Publicidade

Posts com a Tag champanhe

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013 Espumantes, Nacionais, ViG | 12:39

Espumantes nacionais para comemorar o fim de ano – parte II (método champenoise)

Compartilhe: Twitter

abrechampenoise

Na segunda série sobre os espumantes nacionais para festejar o fim do ano, o Blog do Vinho destaca aqueles espumantes elaborados como os champanhes franceses. No primeiro post desta série, os destaques foram os espumantes nacionais elaborados pelo método charmat. Nesta coluna,  são os espumantes brasileiros elaborados pelo método tradicional, clássico ou champenoise – a segunda fermentação, aquela responsável pela mágica de produzir o gás carbônico, é realizada dentro da garrafa. A propósito, quer irritar um francês é só usar o termo champenoise para denominar o método em que a segunda fermentação dos espumantes é realizada na garrafa. Irritamos os franceses com o primeiro parágrafo, portanto. Como se sabe, o termo champagne é de uso exclusivo dos espumantes de excelente qualidade produzidos na região demarcada da França de mesmo nome.

Qual a diferença, afinal? Não é tudo vinho com borbulha? O bebedor ocasional de espumantes não está muito interessado em saber o processo de produção de um espumante, e sim em beber um bom vinho. Mas a diferença do método determina o estilo do espumante – muitas vezes seu preço e a qualidade. Se no charmat a segunda fermentação é feita em grandes cubas de aço inox, no método champenoise/tradicional a segunda fermentação é feita na própria garrafa, o que determina um maior e mais longo contato do vinho-base (a mistura original das uvas maceradas antes de ganhar o gás carbônico) com as leveduras e que confere, em geral, um vinho com borbulhas mais finas, uma espuma mais consistente e aromas de panificação, frutas secas e maior persistência em boca. Quanto maior o tempo de contato com as leveduras, mais complexidade e cremoso o espumante.

É um processo mais caro e manual que no final exige uma ginástica para a retirada das leveduras mortas. As garrafas são colocadas em cavaletes e giradas manualmente alguns graus por semana até chegar uma posição de 90 graus. O objetivo é concentrar o sedimento deixado pelas leveduras no gargalo para serem eliminadas antes de a garrafa ganhar a rolha definitiva e aprisionar os gás carbônico em seu interior. Este processo, conhecido pelo pomposo nome de remuage, pode soar algo bastante rudimentar, mas foi uma solução encontrada pela viúva Clicquot Ponsardin para aumentar a produtividade de seu champanhe em 1818 e que se mantém até hoje (em algumas vinícolas uma geringonça chamada gyropalletes faz esta movimentação automaticamente e num espaço de tempo menor).

O crítico inglês Hugh Johnson, em seu livro autobiográfico “A Life Uncorked”, algo como “Uma vida Desarrolhada” define o paladar de um bom champanhe  “como uma torta de maçã”. (O que em alguma medida também por ser aplicado ao espumante elaborado pelo método champenoise/tradicional). Johnson explica: “O doce aroma e o sabor das maçãs podem ser encontrados nos espumantes mais jovens, a parte da torta remete à segunda fermentação na garrafa, quando as leveduras acrescentam notas de panificação, ou pâtisseries, nas bebidas mais evoluídas – quanto mais evoluído o champanhe mais pâtisserie é encontrado”

(Nem tudo que borbulha é espumante. Entenda a diferença entre os vários tipos de vinho com bolinhas. Clique no link abaixo, está tudo explicadinho.)

Leia também: É dia de champanhe, bebê, tudo sobre espumantes, cavas e champanhes

Muitas vinícolas verde-amarelas reservam suas melhores uvas, e consequentemente o melhor vinho-base, para os rótulos elaborados pelo método tradicional. São garrafas de linha ou até produzidas apenas em edições especiais. Também custam mais caro que os espumantes elaborados pelo método charmat. Em alguns casos alcançam resultados muito bons, em outros tentam ser mais do que são e perdem em autenticidade e tipicidade para seus “primos-pobres”, que trazem maior frescor e vivacidade. Como já foi comentado na coluna sobre espumantes charmat, também é uma questão de estilo do produtor.

ViG (vinho indicado pelo Gerosa) para espumantes champenoise/tradicional

espumante-cavegeissenature

  • Cave Geisse Nature

Uvas: 70% chardonnay, 30% pinot noir

Produtor: Vinícola Geisse

Região: Pinto Bandeira, Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul

R$ 78,00

Site vinícola: www.cavegeisse.com.br

Você gosta de espumante seco, quase a ponto de trincar os dentes? Então você vai amar este Cave Geisse Nature, que é um espumante sem adição de açúcar (leia definição de classificação de açúcar em Curiosidade). Não é uma bebida fácil de ser produzida, mas aqui encontra o nível de excelência. Perlage intenso com bolhas pequenas e persistentes. Aromas tostados e frutas secas. Acidez equilibrada, para não deixar dúvida, bastante seco, o que amplia a harmonização com a comida. A Cave Geisse elabora grandes espumantes, no geral não tem erro. Basta escolher pelo estilo preferido e encher a taça.

 

Curiosidade: os espumantes podem ser classificados pelo teor de açúcar em

Nature (zero dosage): até 3 gramas por litro

Extrabrut: até 6 gramas por litro

Brut: menos de 15 gramas por litro

Sec: entre 17 e 35 gramas por litro

Demi-sec: entre 33 e 50 gramas por litro

Doux: acima de 50 gramas por litro

Sec, ao contrário do que parece, não é seco, mas levemente adocicado. Mais comum encontrar a expressão demi-sec. Doux dispensa explicações.

espumante-lona

  • Brut Adolfo Lona

Uvas: chardonnay e pinot noir

Produtor: Adolfo Lona

Região: Garibaldi, Rio Grande do Sul

R$ 60,00

Site vinícola: www.adolfolona.com.br

Este espumante da pequena adega artesanal comandada pelo argentino Adolfo Lona ficou mais de um ano em contato com as leveduras. O que lhe confere aqueles aromas e sabores mais intensos. Mais que isso, tem uma boca ampla. Um espumante tratado com respeito.

Dal Pizzol Quarenta Anos Nature

  • Dal Pizzol 40 anos

Uvas: chardonnay 25% e pinot noir 75%

Produtor: Dal Pizzol

Região: Vale dos Vinhedos, Rio Grande do Sul

Preço médio: R$ 130,00

Site vinícola: http://www.dalpizzol.com.br/

Para celebrar os 40 anos da vinícola familiar o enólogo Dirceu Scottá elaborou este Nature (sem dosagem de açúcar) de apenas 3.541 garrafas numeradas. Tem uma boa estrutura, e um tostado evidente, além de uma cremosidade resultado do seu tempo em contato com as leveduras (36 meses), que possibilitou também a dispensa do licor que acrescenta as várias dosagens de teor de açucar em um espumante (nature, brut, demi-sec, sec etc). Borbulhas finas e um frutado interessante e um rótulo bem estiloso completam a festa.

Espumante-Pizzato-Brut-Branco-Tradicional–DOVV

  •  Pizzato Brut Branco

Uvas: 85% chardonnay e 15% pinot noir

Produtor: Pizzato

Região: Vale dos Vinhedos, Rio Grande do Sul

R$ 60,00

Site vinícola: www.pizzato.net

Os espumantes da Pizzato estão de rótulo novo. Amplo na boca, boa acidez, bom corpo, uma certa cremosidade, permanece em contato com as leveduras por 12 meses. Tem um final refrescante. Se você gosta do estilo Nature, também pode provar o zero dosagem de açúcar da Pizzato. Uma opção mais barata mas também com bastante frescor é o Fasuto Brut Branco.

elegance-champenoise-brut

 

  • Elegance Champenoise Brut

Uvas: chardonnay e pinot noir

Produtor: Peterlongo

Região: Garibaldi, Rio Grande do Sul

R$ 60,00

Site vinícola: www.peterlongo.com.br/pt/

A Vinícola Peterlongo não é a maior nem a mais conhecida produtora de espumantes hoje em dia no Brasil, mas tem alguns marcos importantes em sua história: produziu o primeiro espumante  no Brasil (1915) e tem judicialmente o direito a usar o termo champagne em seus rótulos (taí outro que gosta de irritar os franceses). Acumula vários prêmios e esteve bem colocada em concursos como ExpoVinis 2011 e Concurso Playboy. Este espumante, ou champanhe brasileiro, se destaca pela coloração mais dourada e borbulhas finas e persistentes. Gostoso na boca.

Curiosidade: no século 19 o champagne era uma bebida com um teor de açúcar muito mais alto do que atualmente estamos acostumados. Era mais próximo de um licor com espuma, 250 a 300 gramas por litro! (um espumante demi-sec tem no máximo 50 gramas por litro). A responsável pela criação do espumante brut, mais seco, com menos açúcar, que estamos acostumados a beber, também é uma mulher: Madame Pommery, em 1874.

 

espumante-Miolo Millesime 2004 06 08

  • Miolo Millésime

Uvas: 50% pinot noir e 50% chardonnay

Produtor: Miolo

Região: Garibaldi, Vale dos Vinhedos, Rio Grande do Sul

R$ 81,00

Site vinícola: www.miolo.com.br

Está um espetáculo este Miolo Millésime. Há muito não provava este top espumante e me surpreendeu. Longo, cremoso, persistente, grande qualidade em boca, um tostado instigante. Desde a safra de 2009 é um espumante com a certificação de origem, com o selo de  produto da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos.

Espumante-Casa-de-Valduga-Reserva-Brut-750ml

  • Casa Valduga Reserva Espumante Brut

Uvas: 70% chardonnay, 30% pinot noir

Produtor: Casa Valduga

Região: Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul

R$ 63,00

Site vinícola: www.espumantesvalduga.com.br

A Casa Valguda só elabora espumantes pelo método champenoise/tradicional. Atualmente são dez rótulos. Desde o ícone da Casa, Maria Valduga, com 48 meses de contato com as leveduras, passando pelo excelente – e já recomendado neste blog -130 Brut, até a linha Arte. Este Casa Valduga Reserva só é elaborado em safras excelentes. Apresenta um agradável frescor em boca, uma boa persistência e aromas interessantes, com um toque picante. Apesar da excelência de linhas superiores, provei recentemente este Reserva e acho que é muito adequado para brindes de fim de ano e traz uma boa relação custo/qualidade.

 Curiosidade: os espumantes mais apreciados em festas, casamentos e confraternizações é o demi-sec. Agrada tanto os iniciantes no vinho, que sempre preferem uma bebida mais fácil e doce como aquele que já têm alguma experiência com espumantes. Mas no geral espantam os apreciadores de espumantes mais refinados e secos. Como o leitor pode reparar, não há qualquer indicação de espumante demi-sec nesta lista de dicas, o que revela o gosto do autor.

 

espumante-dunamis-brutnovo

  • Dunamis Brut

Uva: 100% chardonnay

Produtor: Dunamis

Região: Catiporã, Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul

R$ 56,00

Site vinícola: www.dunamisvinhos.com.br

Novidade do mundo dos espumantes. A garrafa é linda, o rótulo um show. Mas você não bebe a garrafa, não é? Mas uma boa apresentação é parte da diversão. Um dos objetivos do enólogo, Thiago Salvadori Peterle, era de produzir um espumante champenoise mais delicado e jovial. Está no caminho. Tem uma cor amarelo palha. Bela persistência de bolhinhas finas, aromas de maçã verde, e um bom final de boca, com bastante frescor e paladar cítrico que provoca um sorriso no gole final.

espumante-don-giovani-reserva ouro-480-0

  •  Don Giovanni Espumante Série ouro

Uvas: 60% chardonnay e 40% pinot noir

Produtor: Don Giovanni

Região: Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul.

R$ 90,00

Site vinícola: www.dongiovanni.com.br/inicial

A pequena produtora Don Giovani pode ser desconhecida para aqueles que vivem fora do eixo vitivinícola do Rio Grande Sul, mas tem uma tradição de mais de 40 anos – originalmente a empresa pertenceu à Dreher. Em visita à adega alguns anos atrás pude provar toda sua linha de espumantes. E todos têm uma expressão de grande volume em boca, uma preocupação com a cremosidade e a acidez e uma complexidade no paladar que tornam o vinho bastante gastronômico. Uma bela surpresa para quem tiver acesso a uma garrafa.

espumante-lirica

  • Lírica

Uvas: 75% chardonnay e 25% gouveio

Produtor: Vinícola Hermann

Região: Pinheiro Machado, Rio Grande do Sul

R$ 66,00

Site vinícola: www.vinicolahermann.com.br

Adolar Hermann é mais conhecido por sua importadora de vinhos, a Decanter. Mas mesmo tendo à disposição rótulos do mundo inteiro decidiu ter um vinho para chamar de seu. Tem uma linha de espumantes mais focado no mercado externo a Bossa (charmat), que tem um paladar mais ligeiro. O Lírica é uma boa estreia de Adolar no mundo das borbulhas. É um espumante que privilegia a fruta, a acidez e o equilíbrio.

  • Post atualizado em 22 de dezembro de 2014. Preços médios coletados em sites e lojas no mês de dezembro de 2014
Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 27 de dezembro de 2011 Espumantes, ViG | 16:32

É dia de champanhe, bebê!

Compartilhe: Twitter

3, 2, 1 Pow! O espumante é a bebida do fim do ano. E do início. E do meio...

Não se bebe espumante, champanhe, prosecco ou cava em dia triste. O estampido seco libera as borbulhas adormecidas na garrafa e, transferidas para tulipas, convidam ao primeiro gole. Antes de descer pela garganta, o primeiro brinde! O frescor limpa a boca e as borbulhas normalmente desenham um sorriso e estimulam novos goles. Trata-se de um vinho de comemoração e celebração. Talvez aí esteja um dos segredos da crescente demanda. É uma bebida com um marketing imbatível: o da alegria.

Por isso mesmo é a bebida oficial das festas de fim de ano. Em um país que até pouco tempo atrás até o guaraná era champanhe, tudo que borbulha tá valendo. E efervescentes genéricos de sidra, proseccos vagabundos e chuvas de prata da vida ganham status de bebida de celebração pelo simples fato de cuspir a rolha como um foguete e de espalhar sua espuma para fora da garrafa. No momento do brinde, muitas vezes segue direto goela abaixo pelo gargalo mesmo, numa espécie de cachimbo da paz das borbulhas.

Qual o problema? O importante é celebrar! Mas se sua intenção vai um passo além e seu objetivo é aliar a comemoração a uma bebida de qualidade, está na hora de escolher a garrafa da virada, daqueles que podem ser os melhores anos de suas vidas. 31 de dezembro é dia de champanhe, bebê!

Os vários estilos de espumantes

Para facilitar a sua vida, o Blog do Vinho traz uma lista de produtores que garantem uma qualidade sem erro. Tanto para os felizardos que têm “muito dinheiro no bolso” (a turma do champanhe) como para os que pelo menos esbanjam “saúde pra dar e vender” (a turma do espumante “orgulho da viticultura” nacional). E ainda explica, para quem ainda não sabe, a diferença dos vários estilos de espumantes – não, não é tudo a mesma coisa

CHAMPANHE

É o rei-leão dos espumantes, está no topo da pirâmide destes vinhos, até no preço. São mais intensos, ricos e de paladar apurado, com aromas que lembram panificação, às vezes de cor mais dourada. O espumante nasceu na região de Champagne, localizada no nordeste da França, e segue regras rígidas. As únicas uvas permitidas são: a branca chardonnay (dá finesse, notas florais e minerais), e as tintas pinot noir (frutas vermelhas e estrutura ao vinho) e pinot meunier (frutado). Estranhou o uso de tintas em champanhes? Mas é assim mesmo, são usadas tanto uvas brancas como tintas, o que dá a cor ou não a um vinho é o contato da bebida com as cascas.

Todo vinho sofre uma fermentação para transformar o açúcar da uva em álcool. Nos efervescentes, são duas. No champanhe, a segunda fermentação é feita na própria garrafa – a este método se dá o nome de champenoise, ou classico. Este método, com vinho-base bom e terroir exclusivo, confere mais elegância e intensidade à bebida. Dos diferentes estilos de champanhes, os mais caros e refinafos podem ficar até dez anos repousando nas caves antes de estar disponível ao consumidor.

Nem tudo que borbulha é champanhe

Champagne só em Champagne

Se topar com um espumante fora da França com o nome “champagne” gravado na etiqueta, desconfie. Champagne é a única região do planeta autorizada a usar esta designação nos rótulos. Na verdade, existem exceções que conseguiram burlar esta restrição, mas vale como regra.

Produtores importantes: Ayala, Billecart-Salmon, Bollinger, Charles Heidsieck, Delamotte, Deutz, Drappier, Jacques Selosse, Krug, Laurent-Perrier, Louis Roederer, Moët & Chandon, Pol Roger, Ruinart, Salon, Tattinger, Veuve Clicquot Ponsardin.

Preços médios: champanhe é cara. A partir de R$ 160,00 é possível encontrar bons produtos, como a Delamotte Brut. A sempre boa Tattinger sai por R$ 200,00, a Drapier Carte d`Or vale R$ 205,00 e a Gosset Brut Excellence R$ 192,00. Nas mais caras, e exclusivas, o céu é o limite, uma Dom Pérignon safrada não sai por menos de R$ 750,00, a prestigiadíssima Jacques Selosse Substance sai por R$ 1.500,00! – precisa ter muito o que comemorar…

ViG (Vinho indicado pelo Gerosa): Veuve Clicquot Ponsardim (entre R$ 200,00 e 230,00) – aquela do rótulo amarelo. É quase um blockbuster da champanhe no Brasil e no mundo (mais de 10 milhões de garrafas ao ano) e merece seu sucesso. Fácil de encontrar em lojas e supermecados. Bom aroma, frutas e torrefação. Um ótimo começo para se conhecer um champanhe típico, com seu toque oxidado, frutas secas, torrefação e cítricos.

CRÉMANT

Espumante genérico francês, também elaborado pelo método clássico, produzido fora da região delimitada de Champagne, sendo que o maior volume vem da região do Loire, mas com boas casas na Borgonha também. Costumam ter menos pressão e são mais ligeiros. Não há muita oferta de rótulos no Brasil.

Produtores importantes: Louis Bouillot, Domaine Amiot Guy et Fils, Dopff au Moulin, Grandin, Vigneau-Chevreau.

Preços médios: O crémant não é tão caro quanto o champanhe. Na média de 80 a 90 reais há rótulos disponíveis. Exemplos Amiot Guy Cremant (R$ 98,00).

ViG (Vinho indicado pelo Gerosa): O Crémant de Bourgogne Perle de Vigne Brut Grand Reserve (R$ 85,00) é um belo exemplar para comparar entre os espumantes de Reims/Champagne e fora desta região demarcada. Aromas de leveduras presentes, mas com muito frescor. Legal para conhecer o estilo.

CAVA

Outro espumante feito pelo método clássico – esqueceu o que é? Segunda fermentação na garrafa –, mas de origem espanhola, na região de Penedés, na Catalunha. As uvas são nativas: macabeo, viura (dão um toque frutado), parellada (acidez) e xarel-lo (acidez e potência). A Espanha é o segundo maior produtor de espumantes do mundo. A gigante Cordoniu coloca no mercado 130 milhões de garrafas ao ano. São facilmente encontradas nas prateleiras de supermercados e são deliciosos e potentes, vale experimentar.

Produtores importantes: Freixenet, Cordoniu, Raventos I Blanc.

Preço médio: as cavas têm preços mais acessíveis, encontram-se rótulos das gigantes Freixenet e Cordoniu por 55 reais, em média – valores similares aos bons espumantes nacionais – e são mais fáceis de encontrar em redes de supermercados. As versões rosés são bem interessantes.

ViG (Vinho indicado pelo Gerosa): Raventos I Blanc Gran Reserva Brut (R$ 140,00). Uma cava de maior qualidade, com tostados e notas de frutas secas. Fica 6 meses em contato com leveduras e mais 36 envelhecendo na garrafa. E daí? Mais complexidade, sabor e expressão em boca.

PROSECCO

Quem já passeou por este Blog do Vinho já sabe: prosecco nada mais é que uma uva nativa da Itália, mais precisamente da região de Valdobbiadene e Canegliano, no Vêneto. Com ela, se faz este espumante que, ao contrário dos vinhos efervescentes anteriores, é elaborado pelo método charmat. O que é isso? Aqui, a segunda fermentação se dá em grandes tanques fechados de aço inoxidável que suportam altas pressões (a pressão do gás chega até a 7 atmosferas). Há os proseccos mais refinados, eles chegam da região de Cartize, mas a grande maioria é uma bebida mais fácil, de cor mais clara e de sabor próprio. A propósito, há proseccos no mercado de grande volume bem ruins, se puder, evite. Tem prosecco no Brasil? Tem. A Salton (R$ 25,00) e a Aurora (R$ 22,00) produzem seus rótulos. E ao contrário do champanhe, pode ter seu nome estampado no rótulo. São frescos e honestos, uma boa opção aos italianos mais comuns.

Produtores importantes: Adami, Bisol, Ca Bolani, Dominio de La Vega, Jeio, Mionetto, Nino Franco, Ruggeri.

Preço médio: entre 40 e 80 reais encontram-se proseccos de qualidade de produtores importantes como Mionetto e Bisol.

ViG (Vinho indicado pelo Gerosa): Nino Franco Rústico (R$ 80,00). Trata-se de uma escolha afetiva. Foi o primeiro Prosecco de qualidade que experimentei e nunca decepciona, mostrando a capacidade desta uva quando bem vinificada e tratada.

ESPUMANTES (sparkling wines)

Nome genérico para todo vinho com duas fermentações. Há rótulos da Itália, da Argentina, do Chile, da Alemanha (conhecidos como Sekt), de Portugal – em toda parte  –, até a Inglaterra começou a se aventurar neste mercado. O Brasil produz espumantes premiados em vários concursos sérios e reconhecidos pela crítica internacional e nacional. A grande maioria é elaborado pelo método charmat com bons resultados; algumas vinícolas arriscam o método clássico, nem sempre superiores ao charmat. No Brasil, além das uvas francesas chardonnay e pinot noir, é comum o uso da riesling itálico que teve boa adaptação no sul do país. Nossos espumantes se caracterizam pela boa acidez, frescor, juventude (é comprar e beber, sem dormir na adega) e média intensidade, um aroma levemente cítrico, um vinho de celebração com qualidade, acima de tudo.

Produtores importantes

Brasil: Adolfo Lorna, Aurora, Bueno State, Caves Geisse, Chandon, Dal Pizzol, Dom Cândido, Don Giovanni, Domno, Marson, Miolo, Pericó, Peterlongo, Piagentini, Pizzato, Salton, Valduga, Vallontano.

Itália: Costaripa, Bellavista, Ferrari.

Portugal: Luis Pato, Quinta da Bacalhoa, Vértice.

Preços médios: a partir de 20 reais já é possível achar um espumante correto para chamar de seu. Subindo um pouco a régua, com você será bastante feliz com alguns exemplos Ponto Nero Brut (R$ 30,00), Aurora Brut 100% Chardonnay (R$ 30,00).

ViG (Vinho indicado pelo Gerosa): Se você aprecia uma bebida mais elaborada, mais densa e com mais requintes de paladar – todos elaborados pelo método champenoise – fique com o Don Giovanni Brut (R$ 42,00), o Pizzato Brut (R$ 44,00) ou Casa Valduga 130 Brut (R$ 60,00); para os espumantes com característica mais verde-amarela, descrita acima, e de qualidade sempre constante, as dicas são o saboroso Chandon Reserva Brut (R$ 48,00) e o sempre bom Salton Reserva Ouro (R$ 30,00). Entre os estrangeiros, uma boa alternativa é o espumante Costaripa Brut (R$ 68,00 na oferta de Natal), produzido na região da Lombardia pelo método champenoise. E Luis Pato Maria Gomes 2010 (R$ 74,00), um pioneiro das borbulhas na Bairrada, mais simples e fresco. Nunca decepciona.

Brut, sec, demi-sec. Qual o significado?

Se os estilos mudam em cada região e pelo método de vinificação, o teor de açúcar – e o sabor – também se alteram de acordo com a sua classificação. Fique atento ao que diz o rótulo, é fácil se enganar. Os espumantes são classificados conforme a concentração de açúcar por litro.

Nature (zero dosage): até 3 gramas por litro

Extrabrut: até 6 gramas por litro

Brut: menos de 15 gramas por litro

Sec: entre 17 e 35 gramas por litro

Demi-sec: entre 33 e 50 gramas por litro

Doux: acima de 50 gramas por litro

Ou seja, essas expressões nos rótulos indicam o grau de açúcar por litro em cada garrafa. Atualmente, 80% do mercado são dominados pelo tipo brut, que é mais seco e com baixa concentração de açúcar. Sec, ao contrário do que parece, não é seco, mas levemente adocicado. Mais comum encontrar a expressão demi-sec. Doux dispensa explicações.

Escolheu o seu? É hora de jorrar a bebida na taça!

Fala sério, não é tudo igual, não é mesmo? Agora é só escolher qual bebida combina melhor com seu bolso e paladar para celebrar 2012, 2013, 2014…

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 Espumantes, Teste | 16:47

Você sabe qual espumante está bebendo? Ou, nem tudo que borbulha é champanhe…

Compartilhe: Twitter

“Borgonha faz com que você pense em bobagens; Bordeaux faz com que você fale sobre elas, e champanhe faz com que você as cometa” Brillat-Savarin, gourmet francês do séc XVIII

Cometer bobagens após tomar um espumante, vá lá, é do jogo. Mas cometê-las antes de tocar os lábios na bebida, por falta de conhecimento, não tem graça alguma. Este blog, sempre imbuído do espírito de defesa dos interesses do leitor, uma espécie de advogado dos enófilos dos trópicos (te cuida, Robert Parker!), lança então este desafio para você testar seus conhecimentos sobre vinhos com borbulhas. Se útil não for, no mínimo é um assunto para depois do brinde.

[QUIZZIN 5]

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 18 de março de 2009 Espumantes, Nacionais | 22:24

Dois espumantes nacionais em dois estilos: nature e brut

Compartilhe: Twitter

Os vinhos com borbulhas são um tema recorrente neste blog. Para mim, é uma bebida de largada e de chegada. E muitas vezes aguenta o vôo solo numa boa.  Eu costumo sempre iniciar os trabalhos com algum espumante na taça. Às vezes, continuo em sua companhia por toda refeição, bate-papo, seja lá o motivo da reunião. E feliz da vida.

E o espumante… é coisa nossa!
O Brasil, já se disse aqui também, tem uma ampla oferta de vinhos com bolinhas muito bem elaborados no sul do país. Vem lá da região da Serra Gaúcha duas garrafas provadas recentemente. O Perine Nature e o .Nero. Duas propostas diversas, o primeiro mais exclusivo, de baixa produção, e o segundo para toda hora. Dois acertos que agradam e convencem na taça, que é a prova dos noves.

Perine Nature – trata-se de uma edição limitada, somente 1.000 garrafas foram elaboradas, e um primeiro lote de 500 garrafas trabalhadas no mercado. O vinho é  elaborado pelo método champenoise, ou tradicional, aquele originado em Champagne, na França, onde a segunda fermentação se dá na garrafa, o que geralmente entrega ao vinho mais personalidade. As uvas usadas seguem a tradição francesa, chardonnay e pinot noir. A diferença aqui é a natureza de estilo do espumante, com um mínimo de açúcar residual (2 gramas por litro), o que se traduz no nome “nature”.

Explica-se: após a finalização da segunda fermentação do vinho-base é adicionado um xarope conhecido como licor de expedição, que vai regular o teor de açúcar do espumante. Nos espumantes nature este licor não entra de bicão na garrafa. Ou seja, o vinho-base, e uvas que são sua origem, precisa realmente ser muito bom para um produtor arriscar a dispensar o xarope na fórmula final. O que se busca, na verdade, é um outro perfil de espumante.

(Pausa para interromper o texto e explicar o teor de açúcar dos espumantes com uma tabelinha didática)

Os espumantes são classificados conforme
a concentração de açúcar por litro.

Nature (zero dosage): até 3 gramas por litro
Extrabrut: até 6 gramas por litro
Brut: menos de 15 gramas por litro
Sec: entre 17 e 35 gramas por litro
Demi-sec: entre 33 e 50 gramas por litro
Doux: acima de 50 gramas por litro

O Nature da Perini tem uma coloração mais para o dourado, bem vibrante, e cremosidade média. O aroma não estava tão aberto, mas tinha um toque de frutas secas interessante. A boca é seu pulo-do-gato. As borbulhas parecem estampidos secos que não terminam naquela sensação docinha no final, o que às vezes acontece com os espumantes com maior grau de açúcar. Uma comparação possível, que me agrada, é a imagem do café sem açúcar, onde a pureza, e a força, predominam. No site da Vinícola Perini sai por 66 reais. Não provei com comida, mas sim à capela, como deve ser com os espumantes com mais personalidade.

(Pausa para furar o bloqueio nacionalista e indicar um “nature” de Champagne, na França)

Ayala Brut Nature Zéro Dosage NM –  este é um raros exemplares produzidos em Champagne e importado ao Brasil. Bastante seco, como sugere sua elaboração, é uma bebida rica e concentrada, champanhe de macho, preço de champanhe (R$ 275,00, na Mistral)

.Nero Brut (leia-se Ponto Nero) – Aqui a proposta é outra. A Vinícola Domno, uma subsidiária da Casa Valduga criada em agosto de 2008, lançou esta linha com vocação de bebida mais descontraída, para o dia-a-dia. Elaborado com as uvas chardonnay (60%), pinot noir (30%) e riesling (10%) tem 12 gramas de açúcar por litro. O espumante toma sua forma pelo método charmat, segunda fermentação em tanques, em que as leveduras ficam em contato com o vinho por seis meses. O resultado é mais desencanado, o frescor e a acidez se equilibram na boca com bolhinhas não muito numerosas mas eficientes.

O design do rótulo, negro, um tanto misterioso, contrasta com a bebida mais delicada e de cor mais translúcida. O efeito visual é arrebatador, mas tem  mais jeitão de marketing do que qualquer outra coisa. A garrafa, com certeza, se destaca em uma prateleira de loja. O lance do . em forma sinal em vez de escrito  também é uma daquelas sacadas que podem chamar  mais a atenção para o design do que para a bebida. Bobagem, sacadas à parte, trata-se de uma boa opção descomplicada, a 25 reais a garrafa. Alegrou uma pescada com molho de alcaparras.

Serviço
Vinícola Perini, site oficial
Domno Brasil, site oficial

Mais sobre o tema no Blog do vinho
Champagne, espumante, prosecco e cava: iguais, mas diferentes

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 9 de setembro de 2008 Espumantes, Velho Mundo | 21:23

Dom Pérignon para poucos

Compartilhe: Twitter

Champagne está em festa. E a celebração vai ser aqui, no nosso quintal. Mas é para poucos. O lançamento da safra de 2000 do Dom Pérignon –  a primeira do século XXI -, acontece pela primeira vez na América Latina, em São Paulo, no restaurante D.O.M., do badalado chef Alex Atala. Atala esteve em Epernay, na França, para uma visita à sede da maison Dom Pérignon e lá encontrou Richard Geoffroy, o chef de caves (ou chefe de adega), que orquestrou todo o evento. Ele enviou diretamente da França três baús recheados de ingredientes e louças que serão utilizados na cerimônia batizada de 7 Sensualidades. Atala teve ainda de importar, e até produzir, ingredientes no mínimo curiosos, como o chá chinês Pu Er, o azeite siciliano de Constanzo Hyblon, que é servido gelado, sal de bambu verde, açúcar de palmito, o raro óleo de Argan, mel marroquino, “smen”, manteiga clareada do norte da África, e o “ras el hanout”, uma mistura de especiarias do norte da África e do Oriente Médio.

Nesta quinta, dia 11 de setembro, poucos e bons estão convocados para a boca-livre que dá o ponta-pé inicial da degustação deste delicado e intenso champanhe, um assemblage da tinta pinot noir e da branca chardonnay. Entre eles, o casal Malu Mader e Tony Belotto (colunista de VEJA.com) e as jornalistas Marília Gabriela e Lilian Pacce. O cardápio, com os sete elementos que traduzem o jeito de ser do champanhe, tem direito até a charuto no final (sim, charuto, dizem os entendidos, harmoniza também com champanhe; eu não sei, não fumo). São eles:

1. Puro
Ice plant e azeite de oliva Hyblon gelado
Salada de rambutan e manga verde
Carpaccio de vieiras

2. Tátil
Robalo, suco de trufas e pêssego

3. Ardente
Berinjela com mel e especiarias

4. Carnal
Tagine marroquino

5. Fusões
Caviar, óleo de argan e sorvete de açafrão

6. Etéreo
Pudim de cinzas de coco

7. Complexo
Charuto El Rey del Mundo petit corona

Tudo isso pode ser seu por uma noite, entre os dias 15 de setembro a 31 de outubro. Basta desembolsar 800 reais por cabeça. A cerimônia é limitada a 6 pessoas por noite, mediante reserva. Alguém se habilita?

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 28 de agosto de 2008 Espumantes, Velho Mundo | 23:49

Caro, muito caro, mas exclusivo

Compartilhe: Twitter


Após um década de sigilo, a Maison Krug – uma das mais emblemáticas casas da região de Champagne – desarolhou a mais cara champanhe já lançada no mercado. Trata-se da 1995 Krug Clos d’Ambonnay. Foram produzidas somente 3.000 garrafas desta série, que devem custar entre 3.000 e 7.000 dólares.
A 1995 Krug Clos d’Ambonnay tem origem pra lá de delimitada. Somente meio hectare de um único e  exclusivo vinhedo da vila que dá o nome ao vinho, Ambonnay, onde foram cuidadosamente cultivados os cachos de pinot noir, a única uva que entra na composição desta jóia engarrafada.
Não, não tive o privilégio de provar. Já uma repórter da revista Time, Lydia Itoi, sim – os jornalistas sempre arrumam um boquinha. Lydia, apesar do preço, achou que cada gole vale cada centavo cobrado. Seu relato:
“A colheita do vinho se deu em 1995 e a primeira fermentação foi realizada lentamente em pequenas barricas de carvalho, no lugar dos tradicionais tanques de aço inoxidável. Isso deu uma tremenda intensidade, caráter e notas tostadas de brioche, além de mostrar uma fruta muito fresca e jovem. É simplesmente surpreendente.”
Alguém se habilita?

Autor: Tags: , ,