Vinho de garrafão ou de mesa. Você já tomou? 

Quer conhecer?

O enoturismo é uma fonte de receita importante para as duas vinícolas e uma oportunidade de divulgação do vinho da região. E também um choque para a maioria dos visitantes, surpresos com uma estrutura de adega e vinhedos em pleno sertão. A ViniBrasil recebe cerca de 500 visitantes por mês, 6.000 ao ano. O maior público é composto de brasileiros de outros estados. A Terranova recebe mais de 20.000 visitantes ao ano.

Ficha

  • Terra Nova/Miolo/Fazenda Ouro Verde

Onde: Fazenda Ouro Verde, BR 235 km 40, Santana do Sobrado s/n Vale do São Francisco. CEP 43700-000. Casa Nova, Bahia

Desde: 2000

Área cultivada: 200 hectares

Produção: 2 milhões de garrafas por ano

Rótulo mais vendido: Terranova Moscatel

Vinho mais bem avaliado pela crítica: Testardi Syrah

Onde encontrar: lojas e supermercados em todo o Brasil

Vendas on-line: site da Miolo 

Enoturismo: página de enoturismo do site

  • Vitivinícola Santa Maria/ViniBrasil/Rio Sol

Onde: Fazenda Planaltino, S/N, Zonal Rural 56395-000. Lagoa Grande, Pernambuco

Desde: 2002

Área cultivada: 200 hectares

Produção: 1,5 milhão de garrafas por ano

Rótulos mais vendidos: Rio Sol Brut Rosé e o vinho tinto Rio Sol Cabernet Sauvignon-Syrah.

Vinho mais bem avaliado pela crítica: Vinho Tinto Vinha Maria Reserva Selecionada

Onde encontrar: lojas e supermercados do Brasil (exceção da Região Norte, onde só existe distribuição no Pará)

Vendas on-line: site da e página oficial do Rio Sol no Facebook 

Enoturismo: Vitivinícola Santa Maria (clique em Enoturismo no menu principal)

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

2 comentários | Comentar

  1. 12 Emanoel Torres Jardim 24/02/2014 19:50

    A melhor informação,sobre vinhos nacionais; podem crer!…

    Responder
  2. 11 Paulo Sérgio Gomes dos Santos 16/01/2014 14:28

    Fico feliz em saber que, o sertão do Brasil, Sertão de um povo tão sofrido e esquecido, produz vinhos tão bons. Fico feliz também pela coragem da Rede Globo em mostrar o potencial do Sertão Brasileiro. Lembrando mais uma vez da velha frase “Nessa terra em si plantando tudo da.
    Parabéns ao IG pela publicação da matéria.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios