Publicidade

Posts com a Tag carignan

sexta-feira, 25 de setembro de 2015 Novo Mundo, Tintos | 00:32

Marques de Casa Concha: um clássico chileno em mutação

Compartilhe: Twitter
Marcelo Papa: enólogo há mais de dez anos da Marques da Casa Concha. Mudanças à vista.

Marcelo Papa: enólogo há mais de dez anos da Marques de Casa Concha. Mudanças no estilo de um clássico chileno.

Um fantasma ronda a cabeça do enólogo Marcelo Papa, responsável há 10 anos pela linha Marques de Casa Concha – o fantasma dos vinhos menos potentes, mais frutados e com menos madeira. O Marques de Casa Concha é um clássico do “vinho bão” chileno, e um dos grandes representantes dos tintos e brancos varietais (de uma só uva) de grande expressão e potência. E foi esta mudança de rumo que Papa veio mostrar em seu último giro pelo Brasil, quando apresentou um Cabernet Sauvignon Edição Limitada de 2013 e um carignan que faz parte de um projeto dedicado à esta uva no Chile, o Vigno (Vignadores de Carignan).

Time que está ganhando não se mexe, certo? Errado, mexe sim, mas com todo cuidado e paciência, afinal se trata de um ícone de uma gigante do vinho (Concha y Toro), com uma legião de consumidores fieis e, claro, sucesso de vendas (e de receita). Esta nova visão poderia ser resumida no clássico conselho do “menos é mais”: menos álcool, menos potência, menos doce, menos madeira. “Começamos a colher as uvas mais cedo, para obter teor alcoólico mais baixo, mas mantendo uma boa fruta e a usar tonéis (barricas maiores, de 5.000 litros)”, conta Papa.

Mas se o consumidor gostava dos vinhos como eles eram, por que mudar? “Há quatro anos eu percebi que não estava tomando mais Marques de Casa Concha em casa”, diz Marcelo Papa. Era um sinal claro que mudanças precisavam ser feitas. “Os formadores de opinião – especialistas e críticos – começaram a ficar cansados de um estilo muito potente de vinho, pois nem todos os vinhos têm de ser assim e apontaram uma tendência”. Os consumidores (ou parte deles) também começaram a seguir esta onda, a buscar vinhos mais gastronômicos, com maior presença da fruta, acidez e menos efeitos da madeira nova que marca muito a bebida “Acho que terá uma boa aceitação”, aposta Papa.

E a mudança começou no uso da madeira. Ela não foi abandonada, mas seus efeitos aliviados com o recurso de recipientes maiores. Marcelo Papa testou tonéis de várias partes do mundo e acabou elegendo a matéria-prima do Piemonte, na Itália, usada na guarda dos barbarescos e barolos – o que já indica um caminho rumo à fineza. Em seguida, começou a misturar os vinhos em barricas tradicionais e nos tais tonéis. Foi uma maneira cautelosa de introduzir um novo estilo e ao mesmo tempo não assustar o consumidor acostumado à pegada do Marques clássico. O Cabernet Sauvignon 2013 tradicional de Puente Alto, no Vale do Maipo, continuará com 80% do seu caldo estagiando 18 meses em barricas francesas, mas 20% ficará nos tonéis; no Syrah os 14 meses de barrica serão divididos 50% em barricas e 50% em tonéis. Foram adquiridos 38 destes grandes barris para este primeiro momento, e o mesmo número já está encomendado para as próximas safras.

Mais tensão e menos intensidade

Marques de Casa Concha Edição Limitada 2013 e Vigno: qual deles vai para a taça vazia? Os dois.

Marques de Casa Concha Edição Limitada 2013 e Vigno: qual deles vai para a taça vazia? Os dois.

O Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon Edição Limitada 2013, de Pirque, Puente Alto, sul do Rio Maipo, já é uma boa amostra do que vem por aí em termos de qualidade e frescor. O solo aluvial, com calcário, transmite uma certa “tensão ao vinho”, como defende Marcelo Papa. Como entrega o nome, a produção é mesmo limitada, principalmente para o nível Concha y Toro de ser. São apenas 6.000 garrafas. É um vinho meio “revival” no estilo dos anos 70, as uvas são colhidas mais jovens para obter menos álcool. Passou 22 meses em tonéis italianos e barricas francesas sem tosta, que também gera a tal tensão ao vinho, ou seja ele não é marcado pelas notas abusivas de chocolate, madeira, grafite. Não tem aquela opulência muitas vezes exagerada. A fruta, mais para a vermelha do que a preta mais comum no Marques clássico, é a expressão mais pura do vinhedo. Ganhou muito aberto mais de uma hora antes de servir e foi encontrando mais camadas aromáticas com um tempo na taça. Menos é mais aqui não é uma frase de efeito, mas um vinho elaborado com a intenção de ser menos intenso e com mais tensão.

O Vigno, é outra boa surpresa para aqueles que gostam de experimentar e valorizam o vinho mais franco e com maior “bebabilidade”. O rótulo faz parte de uma associação de pequenos produtores, algo como Vinhateiros de Carignan, que produzem o varietal desta uva na região sul de Maule, em variadas vinícolas (entre quinze e vinte) com o propósito de divulgar a Carignan chilena. Todos os produtores identificam no rótulo o vinho com o nome de Vigno. “Um dos fundadores da associação foi o Gilmore, há 4 anos. Hoje tem Vigno na Undurraga, do Montes, e agora da Concha y Toro”, explica Marcelo Papa.  As uvas são originárias de parreiras de 70 anos e 10% delas sofrem o processo conhecido como fermentação carbônica (a transformação do açúcar em álcool se dá dentro da fruta), que resulta num tinto de muita, mas muita expressão de fruta negra, e uma acidez marcante e frescor em boca que pede mais um gole. Um vinho agradável de beber e ótimo para acompanhar pratos mais leves.

Esta belezinha deve aportar ao Brasil no final do ano. Também nesta linha de privilegiar uvas menos conhecidas e até originais do Chile, estão as garrafas do Cinsault e Pais, infelizmente longe do mercado brasileiro. São algo como os vinhos alternativos da Marques da Casa Concha.

 Tradição e inovação

Mas se existe uma mudança anunciada com orgulho e cautela por seu criador e mentor (era visível sua satisfação com os resultados obtidos  e com a carta branca da empresa para seguir adiante) é por que existe também uma história bem-sucedida dos rótulos do Marques de Casa Concha, lançados em 1976. Trata-se de um vinho de autor, nas versões atuais e que estão por vir.

Aqui no Brasil são encontradas as versões: Chardonnay e Pinot Noir, do Vale do Limarí; Merlot e Carmenère, do Vale do Cachapoal, Vinhedo Peumo; Cabernet Sauvignon e Syrah, Vale do Maipo.

Confesso que este novo estilo era algo que eu colocava um pouco em dúvida: não por que não concorde com esta vertente do “menos é mais”, mas por que me parecia que poderia descaracterizar um pouco o tradicional Marques de Casa Concha, mudar seu caráter e desagradar seu consumidor, afinal de contas para quem é feito o vinho. O Marques “tradicional” – podemos já chamar assim –  sempre me agradou dentro do seu estilo e potência, valorizando comidas mais fortes numa harmonização por “paridade”. Mas colocando lado a lado os dois caldos ficou clara a diferença que faz o nível alcoólico, a fruta vermelha versus a negra, a influência mais sutil da madeira contra a potência das barricas nos aromas e no paladar menos doce e mais gastronômico. E fiquei com vontade de ter um gole a mais da edição limitada em minha taça.

Marcelo Papa adiantou ainda uma novidade, fruto de uma curiosidade deste colunista, que tem uma certa predileção pela uva cabernet franc. Com tantas varietais por que não tem um Marques de Casa Concha Cabernet Franc? Ah… Não tinha, mas terá, de pequena produção. A Safra 2014 chega ao mercado no segundo semestre de 2016. Nós, devotos do cabernet franc aguardamos ansiosos.

 32 milhões de caixas

A Concha y Toro é uma potência. Produz vinhos de vários estilos e preços. Além da vinícola que dá nome à empresa a holding controla a Cono Sur, Vina Maipo, Palo Alto, Canepa, Maycas del Limari (no Chile), Trivento (na Argentina) e Fretzer (Estados Unidos). Juntas produziram uma bagatela de 33,2 milhões de caixas de 12 garrafas de vinho em 2014, distribuídas em 145 países. Só a Vinícola Concha y Toro é responsável por 14,2 milhões de caixas. A Viña Concha y Toro coleciona prêmios, rótulos e um resultado inédito de 1 bilhão de dólares em vendas. Carrega também as virtudes (uma legião de consumidores fieis) e as mazelas (o mimimi dos puristas que criticam a estandardização de seus vinhos) que acompanham as grandes marcas de sucesso. Por isso mesmo é com alguma surpresa que experiências como esta defendida por Marcelo Papa na linha Marques de Casa Concha apontam que o mercado está mesmo mudando, que tudo que é sólido pode mesmo se desmanchar no ar.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quinta-feira, 30 de abril de 2015 Tintos, Velho Mundo | 11:31

Um vinho francês de bom preço e um sapo arrogante

Compartilhe: Twitter
Vinhos do Languedos, sul da França: um príncipe entre os sapos!

Vinhos do Languedoc, sul da França: um carignan de vinhas velhas entre os sapos!

Então você quer beber um vinho francês e na hora de escolher um rótulo fica dividido entre deixar de pagar a mensalidade escolar do seu filho e gastar a grana comprando um premiado Bordeaux, um elegante Borgonha, um clássico Champagne ou acaba se arriscando num rótulo genérico de supermercado mais barato e fica com aquela impressão que vinho da terra do Asterix é só para poucos mesmo. Decepção.

Assim como a França vitivinícola não se resume a estas três regiões clássicas, os valores não precisam ser tanto ao céu nem tanto à terra. Há vinhos de boa qualidade e preços médio de várias regiões da França que chegam aqui no Brasil também. E são agradáveis, com alguma tipicidade, mais despretensiosos, nem por isso mal cuidados.

O próprio governo francês trabalha neste sentido. O escritório da embaixada francesa, através da agência Business France, montou um estande na última ExpoVinis cuja estratégia era mostrar ao mercado que grande parte da produção do país é feita para um consumo do dia a dia, sem protocolo, mas mantendo qualidade. E apresentou rótulos de diversas regiões. O lema era: “Vinhos franceses: não precisa complicar. Basta amar!”

Foi nesta pegada que segui para uma degustação de tintos e brancos da Domaines Paul Mas, da região do Languedoc, Sul da França, dia desses. Se você nunca ouviu falar do Paul Mas provavelmente um de seus vinhos já deve ter  chamado sua atenção: Arrogant Frog. Se não pelo vinho, pelo menos pelas simpáticas figuras aí de baixo.

Desprentensioso, divertido, mas arrogante

Despretensioso, divertido e um marketing moderno

E foi mirando o sapo gabola que imaginei que iria conduzir este texto. Mas este negócio de pensar o texto antes dos fatos costuma dar errado. Outro vinho, de preço nada arrogante, no entanto, me chamou mais a atenção.

Paul Mas

Mas antes do vinho, um pedágio: a apresentação da vinícola e seu projeto. A Domaine Paul Mas não é um empreendimento qualquer, não: são nove diferentes vinhedos cobrindo toda a extensa região de Languedoc, 478 hectares de vinhedos próprios (92 biodinâmicos), 1285 hectares de vinhedos de parceiros sob contrato, mais de 30 variedades de uvas plantas, 8 enólogos, 130 empregados, mais de 2 milhões de caixas de vinho produzidas e exportadas para 58 países nos 5 continentes. O conceito: produzir vinhos do Velho Mundo com a Filosofia do Novo Mundo, ou como está descrito no site da empresa “ O segredo da qualidade de nossas uvas e nossos vinhos está no fato de que trabalhamos com o espírito de uma pequena vinícola mas com a operação em escala de uma vinícola do Novo Mundo”.

Ah, uma historinha sobre o rótulo do Arrogant Frog. Como se sabe os franceses não têm a fama de serem as pessoas mais modestas e simpáticas deste planeta. Por conta desta característica que os identifica, seus vizinhos e eternos rivais ingleses costumam tratá-los como batráquios. Juntando o fato de que na época de seu lançamento os Estados Unidos estavam boicotando os produtos franceses já que o país se recusou a aderir à Guerra do Iraque, a ideia de responder com humor a situação revelou-se uma baita ferramenta de marketing. Daí surgiu a linha Arrogant Frog e seu rótulo chamativo, e lá se vão 10 anos.

Paul Mas Carignan Vieilles Vignes 2013.

Então estou eu na tal degustação na esperança de juntar minha ideia de explorar o sapo num texto e recomendá-lo aos leitores. E topei com um vinho muito mais bacana para recomendar: o Paul Mas Carignan Vielles Vignes 2013. É dele que falo abaixo.

Paul Mas Vielle Vignes Carignan: um vinho do seu lugar

Paul Mas Vielile Vignes Carignan: um vinho que representa sua origem

Paul Mas, Carignan Vieilles Vignes 2013

Produtor: Chateau Paul Mas

Região: Languedoc – Vale do Hérault

Uva: 100% carignan

Preço: R$ 79,00(no site da importadora Decanter está em promoção por R$ 67,00)

E voilá! Pelo mesmo preço de um Arrogant Frog acho que tem mais vinho nesta garrafa de 100% carignan de vinhas de mais de 50 anos. O bichão tem boa concentração, um corpo médio, taninos suavizados pelos seis meses de barricas americanas (20% novas). Tem um aroma mais doce, com traços da passagem pela barrica, fruta negra madura e um toque terroso delicioso. Foi bem com o confit de pato, retratado abaixo.

Vai um pato aí?

Vai um pato aí? Um carignan, s’il vous plait!

Ficou curioso pelos sapos topetudos, né? Muita gente já conhece, mas vamos a eles: dos dois Arrogant Frog que provei, o Syrah-Viognier 2013 (91% syrah de vinhas de 20 a 30 anos e 9% viognier – R$ 71,50) e Reserve IGP 2013 (um típico GSM: grenache, 30%, syrah, 45%, e mourvèdre, 25% – R$ 79,00), acho o segundo mais típico de uma região mediterrânea, mais gostoso de tomar e gastronômico, com um toque nítido de especiarias e notas defumadas, cai muito bem com uma comida de bistrô, por exemplo. Há uma linha relativamente grande do Arrogant Frog no mercado brasileiro. Entre eles os  divertidos tutti-frutti, rouge, rosé e branco destinado ao público mais jovem.   Descompromissados, resolvem uma festa, uma refeição sem grandes pretensões, mas pelo mesmo o preço (ou até menor, como a atual oferta), o Paul Mas Carignan Vieilles Vignes dá mais prazer.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 6 de abril de 2015 Novo Mundo, Tintos | 10:51

Vinho Pipeño: em busca da simplicidade perdida

Compartilhe: Twitter
Atardecer Pais loncomilla

“Deparamos com este terroir do Valle de Loncomilla e as uvas país e carignan e acreditamos que era possível fazer vinhos com identidade única”, Marcel David, da Viña Maitia

Pablo Picasso dizia que precisou de uma vida inteira para aprender a desenhar como uma criança. Steve Jobs, fundador da Apple, considerava “o simples mais difícil do que o complexo.” O que estes dois homens que transformaram o mundo em que vivemos e a maneira como o interpretamos  deixam como legado é o conceito de que a busca pelo simples passa pelo aprendizado, e superação, do complexo. Uma dica que vale para o vinho também.

O vinho, teoricamente, não deveria ser complicado sob o ponto de vista do consumidor. Basta ser uma bebida alcóolica que agrade, dê prazer e melhore o momento (uma refeição, uma celebração, um bate-papo com amigos, uma noite romântica, a leitura de um livro). Mas não é bem assim que acontece. O vinho se tornou um assunto de especialistas. O que estabeleceu uma espécie de linha imaginária que divide as pessoas em dois tipos: aqueles que “entendem” de vinho e os que “não entendem”. Mas talvez o mundo fosse mais feliz (o menos complicado) se existisse apenas uma categoria de pessoas: aqueles que gostam de vinho.

Este é tipo de consumidor que começa a habitar os corações e mentes de uma geração de enólogos que, passada a onda dos caldos potentes, de grande extração e sem defeitos, busca cada vez mais uma fórmula que parece óbvia, mas na verdade é trabalhosa e exige foco: a simplicidade no vinho. E o que é este produto? Um vinho fiel a suas origens,  fácil de beber, pouco alcóolico, com a fruta em primeiro plano, que vai bem com a comida e tem o prazer do consumo em primeiro plano. Sem desmerecer os vinhos mais sofisticados e de maior complexidade (eu adoro, ok?) é preciso haver um espaço também para o hedonismo sem manual, o beber descontraído.

Foto 14-08-14 18 05 46

“O Pipeño é um vinho que é um patrimônio, feito há muitos anos no Chile”, Marcel David, da Viña Maitia, com o garrafão e a garrafinha que lembra a de cerveja

Aqui se introduz o enólogo David Marcel, um francês da região basca francesa de Iparalde, que desde 2006 mora no Chile, e o seu vinho Pipeño. O Pipeño é um vinho tradicional feito de uvas julgadas até então menos “nobres”, em especial a país, variedade plantada pelos jesuítas na região do Maule desde o século XVI, fermentado em grandes pipas (toneis de madeira), vendido a granel ou em garrafões para consumo dos trabalhadores. “É um vinho que é um patrimônio, feito há muitos anos no Chile”, defende. “Resgatar esta história é muito importante.” Marcel é uma espécie de embaixador do estilo Pipeño, talvez uma das melhores traduções do vinho descomplicado, fácil de beber, e de origem produzido no Chile.

David Marcel, casado com a também enóloga e sócia Loreto Garau, é um homem baixa estatura, rosto redondo, barba cerrada, espanhol fluente, olhos azuis expressivos e opiniões firmes. Em sua primeira passagem pelo Chile foi enólogo da La Postolle, e teve sua experiência com as uvas internacionais mais associados ao vinho chileno de exportação. Ao regressar para França, trabalhou em vinhedos no sul do país e uma nova perspectiva profissional começou a tomar forma: “Este período pela região nos marcou pela diversidade dos vinhos, não necessariamente os mais caros, mas os mais diferentes”. De volta ao Chile, a convivência com pequenos produtores do Maule e sua maneira de vinificação, realizada de maneira tradicional com fermentação em grandes lagares e sem maceração tradicional, apontou outro caminho. “Deparamos com este terroir do Valle de Loncomilla, na região do  Maule, e as uvas país e carignan e acreditamos que era possível fazer vinhos com identidade única”, relembra. Em 2012, o chefe da bodega onde Marcel vinifica os vinhos trouxe para provar um tinto que ele fazia para os trabalhadores e que era servido nas festas locais. Falou que era um Pipeño, feito com uva país, das parreiras mais antigas da propriedade, com idade entre 80 e 150 anos. “No ano seguinte decidi vinificar a partir desta uva e mesclei com um pouco de carignan. Assim nasceu nosso Pipeño Aupa”

A safra de 2013 mereceu 92 pontos no Guia Descorchados e a indicação de vinho inovador do ano. A uva país predomina (70%), mas uma pequena quantidade de carignan (30%) faz parte da receita. Aupa é uma saudação que significa “Viva! Salve!” em basco. O rótulo de linhas simples é também fácil de ser lembrado. “Basta estar escrito Pipeño e a palavra já diz tudo”, explica. Tudo bem, pode até dizer tudo para um chileno, mas para um consumidor brasileiro ajuda uma introdução: “Pipeño é um vinho feito em pipas e do ano, para ser bebido logo”, detalha. Um carimbo imitando um selo de cera escancara o baixo teor alcóolico: 12,5%, um dos grandes méritos do Aupa.

O Aupa é produzido em três versões, na garrafa tradicional de 750 ml, em um garrafão de 1,5 litro, que traduz com mais fidelidade sua origem, e numa simpática garrafinha de 330 ml, que lembra um casco de cerveja, incluindo a tampa de metal. A garrafinha foi para atender uma amiga que queria um vinho fácil de carregar, de levar para fora e que pudesse beber inteiro, em “porção individual”. Não é má ideia para se atingir um consumidor jovem, descontraído e avesso a firulas. Pra beber no gargalo.

IMG_4067

Marcel David oferece um pouco do seu Pipeño: um vinho simples e gostoso de beber

Mas o que se deve esperar do Pipeño Aupa? Aquilo que ele se propõe:  limpo na boca, bem frutado e fresco, sem aquela potência dos tintos caudalosos, com baixo teor alcoólico, cumprindo a proposta-conceito: fácil e gostoso de beber, sem maiores complexidades, mas também gastronômico e de identidade própria.

IMG_4072

Maitia “minha bem amada”: carignan, país e cabernet franc

David Marcel também produz outro tinto, junto com a mulher Loreto, o Maitia, que em basco significa “minha bem amada”. Trata-se de “um vinho de cozinheiro”, como ele define, já que é uma mescla de 60% carignan, 30% cabernet franc e 10 pais, mistura definida pelo enólogo e sua mulher a cada ano. A carignan desta região não tem aquela característica mais verde, mas sim aporta mais fruta, o que contribui para o resultado final do vinho. A maceração carbônica (as frutas não são esmagadas, a transformação do açúcar em álcool se dá dentro de cada fruta) que ele aplica tem um objetivo claro: evitar certas coisas como taninos exibidos ou extração excessiva, e não necessariamente está associado a uma busca por aromas de frutas encontradas em vinhos como o francês Beaujolais, que adota o mesmo tipo de vinificação.  “Nossa produção é limitada: 30.000 garrafas. Mas há outros produtores seguindo este mesmo caminho, preocupados em resgatar a diversidade e a cultura vitivinícola do Chile”, acrescenta.

É o caso de Manuel Moraga Gutiérrez, de Viña Cacique Maravilla, que brilha no guia Descorchados 2015, editado aqui no Brasil pela Editora Inner, e traz como novidade a indicação de espumantes brasileiros na versão nacional. Cacique Maravilha, que tem um nome mais próximo daquelas bebidas de procedência duvidosa, também trabalha com a recuperação da imagem do Pipeño e da uva país. Mas fica aqui só o registro, pois não provei o vinho e não tenho como emitir uma opinião.

IMG_4063

Triculfa, 100% cinsault: “No lo guarde, bébalo!”

Outro enólogo e pequeno produtor faz parte desta turma, e que tive o prazer de provar seu vinho foi Bernardo Troncoso. Bernardo  trabalha na Viña Montes e mantém uma produção artesanal de um tinto autoral que lembra muito a filosofia da Viña Maitia. Trata-se do Trifulca 2014, 100% da uva cinsault, da região conhecida como Secano Interior, também de videiras mais antigas, estas de 79 anos. Artesanal mesmo, são produzidas apenas 1500 garrafas. A coloração é um tanto turva, com uma expressão forte de fruta fresca, uma pequena agulha no meio da língua indicando ainda resquícios de fermentação na garrafa, taninos bem doces e baixo grau alcóolico. No contra-rótulo a recomendação de guarda: “No lo guarde, bébalo!”

Mas estes vinhos de autores são naturais, orgânicos, certificados? David Marcel contrai o semblante. Para ele isso não tem a menor importância. Os vinhos têm um mínimo de sulforoso, as parreiras são tratadas sem agrotóxicos, mas ele se nega a certificar vinhedos ou alardear métodos: “Não sou um método de produção”, explica. Os vinhos destes destemidos enólogos que buscam a pureza perdida trazem um frescor ao mundo de baco, introduzem questões fundamentais de missão e valores e, principalmente, recuperam a tradição dos antepassados. Não negam as inovações enológicas muitos menos pregam o abandono das práticas de higiene adotadas atualmente nas cantinas ou dos estudos do clima e do solo mais adequadas para cada tipo de uva, mas buscam manter com esta filosofia a expressão de origem de um produto.

E antes de colocar o ponto final, um questão se impõe. O leitor é apresentado ao Pipeño Aupa e os vinhos da Viña Maitia. Onde encontrá-los? Os negócios para importação no Brasil estão em fase avançada de negociação, mas ainda não existe um distribuidor. Mas devem pintar por aí. Se for viajar para o Chile, os vinhos podem ser encontrados em Santiago na loja Mundo del Vino, nos restaurantes Borago, Ambrosia, 99, no hotel Hyatt e pelo endereço eletrônico da distribuidora especializada em vinhos de autores Petits Plaisirs, não por acaso um negócio tocado por Loreto

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 23 de outubro de 2014 Brancos, Novo Mundo, Tintos | 12:53

O novo vinho chileno da De Martino: mais gastronômico, mais leve, mais natural

Compartilhe: Twitter
Vinhedos orgânicos da De Martino no Maule. "Os vinhedos são lindos, mas o que importa é o solo", diz o enólogo Marcelo Retamar

Vinhedos orgânicos da De Martino no Maule. “Os vinhedos são lindos, mas o que importa é o solo”, diz o enólogo Marcelo Retamal

Um espectro ronda o Chile, o espectro da reinvenção do vinho chileno. Aquele tinto amadeirado, carnudo, alcoólico e com uma geleia doce que eleva qualquer curva glicêmica tem seus dias contados. Pelo menos na visão da De Martino, uma bodega familiar que completa 80 anos com disposição de mudança de um adolescente. “Definimos a partir de 2010 produzir vinhos mais gastronômicos, com maior acidez, que deem prazer de beber”, pontifica o enólogo Marcelo Retamal. “E que expressem os nossos vinhedos”.

Saem de cena as barricas de primeiro uso, o tostado excessivo, as leveduras de prateleiras, os aditivos químicos, ou seja, todos os componentes artificiais que deixam todos os vinhos parecidos.

Entram no jogo os princípios da agricultura orgânica, uso de leveduras indígenas (naturais do lugar), as barricas usadas e maiores. “A madeira não é ruim , mas não pode ser norma. Tem de saber manejá-la”, explica. “Tonéis de 5 mil e 2,5 mil litros são 22 vezes maior que um barril pequeno e impacta 22 vezes menos o vinho.” Resultado: vinhos frescos, nervosos, mais fáceis de beber, com maior expressão da fruta e “diferentes”. “Este é o estilo que queremos”, aponta Retamal. Antes, explica ele, o vinho era construído do nariz para a boca, ou seja dava-se muito importância aos aromas. “Hoje, quero saber como fazer a boca, afinal o vinho é feito para beber, o nariz é uma consequência.”

Os vinhedos da De Martino são orgânicos desde 1988 e o trabalho é feito de forma sustentável, a vinícola exibe todos os certificados de agricultura orgânica e redução de emissão de carbono. Sorte ou não, a partir da decisão de um estilo com menor intervenção, mais pureza e uma busca às origens, veio a safra de 2011, considerada excepcional no Chile. Os oito rótulos que são uma espécie porta-bandeiras desta proposta são de vinhedos únicos (single vineyard) espalhados em seis diferentes vales chilenos e com características próprias. “Os vinhedos são todos lindos, mas tem de olhar para baixo, é o solo, e sua composição que determina qual a uva mais apropriada e as características que vai aportar qualidades ao vinho”

Os vinhos que representam os single vineyards são: Quebrada Seca, Chardonnay (Limari), Parcela 5 Sauvignon Blanc (Casablanca) – vinhos da Costa, com influência marítima; Carmenère Alto de Piedras e Las Águilas Cabernet Sauvigon (Maipo); Las Cruces (Cachapoal), Limávida (Maule); Vigno Carignan (Maule) – vinhedos antigos; e Alto Los Toros (Elqui) – vinhos de altura

Três vinhos que valem a pena conhecer

quebradaseca

Quebrada Seca Chardonnay 2011
Limarí
100% chardonnay
R$ 131,00
Importador: Decanter

Cansado daqueles chardonnays superuntuosos, com tanta manteiga que dá para passar no pão? Seus problemas se acabaram-se! Este exemplar do novo estilo da De Martino de solos vulcânicos e distante 25 quilômetros do oceano Pacífico, com muitos componentes calcários, prima pela frescura, pela mineralidade, uma doçura leve e um longo final de boca, que também revela um toque salgado.

limavida

Limávida 2011
Maule
85% malbec, 15% carmenère e cabernet sauvignon
R$ 131,00
Importador: Decanter

O meu vinho preferido entre os oito apresentados. Os vinhedos, plantados em 1945, mantêm a característica de uma época em que as uvas eram cultivadas juntas e misturadas. Boa entrada, fruta fresca, boca bastante delicada e limpa, boa acidez, taninos macios. Tem madeira sim, fica dois anos em barricas francesas, mas usadas, que faz seu trabalho sem atravessar o vinho.

vigno

Vigno Carignan 2011
Maule
85% carignan, 15% malbec e cinsault
R$ 131,00
Importador: Decanter

Também de vinhas velhas, estas de 1955, este é um vinho que busca recuperar o prestígio da carignan, ligado à Associação dos Produtores de Carignan do Maule, que mostra ótimos resultados no Chile. É o estilo de vinho que os especialistas costumam rotular de mediterrâneo, com uma acidez cortante, fresco e com notas bacanas de especiarias. Acho que é um ótimo exemplo da pegada gastronômica do novo estilo da De Martino. Foi o vinho chileno com maior pontuação do Guia Parker, 95 pontos.

Falando nisso, se a minha opinião não tem lá muito peso, vamos aos peso-pesados. A crítica especializada tirou o chapéu para os vinhos. Todos os seis rótulos receberam pontuação acima de 94 pontos do mais importante Guia de Vinhos do Chile e Argentina, o Descorchados, merecendo o título de “Marca Revelação do Ano”. Também mereceram notas acima de 90 pontos do Guia de Robert Parker. “Uma revolução está acontecendo na De Martino, desde a safra 2011”, alerta o colaborador de Parker, Luis Gutierrez. É, companheiros. Tudo que é sólido se desmancha no ar, tudo o que é sagrado é profanado.

E o consumidor? “O consumidor também está mudando e se voltando a este estilo de vinho e não apenas aquele alcoólico, com madeira excessiva”, aposta Retamar, afinal há que se vender as garrafas. Para finalizar, contextualiza seu papel nesta mudança: “O estilo é o que é importante, é o que fica. Os enólogos são passageiros, assim como na Fórmula 1.  Os pilotos mudam, uma hora é o Schumacher, outra o Alonso. O que importa é a Ferrari”.

Autor: Tags: , , , , , , ,