Publicidade

Arquivo de dezembro, 2015

terça-feira, 22 de dezembro de 2015 Brancos, Tintos, Velho Mundo | 01:28

Vinhos de Portugal: o Dão, o Douro e a dor de dente (parte 1)

Compartilhe: Twitter
Solar do Vinho do Dão: guardião dos vinhos da região

Solar do Vinho do Dão: guardião dos vinhos da região

O pior dos crimes é produzir vinho mau, engarrafá-lo e servi-lo aos amigos
Aquilino Ribeiro, in “Aldeia: terra, gente e bichos”
Inscrição pintada no Solar do Vinho do Dão, em Viseu, Portugal

Portugal é uma experiência rica para os apreciadores dos vinhos brancos, tintos e os fabulosos fortificados do Porto. E prática. Trata-se de um país de distâncias municipais, tendo como referência o mapa brasileiro. É possível percorrer as regiões, os vinhedos e os produtores em poucos dias. O Dão e o Douro são vizinhos, assim como a região dos Vinhos Verdes e da Bairrada. O mapa vitivinícola ajuda, apesar de as estradas sinuosas do Douro complicarem um pouco a vida do motorista. E a experiência, e o cenário, se modificam em poucos quilômetros. Ah, e o preço dos vinhos, mesmo em tempos dilma desvalorização cambial, ainda são uma pechincha diante de nossas etiquetas.

É muito difícil escolher entre tantos tintos e brancos provados aqueles que mais agradam, ou entre várias vinícolas e produtores visitados os que mais impressionam e merecem um comentário e um espaço neste blog. Talvez mais fácil concentrar a seleção em algumas regiões. Se eu precisasse resumir minha viagem a Portugal em um post de Twitter, em poucos caracteres, seria mais ou menos assim: “Os vinhos do Dão são elegantes, os do Douro, importantes, e dor de dente… ah isso ninguém merece.” Como posso ultrapassar os 144 caracteres, e dividir este post em dois, explico a seguir o que quis dizer com esta frase. Comecemos pelo Dão.

O Dão é “bão”

Se você não é useiro e vezeiro de vinhos portugueses, talvez nunca tenha ouvido falar do Dão, ou melhor, prestado atenção à região no rótulos das garrafas que estão por aí. Em rápidas pinceladas podemos nos socorrer aos jargões (eles estão aí para isso mesmo) e definir os caldos desta região pelos seguintes destaques:

mapa.dao

O Dão está marcado em vermelho no mapa de Portugal

  • A região do Dão foi demarcada em 1908, em 1947 a Denominação de Origem é registrada
  • O Dão é considerado a Borgonha portuguesa por manter algumas semelhanças com esta região francesa, expressão máxima da pinot noir (para as tintas) e da chardonnay (para as brancas):; pequenas propriedades (algumas muradas), volumes menores, vinhos mais elegantes, maior equilíbrio entre corpo e acidez.
  • A região seria o berço da tinta Touriga Nacional (não há comprovação científica, a paternidade é dividida com o Douro); a uva dominava o Dão antes da Filoxera, isso lá é verdade.
  • A Touriga Nacional é predominante nos vinhos tintos do Dão, e produz caldos de maior elegância, aveludados, com  capacidade de desenvolver aromas e sabores delicados e persistentes após um tempo emcapsulado na garrafa.
  • Os melhores brancos da região são aqueles produzidos a partir da uva Encruzado, uma “quase” exclusividade do Dão. Seus aromas e corpo são potencializados pelo tempo em barrica e pela temporada em  garrafa (vale aguardar um pouco a evolução), proporcionando uma experiência sensorial onde acidez e persistência dão (ops) prazer.
Osvaldo_Amado

Osvaldo Amado: enólogo do ano

O Solar do Vinho do Dão, Antigo Paço Episcopal do Fontelo (de verão) e também usado por um tempo como prisão, fica localizado na cidade de Viseu. O edifício, reformado e inaugurado em 2004, é sede da Comissão Vitivinícola Regional do Dão. Chegamos ali após pernoitar no Hotel do Buçaco, um local que mistura história, tradição e uma certa aura dos vinhos exclusivos feitos para o Hotel. A ideia era concentrar vários produtores representativos do estilo do Dão e suas criações numa espécie de feira exclusiva para os dois jornalistas de vinho brasileiros que faziam a visita. Foram nove casas, cada qual com direito a expor três rótulos. Total de garrafas desarrolhadas: 32 (algumas roubaram na conta, é fato, mas não vou deletar).

Eram 11 horas da manhã e tínhamos uma hora e meia para provar os vinhos, conversar com os produtores, tirar fotos e fazer algumas anotações. É quase uma minimaratona de Baco, onde a tática para se chegar ao final exige uma rodada inicial de brancos, seguida de outra volta olímpica com os tintos e de preferência cuspindo a bebida na degustação (ok, eu sei; esta parte meio nojenta da coisa causa certo asco no público pouco acostumado, mas é superbem aceita no meio. Juro que não ofendi nenhum produtor devolvendo para o balde seu vinho. Trata-se de um método para manter a sobriedade da análise. E aroma se percebe pelo olfato, sabor pelas papilas gustativas, engolir não é determinante em provas. Mas confesso que vez ou outra um gole mais aprazível vai para dentro). Já disse em outro texto, o Dão me surpreendeu, sua elegância me conquistou – um conceito meio fluido mas perceptível – e tornei seu fã. Às escolhas, pois:

Os brancos e os tintos do Dão e um rosé de contrabando

BRANCOS

Titular_branco

Titular Colheita Branco 2014
Uvas: Encruzado, Malvasia Fina e Bical
Caminhos Cruzados
Site oficial

Trata-se de um vinícola recente (2012) e já com alguns prêmios de crítica para exibir. Muito aromático, fresco, um toque de abacaxi. Vinho para se beber jovem. Teor alcóolico namedida para um branco. Muito subjetivo isso, mas adorei a simplicidade do rótulo, apenas com texto, aparentemente da fonte “currier”. remetendo à tipologia da máquina de escrever. Bateu um banzo. Fácil de identificar na prateleira, de guardar na memória.

 Quinat_perdigão_Encruzado

Quinta do Perdigão Encruzado 2014
Uva: Encruzado
Quinta do Perdigão
Site Oficial

O vinho passa por um processo de bâtonnage (xiii lá vem o cara complicar…) de 4 a 6 meses. Explico, a batonagem (em português mesmo) é um processo comum no processo de alguns vinhos brancos que consiste em agitar as borras que ficam depositadas no fundo da barrica (no caso, carvalho francês) durante a fermentação para submergi-las à superfície. Isso potencializa os aromas e dá mais estrutura. É um branco potente (ui!), encorpado (afe!) e que revela o potencial da uva. Curiosidade: não adianta gravar o vinho pela imagem do rótulo, eles mudam todos os anos, obra da mulher do enólogo, Vanessa Chrystie.

 Quinta_Pedrinha_Branco

Quinta da Ponte da Pedrinha 2014
Uvas: Encruzado e Malvasia
Quinta do Ponte da Pedrinha

Há histórias que só mesmo o velho mundo conta. A propriedade está com a família desde o século 18. Um branco de perfil jovem e fresco, fruta gostosa, bastante cítrico e mineral. A malvasia dá uma quebrada na potencialidade do encruzado. Não passa por carvalho, fermentação em tanques de inox. Para beber ontem.

 falorca_encruzado

Quinta Falorca Encruzado 2012
Uvas: Encruzado (90%) e malvasia (10%)
Quinta da Faloca

A família está à frente da vinícola há 5 gerações. Há uma mistura de vinhas novas e velhas, um branco mais concentrado, com sabores de frutas brancas mais maduras. É untuoso, cremoso, estagia três meses em madeira e também passa por processo de batonagem. Tem uma persistência gostosa e uma acidez que completa o cenário. Um dos grandes brancos do Dão que provei.

 

ROSÉ

Mendes-Pererira_Rosé

Quinta Mendes Pereira Touriga Nacional Reserva 2011
Uva: Touriga Nacional
Quinta Mendes Pereira

Ok, eu sei. Um rosé do Dão não será sua primeira escolha. Para mim, no entanto, foi uma agradável surpresa. Uma cor linda de rosé, vibrante, luminosa: o prazer também se dá pelo visual. No nariz frutas vermelhas frescas como morango e framboesa. Um toque doce na boca, que dá um volume extra, e a fruta detectada nos aromas se repete de forma importante. Uma prova do potencial da Touriga Nacional como matriz de vinhos variados.

 

TINTOS

Quinta_das_Camelias_tinto

Quinta das Camélias Touriga Nacional 2010
Uva: Touriga Nacional
Quinta das Camélias
Site Oficial:

Olha o Touriga Nacional aí gente! Este é o topo de linha da Quinta das Camélias. Passa 10 meses em carvalho francês antes de vir ao mundo. Um touriga muito floral com uma violeta exibida mas elegante. Aveludado na boca, delicado, boa extensão. Apenas 6.600 garrafas produzidas. Um fidalgo perfumado engarrafado!

 Carvalhao_Torto_2005

Quinta do  Carvalhão Torto 2005
Uvas: Jaen e Alfrocheiro
Quinta do Carvalhão Torto
Site oficial

Entre todos os vinhos do Solar, o Quinta do Carvalhão Torto 2005 mostrou uma pegada didática que aponta como o tempo de garrafa age (para melhor) no sabor de um vinho. Um vinho com contraprova: comprei uma garrafa para dividir a experiência com minha mulher aqui no Brasil e a impressão de qualidade e sabor permaneceu em ambientes diversos. As uvas têm excelência de maturação nos 7 hectares de vinha. As 30.000 garrafas deste vinho só são lançadas após envelhecimento por no mínimo cinco anos. Tem um aroma delicado e intenso de terra molhada, húmus. É classudo, com boa estrutura em boca e taninos suaves e macios. 12,5% de álcool completam a elegância e a frescura que combinada com acidez amplia a vivacidade do vinho. Um vinho que não teve pressa de chegar ao mercado; não precisa de rapidez em bebê-lo.

 Quinta dos Carvalhais_Encruzado

Quinta dos Carvalhais Colheita 2011
Uvas: Touriga Nacional (93%), Tinta Roriz (5%) e Alfrocheiro (2%)
Sogrape – Quinta dos Carvalhais

Uma mescla elegante onde a fruta mais escura predomina e o floral mais tímido marca presença nos aromas e no sabor. As uvas são fermentadas em tanques de inox separadamente e depois passam uma temporada em barricas francesas de primeiro e segundo uso. Um Dão de potência, que me pareceu ter menos acidez que seus colegas, mas boa estrutura e longa persistência. Um Dão de bigodes.

 Estremuas_tinto

Quinta das Estrémuas Reserva 2008
Uva: Touriga Nacional
Vinícola de Nelas

Uma Touriga Nacional à capela com muita exuberância de fruta madura, muito macio na boca e ótimo final. Mais fruta e menos flor. Passa por um estágio em madeira francesa por 11 meses antes de ir para a garrafa. Um belo exemplar do potencial do Dão com uma pegada mais estruturada e com suculência marcante.

 Cabriz_Reserva_tinto

Cabriz Reserva 2012
Uvas: Touriga Nacional (40%), Tinta Roriz (30%) e Alfrocheiro (30%)
Wine Soul/Dão Sul – Cabriz
Site oficial

A Dão Sul é um blockbuster do Dão, seus vinhos são facilmente encontrados nos supermercados brasileiros. Produz grande quantidade com qualidade e preço. O enólogo Osvaldo Amado foi eleito o enólogo do ano em 2015. Para conhecer um Dão mais básico experimente o Cabriz Colheita Selecionada. Esta garrafa aqui está posicionada um degrau acima. A linha Reserva passa 9 meses em barrica francesa de tosta fraca (não marca muito o vinho). Destaque para sua boca aveludada, de bons taninos combinados com algum floral. Osvado Amado apenas mostrou na feira a garrafa de um vinho impressionante, 25 Cabriz, uma edição comemorativa às bodas de prata da casa.  No almoço tivemos o prazer de dividir com todos os produtores. Impressionou.

 FAta

Quinta da Fata Touriga Nacional 2010
Uva: Touriga Nacional
Quinta da Fata

Pequena propriedade de apenas 6,5 hectares (oferece hospedagem também), produziu apenas 3.500 garrafas deste Touriga Nacional puro sangue. A propriedade é familiar há algumas gerações, mas as vinhas têm cerca de 15 anos. Segue a tradição de pisa a pé, fermentação em lagares de pedra. Passa seis meses em madeira nova e outros seis em madeira de segundo uso americanas e francesas. Tem um leve toque defumado, macio e com fruta madura intensa.

 Tnac-Tinto

Tnac 2010 by Falorca
Uva: Touriga Nacional
Quinta da Falorca

Outro rótulo moderno que chama a atenção para a descrição da variedade: Tnac = Touriga Nacional. Um tinto vibrante sem passagem por barricas de carvalho. Resultado: um caldo menos afetado aos humores da madeira. Foi um dos últimos vinhos provados e sua jovialidade e proposta foram um refresco para tintos mais compleixos que exibiam mais medalhas. Às vezes menos é mais.

 Perdigão_ALfrocheiro

Quinta do Perdigão Alfrocheiro 2009
Uva: Alfrocheiro
Quinta do Perdigão
Site oficial 

A Quinta da Falorca é um exemplo de produção familiar e cuidado de vinificação que são típicas do Dão. Produtor e enólogo, o próprio José Perdigão escreve os contrarrótulos com uma vocabulário que mistura informação e paixão. É ele também que me serve as garrafas,  comenta sobre a reforma do Solar, o desenho das etiquetas e principalmente do vinho que expõe – e aparentemente bebe com extremo prazer e satisfação. Tem muito disso em Portugal, a simpatia do produtor ajuda o vinho. Como Luis Pato, da Bairrada, tratado em outro post. Ah, o vinho! O Alfrocheiro é outra casta importante do Dão, aqui em carreira-solo. As uvas são colhidas em apenas 1 hectare de vinhedo “amigo do meio ambiente”, como descreve José Perdigão. Um vinho de estrutura firme, um toque defumado gostoso, uma goiabada em compota no nariz e auditada na boca. Frutas negras presentes. Também tem um toque de caixa de tabaco (parece estranho mas aparece), resultado do tempo de garrafa. Complexo, elegante; chega em várias camadas e demora a ir embora. Um Dão bão para fechar.

À mesa com o Dão

Finda prova nos reunimos todos para o almoço, desta vez com todas as garrafas da minifeira abertas e à disposição de todos para acompanhar a refeição. No cardápio a variada gastronomia portuguesa: bacalhau, leitão, embutidos, queijos. À mesa ninguém cuspiu o vinho, ele foi parceiro e ampliou os prazeres da comida. Como tem de ser.

No próximo post  –  Vinhos de Portugal: o Dão, o Douro e a dor de dente (parte 2) – eu conto um pouco sobre a parte da viagem ao Douro, seus vinhos importantes e também sobre a dor dente.

Nota: a viagem a Portugal foi patrocinada pela ViniPortugal, organização que representa o setor vitivinícola português e promove os vinhos de Portugal.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 Brancos, Tintos, Velho Mundo | 01:25

Vinhos de Portugal: um Pato aqui, um Pato acolá.

Compartilhe: Twitter

Lá vem o Pato
Pata aqui, pata acolá
Lá vem o Pato
Para ver o que é que há
(O Pato, música infantil de Vinícius de Moraes)

 

pato

Luis Pato em foto oficial do site: um pato aqui (o bicho), outro acolá (o vinho)

Um Pato aqui

O vinho português é o que é por conta da diversidade de suas uvas nativas e das características que elas adquirem em cada uma de suas regiões vinícolas. A Bairrada é uma das 28 DOCs (Denominação de Origem Controlada) de Portugal. E foi para lá que partimos de Lisboa para iniciar nossa viagem aos vinhedos e vinhateiros da terrinha.  A região tem nos espumantes seu principal produto – 65% das borbulhas portugueses são da Bairrada -, mas são os tintos elaborados a partir da casta baga que fazem a fama do lugar pra quem se interessa por vinho.

A baga não é para amadores. Pode gerar  vinhos muito adstringentes e herbáceos – aqueles taninos que travam a língua -, mas nas mãos de hábeis vinhateiros é capaz de produzir caldos expressivos, com grande capacidade de guarda e complexidade. Um dos mais conhecidos magos da baga é o  brilhante enólogo Luis Pato, o domador da uva. Um iconoclasta que colocou a baga em outro patamar.

Os vinhos que levam estampados no rótulo o seu nome são para todos os públicos e bolsos. O mais básico – que leva um contorno de um pato vazado no rótulo – é figura carimbada em cartas de restaurantes brasileiros. Na comissão de frente dos rótulos se destacam as joias da coroa: o Vinhas Velhas (branco e tinto), o Vinha Pan e a experiência única do Pé Franco. O Pé Franco, como indica o nome, não usa aqueles enxertos que evitam a praga das parreiras, a filoxera, o que se traduz num tinto de uma pureza inigualável. Com seu bigode de português de almanaque e bom humor inconfundíveis,  Luis Pato é  presença garantida em feiras e degustações patrocinadas por seu importador no Brasil, a Mistral. Após algumas oportunidades de encontrar o criador, apareceu a oportunidade de conhecer as origens da criatura: sua terra e seus  vinhedos.

Leia também: Os bons vinhos e o bom papo de Luis Pato

Um Pato Acolá

Chegamos à vinícola no meio de uma manhã de tempo nublado e chuvoso. Logo na entrada do prédio que abriga a adega uma simpática senhora  descia os degraus de uma pequena escada que leva ao edifício principal. Era a mãe de Luis Pato. Ela nos cumprimentou e indicou o caminho da entrada. O criador, Luis Pato, não se materializaria neste dia – fazia uma viagem de negócios -, mas sua presença em fotos, pôsteres e nos rótulos dos vinhos não deixavam dúvidas de que aquele era seu domínio. Quem nos recebeu, no entanto, foi outra representante da família Pato, Maria João, demonstração evidente de que estamos diante de uma empresa familiar, algo que no mundo do vinho às vezes faz a diferença.

Quinta do Ribeirinho

Maria João tem os olhos muito azuis, um sorriso fácil e uma maneira de falar recheada de graça e ironia. Enquanto dirige o jipe levando os visitantes por um passeio por parte dos 60 hectares de vinhedos da família, vai apontando onde estão plantadas as uvas responsáveis por pérolas do catálogo Luis Pato: “Aqui estão os vinhedos da casta Maria Gomes, que produz nossos espumantes”. Mais adiante paramos em frente às fileiras de plantas que geram os frutos responsáveis pela Vinha Barrosa, Vinha Pan ou as exclusivas (e caríssimas, R$ 1.500,00 a garrafa no Brasil) parreiras da Quinta do Ribeirinho Pé Franco, cercadas de eucaliptos. “O Pé franco cheira a Eucalipto”, informa. Conta histórias da família. “Os clones da uva cercealinho foram plantados por meu avô (João Pato)”, passa pela antiga casa que foi morada de seus antepassados, logo após a pequena torre que, à maneira de Bordeaux, delimita as franjas da propriedade da Quinta do Ribeirinho (foto ao lado). Apresenta versões para a origem do nome Bairrada “vem do solo de barro” ou então do latim, “significa conjunto de bairros”. A chuva às vezes dá uma trégua e descemos do carro e nos aproximamos dos vinhedos, checamos o solo arenoso, o barro que pode ser origem da região, observamos o ciclo das vinhas “as plantas com as folhas mais vermelhas costumam ser de uvas tintas e as mais claras de uvas brancas”, indica Maria João, identificando algumas espécies. Ali, no meio do vinhedo, com os pés no barro, ouvindo sobre o manejo das uvas, me ocorre um sentimento de inadequação entre a simplicidade e a verdade das pessoas que lidam com a produção do vinho e  a solenidade que a crítica e os especialistas impõem à bebida. É bom conhecer de perto a origem de um vinho para entender a mensagem que vem da garrafa.

Maria João é filha menos famosa de Luis Pato. Felipa Pato, a outra irmã, tem um empreendimento na região e já tem uma grife de vinhos com certo reconhecimento. Produz rótulos bastante interessantes e saborosos, em especial, para mim, os da linha Local e seus espumantes. Maria João, no entanto, discorre sobre os vinhos e as vinhas (“2014 foi um ano difícil na Bairrada”) com conhecimento e intimidade. As vinhas estão plantadas em terrenos de solo calcário e argiloso e o clima sofre forte influência do Oceano Atlântico. A proximidade do mar, “mais próximo que em Bordeaux”, explica, potencializa a precipitação de chuvas, dificultando em algumas safras a maturação das uvas. Aí entra o talento da família em dominar este processo.

Maria João na adega com um rótulo antigo

Maria João na adega com um rótulo antigo

Voltamos ao prédio onde começamos a visita. Luis Pato é uma vinícola de médio porte, as instalações são modernas e eficientes, mas não grandiosas; não vendem arquitetura, mas qualidade do que vai dentro da garrafa. Passeamos na sala onde estão armazenados garrafas novas e antigas. Maria João embala alguns rótulos mais antigos e conta sua história, uma aula visual proporcionada pelas alterações das etiquetas, desde a  assinatura de Luis Pato – sempre presente – até a evolução do design. Ao mostrar a linha de mais alta gama, Maria João expressa o desejo de aumentar as vendas dos rótulos de maior valor agregado, ou seja, os mais caros. “Acho que  não é uma tarefa fácil”, argumento, tentando contextualizar o momento econômico. Mesmo viajando, o Brasil nunca sai de dentro de nós… Os maiores mercados de Luis Pato são: Estados Unidos, China (Macau), Noruega e por fim o Brasil. Estamos bem, mesmo assim.

ov.josmolespgDali partimos para um almoço regado a vinhos. Carrego uma caixa pesada, onde estão os rótulos que iremos provar. “Começamos bem!”, penso antecipando o prazer da prova. O restaurante era o reconhecido O Reis dos Leitões, em Mealhada. O prato principal, como não poderia deixar de ser, foi o Leitão da Bairrada. Iniciamos a refeição com entradas típicas, como uma espécie de empada recheada de carne de porco, presuntos e cremosíssimo queijo do Azeitão e finalizamos com uma sobremesa típica: ovos moles de Aveiro – pequenas porções doces de gema de ovo cozidos em xarope e envoltos em hóstias (foto ao lado). A carta de vinhos, premiada como uma das três mais importantes de Portugal – uma bíblia cheio de rótulos portugueses de todas as regiões –, também contempla alguns rótulos importados, em especial uma bela seleção de champagnes.

O que é que há: os vinhos

Cinco vinhos bebidos no Rei dos Leitões, e um aqui em casa (enquanto escrevo este texto)

mariagomes

Maria Gomes sparkling – método antigo

100% Maria Gomes

O método antigo é chamado por Luis Pato de antichampagne, pois só tem uma fermentação, ao contrário das tradicionais duas fermentações do método clássico. Para isso a uva tem de ter alto teor de açúcar, já que não há adição de mais açúcar, comum no método champenoise. “Champagne é o açúcar mais caro do mundo”, costuma ironizar Luis Pato. Aromático (característico da Maria Gomes) e com bela acidez tem aromas de fermentação presentes, resultado do método. Um belo e diferente espumante que vale experimentar.

bairrada95

Vinhas Velhas Luis Pato Bairrada Vinho Branco 1995

Uvas: Bical, Maria Gomes e Cercial

Vá lá, é um vinho para impressionar visitante, para mostrar o potencial histórico. Bingo! No contrarrótulo, o texto sugere que o vinho pode ser guardado por tempo superior a 10 anos. Eu sempre duvido destas previsões. Mas em 2015, passados os 10 anos, se revelou um branco soberbo. Com uma linda cor dourada, mel em profusão, um doce de figo em compota no nariz e na boca, untuoso e longo. Pra quem acha que só vinho tinto ganha com o tempo, uma lição de paladar evoluído.

Vinhas.Velhas.pg

Vinhas velhas tinto 2011

Uva: Baga

Um vinho que sempre me agrada. Um clássico que representa Luis Pato e sua baga de resultados. Potência, um toque de fumê, que é dado pelo solo – segundo Maria João -, e com uma menta muito perceptível no final de boca. Quer se iniciar nos vinhos de Luis Pato? Comece pelo mais básico, vai dar uma ideia. Quer provar o potencial da um bom baga? Eis aqui uma experiência que retrata o trabalho do enólogo.

VinhaPAn

Vinha Pan 2011 – Bairrada DOC

Uva: Baga

Aqui o capricho se dá desde a seleção, são apenas três cachos por cepa nos Vinhedos de Panasqueira (daí o nome Pan), com solo de argila-calcário (você encontra vestígios de amonites – conchas de origem marítima). Bom de aroma e de boca, com um baita potencial de guarda, mas já se revela grande na safra 2011.

VinhaBarrosa

Vinha Barrosa 2012 – Monopólio – Bairrada DOC

Uva: Baga

A vinha Barrosa é a vinha mais velha (quase 90 anos) da propriedade, todo o trabalho é manual. Situada numa espécie de concha, está rodeada de pinheiros. 2012 foi um ano mais quente, é um vinho redondo, macio, de boa estrutura e complexidade. Isso tudo para dizer que é um vinhaço, com aromas mais presentes, que vai mudando na taça e mantém uma sensação gostosa ao passar dos goles. Vai envelhecer com galhardia e pompa. Então, se você foi contaminado pelo paladar da linhagem Pato aqui o namoro vira casamento.

FernãoPires

Fernão Pires 2012

Uvas: Fernão Pires 96% e Baga 4%

Você já provou um vinho tinto elaborado primordialmente por uma uva branca? Tá aqui uma oportunidade. Luis Pato juntou 6% da tinta baga e pintou a branca Fernão Pires. Uma homenagem ao neto Fernão.O rótulo mostra a mão de uma criança e de um adulto se tocando pelos dedos, numa referência ao afresco da Capela Sistina.  É um tinto delicado, 12º de álcool, perfumado, uma fruta vermelha silvestre, uma boa acidez, que se bebe com prazer e sem grandes pretensões. Um vinho de curtição e não de elucubração, que embalou a finalização este texto. Nada melhor para embalar um texto que o vinho sobre o tema, né não?

Lá vem o Pato..

selvagem

Enquanto passeávamos pelas estradas entre os vinhedos da propriedade, Maria João revelou, um pouco intimidada, que tem em barrica um primeiro vinho em gestação: por enquanto chamado de “Selvagem”, ainda uma experiência sem pretensões comerciais. Não está pronto, ainda está em processo de apuração. Mas já revela uma pegada mais natural, a formação de um estilo de vinho sem intervenções. A propósito, não é apenas o vinho que está em gestação. Maria João está grávida. Uma nova geração Pato vem aí, para ver o que que há neste mundo.

Autor: Tags: , , , , , , , ,