Publicidade

Posts com a Tag Wines of Argentina

terça-feira, 2 de agosto de 2016 Novo Mundo, Rosé, Tintos | 08:01

Crios: um vinho argentino conectado com o público mais jovem

Compartilhe: Twitter
Um exemplo de um novo rótulo do Crios, convivendo ainda com o desenho tradicional nas prateleiras de um conhecido supermercado de São Paulo

Um exemplo de um novo rótulo do Crios, convivendo ainda com o desenho antigo nas prateleiras de um conhecido supermercado de São Paulo

A linha Crios, o cartão de visitas da Susana Balbo Wines, é um sucesso de crítica e de público. O rótulo, manjado entre os bebedores de tintos e brancos argentinos, mostra o contorno de uma grande mão espalmada que acolhe outras duas, menores. Este símbolo familiar traduz o nome e a história do vinho desde seu lançamento. A mão maior é da enóloga Susana Balbo, a criadora dos caldos, a menor dos filhos, então crianças. O nome do vinho e sua iconografia resumem o conceito desta delicada relação: a criação do vinho e dos filhos. Uma narrativa que faz todo sentido. E, além de tudo, fácil de reconhecer nas prateleiras.

Mas a empresa – que tem mais de 50% de seu mercado nos Estados Unidos – queria se conectar com um público mais jovem. O que eles fizeram? Renovaram. Saíram da zona de conforto. Mudaram um rótulo conhecido e bem-sucedido. Os nove vinhos da linha Crios – Malbec, Torrontés, Rosé de Malbec, Cabernet Sauvignon, Red Blend, Pinot Noir, Chardonnay, Syrah-Bonarda, Limited Edition – estão, desde o ano passado, com nova roupagem. A mudança começou em 2015, nos Estados Unidos, e depois de alguns meses foi chegando a outros países, incluindo o Brasil.

Todos os novos rótulos, cada um com sua característica: fáceis de indentificar

Todos os novos rótulos, cada um com sua característica: fáceis de identificar

Ana Lovaglio Balbo, filha e diretora de marketing da Susana Balbo Wines, conta como foi o processo. Foram realizados alguns “focus group” com clientes classificados como “Mature Millennials”, entre 26 e 34 anos, nos estados da Califórnia, Texas e Chicago. O objetivo das pesquisas era entender a relação deste público com o consumo de vinho.  O vinho, conclui a pesquisa, está inserido em um novo estilo de vida, que se caracteriza pela independência, o espírito de aventura e uma conexão com mundo intermediada pelas redes sociais. Os rótulos buscam traduzir valores que identificam esta geração que age diferente, consome baseado em outros critérios e quer entender as características de cada variedade sem muita complicação. A mensagem atribuída a cada vinho da linha Crios e a estratégia de marketing e comunicação tem uma pegada mais informal. No vídeo de divulgação da campanha, o vinho deixa de ser protagonista e se torna parte da vida de jovens que praticam skate, tocam música, se relacionam com os amigos e bebem vinho, por prazer, no parque, na cozinha, em qualquer lugar. É o vinho estilo #VemPraRua!

O design, mais limpo, conhecido como all type (privilegia o texto), foi batizado como “vintage-moderno” (bom, gente, as agências estão aí para isso mesmo, justificar seu pacote de ideias e respectiva remuneração). O mesmo símbolo familiar das mãos que tornou o vinho conhecido está preservado na parte superior do rótulo, mas reduzido à forma de um ícone – a lógica da renovação inteligente, afinal, não é se desfazer da tradição, mas transformá-la. O nome do vinho, Crios, a assinatura da enóloga e a variedade da uva ou tipo do vinho ganham destaque. A maior novidade, porém, é a uma breve descrição da característica daquele vinho na cara do gol, no rótulo principal, resultado também das pesquisas: “As pessoas não costumam ler os contrarrótulos”, afirma Ana.

Manuel Luz, o filósofo do vinho uma taça de Nosotros na mão e várias ideias na cabeça

Manuel Luz, o filósofo do vinho com uma taça de Nosotros na mão e várias ideias na cabeça

 

Mas vamos combinar que não basta mudar a forma e a mensagem se o conteúdo é ruim. Isso vale para tudo nesta vida. A linha Crios é aquele tipo de vinho que você indica sem erro para qualquer pessoa que deseja conhecer um bom Malbec (com aqueles toques de cereja e floral) ou um Torrontés agradável – ou seja, vinhos que traduzem o solo argentino com qualidade e consistência. Segundo Manuel Luz, descrito nos releases como sommelier e consultor de Wine Intelligence da Cantu Importadora, mas na verdade um filósofo e polemista do vinho, o Crios já é o quarto vinho argentino mais vendido no Brasil. O Manuel sabe das coisas…

Leia também: 50 vinhos argentinos que vale a pena conhecer. Parte 1 – Salta e Patagônia

Crios Malbec (R$ 61,00) leva a descrição “Frutado com notas picantes” no rótulo, como comunicação  a frase “perigosamente fácil de beber” e carrega o slogan “Seja Valente”, remetendo ao desafio de Susana Balbo ao criar um Malbec que colocou a Argentina no mapa do vinho. O Crios Torrontés (R$ 57,00) leva no rótulo as definições “Seco, crocante e aromático” e na campanha é vendido com um vinho fácil de harmonizar e desafia o consumidor a “Quebrar Regras”, assim como a enóloga fez ao criar um Torrontés com notas elegantes de flores e frutas brancas, mais seco e menos doce que os produzidos até então. Por fim, talvez aquele vinho que tenha a maior conexão com o público-alvo é o Crios Red Blend (R$ 61,00), que instiga o consumidor a “Explorar Coisas Novas”, pois é uma combinação de várias uvas tintas.

Pioneira e exigente

Susana Balbo é um ícone da enologia Argentina, a primeira mulher graduada na Escola de Enologia Don Bosco, em Mendoza, trabalhou em grandes vinícolas como Catena e Michel Torino, em Salta, e foi responsável por colocar a uva branca Torrontés no mapa do mundo do vinho de qualidade. Foi presidente da Wines of Argentina e em 1999 criou sua própria empresa onde a linha Crios se notabilizou por vinhos frescos, frutados e com uma boa relação de qualidade e preço. O resto é história.

Susana Balbo, a criadoro do Crios, apresenta suas novas criações. O espumante rosé (ao fundo) é sensacional

Susana Balbo, a criadora do Crios, apresenta suas novas criações. O espumante rosé (ao fundo) é uma boa surpresa.

Corre entre os argentinos que a profissional Susana Balbo é uma pessoa exigente e difícil de lidar. O que não demonstra em público. Não sei se a informação procede. Mas sabendo desta fama, perguntei a sua filha Ana como foi convencer sua mãe a mudar o rótulo do Crios e toda comunicação em torno da campanha do vinho. Ela respondeu: “Minha mãe topa qualquer mudança, ela deu toda força”, e completou “Mais difícil foi convencer o pessoal do comercial”. Susana pode até ser exigente e difícil, mas não é nada boba e sabe que o mundo está mudando. O vinho precisa oxigenar, não só na taça, mas sua mensagem, sua abordagem. Esta é uma experiência a se acompanhar. O processo de troca de rótulo é um processo longo, explica Ana Balbo: “É uma mudança muito recente, que leva tempo para mostrar os resultados. E vem acompanhada de um plano de marketing que estamos adotando com o vídeo, os eventos ao ar livre e ações de engajamento nas redes sociais”.

Vinhos premium

Uma boa vinícola é aquela que faz tanto um vinho de entrada bom, consistente, como o Crios, quanto caldos mais elaborados, exclusivos. Susana Balbo, claro, tem sua linha  premium e superpremium e trouxe alguns destes rótulos a São Paulo em recente exibição a convite de sua importadora, a Cantu, da qual este blogueiro participou. Dos muito caros e premiados (a linha Nosostros, a 690 reais a garrafa, entra naquela categoria que tem quase a obrigação de agradar mas afugenta pelo preço e não acho que cabe neste espaço) à nova linha Tradícion, estes são meus destaques.

Susana Balbo Signature Rosé
Região: Mendoza/Valle de Uco
Um expressivo, delicado, aromático espumante rosé, elaborado com 60% de Malbec e 40% de Pinot Noir. Um sucesso nos Estados Unidas, o maior mercado dos rótulos da Susana Balbo Wines. Me surpreendeu. É fresco, intenso e com muita fruta. Uma boa alternativa de espumante, apesar de preço não muito convidativo (R$ 189,00). “Acho que havia um espaço para um rosado de qualidade na Argentina”, ressaltou Suzana Balbo. Chega ao mercado brasileiro no final do ano.

Susana Balbo Tradícion Malbec 2012
Região: Mendoza/Agrelo – Luján de Cuyo
Especialmente desenhado para o paladar brasileiro – só vai existir por aqui e desconfio que vai agradar o gosto tupiniqim –, este Tradícion é um malbec puro sangue, sem misturas de outras uvas, com 14 meses de estágio em carvalho francês, que dá potência, fruta madura, um tanino mais presente, uma bebida mais nervosa para quem aprecia caldos mais quentes. Vai custar cerca de 89 reais para o consumidor final.

BenMarco Expressivo 2011
Região: Mendoza/Gualtallary (Valle de Uco)
Não se trata de um marca nova, mas é um vinho muito expressivo (será que fui influenciado pelo nome, produção?), fruto do trabalho do viticultor Edy del Pópolo em vinhedos de altura. Quando a gente fala que o vinho é algo vivo, não é apenas um chavão. A primeira garrafa servido deste vinhaço estava bouchonné (o vinho estava contaminado e deu “um perdido”). Cheira aqui, ali, constatado o problema, todas as taças foram trocadas. Aí, sim, ele revelou todo seu potencial. Na falta de melhor definição o BenMarco é um vinho suculento, que começa com fruta evidente e aparece um chocolate mais para o final. Macio, maduro, traz nuances e camadas de seu blend (anote a composição: 65% Malbec, 30% Cabernet Franc, 5% Cabernet Sauvignon). Vale o investimento de R$ 270,00.  Já dá para abrir já e se deliciar. Pode guardar e provavelmente outros sabores virão.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015 Blog do vinho, Brancos, Degustação, Tintos | 15:39

Listas dos melhores vinhos de 2014

Compartilhe: Twitter
São Paulo Tasting 2013: 11 garrafas e nenhum segredo

Listas, rankings, concursos: as escolhas dos melhores vinhos de 2014

Quais os melhores vinhos de 2014? Difícil responder. Melhor vinho de onde, para quê, para quem e a qual preço? Mesmo assim ao longo do ano vários concursos e rankings são realizados e, principalmente no final do ano, as principais publicações e guia de vinhos lançam as suas listas de top 100, elegendo os melhores do ano.

Todo mundo adora listas de melhores do ano. Todo mundo critica. Mas todos – os que gostam e os que odeiam – consultam estas listas. Para se guiar, falar mal delas ou mesmo para comparar com o seu próprio critério de escolha.

Um personagem emblemático desta mania é o de Rob Gordon, do romance Alta Fidelidade, do inglês Nick Horben. Proprietário de uma falida loja de vinil e com problemas de relacionamentos crônicos, ele vive criando listas dos 5 melhores ou piores coisas de sua vida, em especial de músicas para cada ocasião. É assim que ele dá sentido à sua vida. O romance virou um filme de mesmo nome interpretado por John Cusack.

Para alegria de muitos e desagravo de outros tantos, este blog reuniu numa mesma página algumas das listas de melhores vinhos publicadas em 2014 pelas mais famosas e badaladas revistas especializadas e o resultado de  concursos internacionais. Em seu momento Rob Gordon, este cronista dos fermentados, também enumera 10 vinhos inesquecíveis provados em 2014, sem qualquer rigor científico: aplausos e apupos e na caixa de comentários, please.

  • BLOG DO VINHO – 10 vinhos inesquecíveis do Chile e Argentina de 2014

Este ano, por conta de algumas viagens, degustações e mesmo vinhos provados em restaurantes o volume de vinhos do Chile e Argentina provados por este colunista superou – e muito – de outros países. Por isso a lista do Blog do Vinho precisava ser coerente com a experiência pessoal do autor e lista 5 vinhos de capa país. A lista aqui não está em ordem preferência. São apenas vinhos que me encantaram por variados motivos, todos aqueles que estão em torno da bebida: prazer, gosto, companhia, ambiente. Afinal, vinho não é planilha.

 toknar

CHILE

Toknar– Petit Verdot  2010 – Viña Von Siebenthal – Aconcagua

Don Melchor 2010 –  Concha y Toro – Maipo

Manso de Velasco 2011 – Viña Torres – Valle do Curicó

Limávida Old Wines Field Blends 2011 – De Martino – Maule

Tralca Bisquertt Family Vineyards 2010 – Bisquertt – Colchagua

 

republica

ARGENTINA

Casas de Weinert – Gran Vino– Bodegas y Cavas de Weinert

– Mendoza

La Espera Reserva Syrah 2007 – Funckenhausen Vineyards –  San Rafael, Mendoza

Chacra Cinquenta y Cinco 2012 – Bodegas Chacra – Patagônia

Republica del Malbec Blend de Terroir 2012 – Riccitelli Wines – Mendoza

Pequenas Producciones Cabernet Franc  2010-  Escorihuela Gascón, Mendoza

 REVISTAS ESPECIALIZADAS

valemeao

  • WINE SPECTATOR – 10 primeiros vinhos do TOP 100

Destaque para os rótulos região do Douro, de Portugal, classificados  em 1º, 3º e 4º lugares.

1     Dow Vintage Port

2     Mollydooker Shiraz McLaren Vale Carnival of Love

3     Prats & Symington Douro Chryseia

4     Quinta do Vale Meão Douro

5     Leeuwin Chardonnay Margaret River Art Series

6     Castello di Ama Chianti Classico San Lorenzo Gran Selezione

7     Clos des Papes Châteauneuf-du-Pape

8     Brewer-Clifton Pinot Noir Sta. Rita Hills

9     Concha y Toro Cabernet Sauvignon Puente Alto Don Melchor

10 Château Léoville Las Cases St.-Julien

Lista completa: http://2014.top100.winespectator.com/lists/

Deiss

  • WINE ENTHUSIAST – 10 primeiros vinhos da Top 100

A revista americana, claro, privilegia alguns rótulos da terra, pouco conhecidos por aqui.

1     Ken Wright 2012 Abbott Claim Vineyard Pinot Noir (Yamhill-Carlton District)

2     Pieropan 2011 La Rocca Garganega (Soave Classico)

3     José Maria da Fonseca 2011 José de Sousa Red (Alentejano)

4     SonVida 2012 Malbec (Mendoza)

5     Domaine Marcel Deiss 2011 White (Alsace)

6     Guido Porro 2010 V. S. Caterina Nebbiolo (Barolo)

7     Sparkman 2013 Birdie Riesling (Columbia Valley (WA))

8     Gruber Röschitz 2012 Hundspoint Grüner Veltliner (Weinviertel)

9     Luis Duarte 2011 Rubrica Red (Alentejano)

10 Iron Horse 2010 Wedding Cuvée Sparkling (Green Valley)

Lista completa: http://buyingguide.winemag.com/toplists/2014/wines/10-1

Assobio2011

  • WINE ENTHUSIAST – 10 primeiros vinhos Best Buy (melhor compra)

 Nos Estados Unidos os vinhos listados abaixo custam entre 7 a 14 dólares. Novamente Portugal se dá bem em 2014.

1     Aveleda 2013 Quinta da Aveleda Estate Bottled Loureiro-Alvarinho White (Minho)

2     Barnard Griffin 2012 Fumé Blanc Sauvignon Blanc (Columbia Valley (WA))

3     Bogle 2012 Essential Red (California)

4     Herdade do Esporão 2011 Quinta dos Murças Assobio Red (Douro)

5     Mano A Mano 2011 Tempranillo (Vino de la Tierra de Castilla)

6     Chateau Ste. Michelle 2013 Dry Riesling (Columbia Valley (WA))

7     Château Vincens 2011 Prestige Malbec-Merlot (Cahors)

8     DFJ Vinhos 2011 Portada Winemaker’s Selection Tinto Red (Lisboa)

9     Hugl-Wimmer 2013 Wimmer Grüner Veltliner (Niederösterreich)

10 Blue Fish 2012 Sweet Riesling (Pfalz)

Lista completa: http://www.winemag.com/November-2014/Top-100-Best-Buys-2014/

molino2

  • DECANTER top 50 Wines of The Year

Esta é uma seleção anual que a mais respeitada revista de vinhos do planeta, a inglesa Decanter, publica toda edição de dezembro. Dos 4.800 vinhos provados durante o ano os especialistas selecionam os 50 melhores. Não há um primeiro lugar, mas vinhos bem pontuados e de boa relação qualidade e preço.  Bem, tem até um espumante da Grã-Bretanha…  e nenhum dos EUA. A classificação é por país, portanto vai a lista completa.

Argentina

Atamisque, Serbal Assemblage, Gualtary & Tupungato, Mendoza 2012

Chacra, barda Pinot Noir, Patagonia 2011

Zorzal, Pintao Pintao, Gualtary & Tupungato, Mendoza 2011

 

Austrália

Heemskerk, Chardonnay, Tasmania 2012

Tolpuddle, Chardonnay, Coal River Valley, Tasmania 2012

Adelina, Grenache, Clare Valley, South Australia 2012

Ben Glaetzer, Bishop Shiraz, Barossa Valley 2012

John Duval, Entity Shiraz, Barossa Valley, South Australia 2012

Leeuwin Estate, Art Series, Cabernet Sauvignon, Margaret River 2010

Shaw & Smith, Shiraz, Adelaide Hills, South Australia 2012

 

Áustria

Schiefer, Eisenberg Blaufränkish, Burgenland 2009

 

Chile

Casa Marin, Syrah, Miramar Vineyard, Lo Abarca, San Antonio 2010

Casas del Bosque Gran Reserva Syrah, Casablanca 2011

 

França – Bordeaux

Château Gruaud-Larose, St-Julien 2CC 2010

Château Haut-Batailley, Pauillac 5CC 2010

Château Prieuré-Lichine, Margaux 4CC 2010

Château de Rayne-Vigneu, Sauternes 2009

 

França – Loire

Domaine Jean Teiller, Menetou-Salon 2012

 

França – Provence

Le Grand Cros, L’Esprit de Provence, Côtes de Provence 2013

 

França – Rhône

Bosquet des Papes, Chante le Merle Vielles Vignes, Châteauneuf-du-Pape 2012

Domaine Les Grands Bois, Cuvée Maximilien, Cairanne 2012

 

Alemanha

Kloster Eberbach, Hessesche Staatsweingüter, Rüdesheimer Berg Schlossberg, Grosses Gewächs, Rheingau 2012

 

Itália – Regional

Paltrinieri, Solco, Lambrusco dell’Emilia-Romagna 2012

Villa Medoro, Rosso del Duca, Montepulciano d’Abruzzo 2010

 

Itália – Sul

Pietracupa, Greco di Tufo 2012

 

Itália – Toscana

Il Molino di Grace, Il Margone, Chianti Classico Gran Selezione 2010

Melini, Vigneti La Selvanella, Chianti Classico Riserva 2010

Pian dell’Orino, Brunello di Montalcino 2008

 

Itália – Vêneto

Cà dei Frati, Brolettino, Lugana 2011

Cà Lojera, Lugana 2012

Selva Capuzza, Selva, Lugana 2012

Viviani, Amarone dela Valpolicella Classico 2008

 

Nova Zelândia

Greywacke, Pinot Noir, Marlborough 2012

Kusuda, Riseling, MartinBorough 2013

Ata Rangi, Pinot Noir, MartinBorough 2011

Felton Road, Calvert, Pinot Noir, Bannockburn, Central Otago 2012

Fromm, Clayvin Vineyard. Pinot Noir, Marlborough 2011

NOSSA_CALCARIO

Portugal

Felipa Pato, Nossa Calcário Branco, Bairrada 2011

 

África do Sul

Boekenhoutskloof, Semillon, Franschhoek 2010

Chamonix, Chardonnay Reserve, Franschhoek 2012

 

Espanha

Gramona, Brut Nature Gran Reserva, Cava 2008

Contino Blanco Rioja 2010

Bastión de la Luna, Tintos de Mar, Rias Baixas 2011

Bodegas Artazu, Santa Cruz de Artazu, Navarra 2009

Domaines Lupier, LA Dama Garnacha, Navara 2009

Dominio do Bibei, Lalama, Ribeira Sacra 2010

La Calandria, Pura Garnacha, Cientruenos, Navarra 2011

La Rioja Alta, 890, Rioja Gran Reserva 1998

Bodegas Hidalgo Napoleon, Manzanilla Amontillada

 

Grã-Bretanha

Sugrue Pierre, South Downs, England 2010

  • CHAMPA  DECANTER – World Wine Awards (DWWA) 2014

15.000 vinhos passam pela degustação às cegas de 225 jurados internacionais que distribuíram, após quatro meses, 454 medalhas de ouro,  158 troféus regionais e 33 troféus internacional. São provas exclusivas para este concurso, diferente da escolha dos 50 vinhos analisados pela Decanter ao longo do ano. Abaixo a lista dos 33 troféus internacionais

 

International Trophy

 Seco aromático abaixo de 15 libras

Lawson’s Dry Hills, Gewürztraminer, Marlborough, New Zealnd 2012

 

 Espumante abaixo de 15 libras

Cruzat, Cuvée Réserve Rosé Extra Brut, Argentina (sem safra)

 Espumante acima de 15 libras

Charles Heidsieck, Blanc des Millénaires Brut, Champagne, France

 

 Riesling seco abaixo de 15 libras

Marks  Spencer, Eclipse Riesling, Bío-Bío Valley, Chile 2012

 

 Riesling seco acima de 15 libras

Pewsey Vale, The Contours Museum Reserve Riseling, Eden Valley, South Australia 2008

 

 Sauvignon Blanc abaixo de 15 libras

Paul Cluver, Estate Sauvignon Blanc, Elgin, South Africa 2013

 

 Sauvignon Blanc acima de 15 libras

Jean-Paul Balland, Grand Cuvée, Sancerre, Loire, France 2012

 

 Chardonnay abaixo de 15 libras

Albert Bichot, Secret de Famille Chardonnay, Bourgogne, France, 2012

 

 Chardonnay acima de 15 libras

Jordan, Chardonnay, Stellenbosh, South AFrica 2013

 

 Branco varietal abaixo de 15 libras

McGuigan, The Shortlist Semillon, Hunter Valley, New South Wales, Australia 2007

 

 Branco varietal acima de 15 libras

St-Jodern Kellerei, Heida Barrique, Valais, Switzerland 2012

 

Branco blend abaixo de 15 libras

Domaine de la Voiugeraie, Monopole le Clos Blanc de Vougeot 1er Cru, Burgundy, France 2011

 

 Branco blend acima de 15 libras

Domaine Zinck, Portrait Pinot Gris, Alsace, France 2012

 

 Pinot Noir abaixo de 15 libras

Falernia, Pinot Noir Reserva, Elqui Valley, Chile 2013

 

 Pinot Noir acima de 15 libras

Greystone, The Brother’s Reserve Pinot Noir, Waipara, Canterbury, New Zeland 2012

 

 Tinto varietais bordalesas  abaixo de 15 libras

Hartenberg, Cabernet Sauvignon, Stellenbosch, South Africa 2010

 

 Tinto varietais bordalesas  acima de 15 libras

L’Ecole Nº41, Ferguson, Walla Walla Valley, Washington State, USA 2011

 

Tinto varietais do Rhône abaixo de 15 libras

Spier, Creative Block 3, Coastal Region, South Africa 2011

 

 Tinto varietais do Rhône acima de 15 libras

Château Cesseras, Minervois La Livinière, Languedoc-Roussillon, France 2011

 

 Tinto varietais espanhóis abaixo de 15 libras

Olarra, Erudito, Rioja Reserva, Spain 2009

 

Tinto varietais espanhóis acima de 15 libras

Mustiguillo, Pago el Rerrerazo, Spain 2011

 

 Tinto varietais italianas abaixo de 15 libras

Costarossa, Surani, Primitivo di Manduria, Puglia, Italy 2012

 

Tinto varietais italianas acima de 15 libras

Pianpolvere Soprano, Bussia 7 Anni, Barolo Riserva, Piedmont, Italy 2007

 

 Tinto varietal abaixo de 15 libras

Fabre Montmyou, HJ Fabre Barrel Selection Malbec, Patagonia, Argentina 2013

 

Tinto varietal acima de 15 libras

El Esteco, Don David Reserve Tannat, Salta, Argentina 2012

 

Tinto blend abaixo de 15 libras

Morrison’s, Signature, Valpolicella Ripasso, Veneto, Italy 2012

 

 Tinto blend abaixo de 15 libras

Zenato, Ripassa, Valpolicella Rispasso Superiore, Veneto, Italy 2010

 

 Rosé acima de 15 libras

Domaine de Rimauresq, R, Côtes de Provence, France 2013

 

 Doce Fortificado acima de 15 libras

Blandy’s, Malmsey, Madeira, Portugal 1988

 

 Doce abaixo de 15 libras

KWV, The Mentors Noble Late Harvest, Walker Bay, South Africa 2012

 

 Doce abaixo de 15 libras

Innislillin, Vidal Icewine, Niagra Peninsula, Ontario, Canadá 2012

 

 Fortificado seco abaixo de 15 libras

La Ina, Fino, Sherry, Spain, NV

 

Fortificado seco acima de 15 libras

Lustau, 30 years Old VORS, Amontillado, Sherry, Spain, NV

LIDIO_MERLOT

  • DECANTER – 6 melhores vinhos nacionais

Seleção do renomado crítico inglês Steven Spurrier (publicada na revista Decanter em setembro de 2013, mas acho que vale incluir aqui como referência do gosto internacional dos rótulos nacionais)

1     Cave Geisse 1998 Brut (magnum) – Pinto Bandeira (18,5 / 95 pts)

2     Lídio Carraro Grande Vindima Merlot 2005 – Encruzilhada do Sul (18 / 93 pts)

3     Pizzato DNA99 2008 – Vale dos Vinhedos (18 / 93 pts)

4     Lídio Carraro Dádivas Pinot Noir 2012 – Encruzilhada do Sul (17,5 / 91 pts)

5     Miolo Sesmarias 2008 – Campanha Gaúcha (17,5 / 91 pts)

6     Casa Valduga Raízes Cabernet Franc 2010 – Campanha Gaúcha (16,5 / 88 pts)

18-vietti-barolo-riserva-villero-2007

  • TRE BICCHERI – prêmio especial os melhores vinhos da Itália

O tradicional Guia Tre Biccheri é a referência dos vinhos da Itália. A classificação é feita por região e são muitas. Há entretanto um crème de la crème que elege os melhores de toda a Itália. São eles:

 

Rosso dell’Anno (tinto do ano)

Barolo Villero Ris. ’07 – Vietti

 

Bianco dell’Anno (branco do ano)

Trebbiano d’Abruzzo Vigne di Capestrano ’12  – Valle Reale

 

Bollicine dell’Anno (espumante do ano)

Brut Classico Nature – Monsupello

 

Dolce dell’Anno (doce do ano)

Vin Santo di Carmignano Ris. ’07 – Tenuta di Capezzana

 

Rapporto Qualità/Prezzo (qualidade /preço)

Custoza Sup. Ca’ del Magro ’12 – Monte del Frà

 

Cantina dell’Anno (Cantina do ano)

Tenuta Sette Ponti

Lista completa do Tre Biccheri: http://www.gamberorosso.it/component/k2/item/1020615-vini-d-italia-2015-del-gambero-rosso-ecco-i-risultati

GRANLEGADO

 CONCURSOS E AVALIAÇÕES

  • TOP 10 Expovinis 2014

Este colunista faz parte do júri que escolhe anualmente os melhores vinhos em 10 categorias da maior Feira de Vinhos da América Latina. Este foi o resultado de 2014

 Espumante Nacional

 Grand Legado Brut Champenoise, da vinícola Gran Legado, região de Garibaldi/RS

 

Espumante Importado:

Champagne Lanson Brut, do produtor Lanson, França

 

Branco Nacional

Pericó Vigneto Sauvignon Blanc, da Vinícola Pericó, Santa Catarina

 

Branco Importado

Boschendal Elgin Chardonnay, do produtor Boschendal, da África do Sul

 

Rosado:

Remy Pannier Rose D’Anjou, do produtor Ackerman, Vale do Loire, França

 

Tinto Nacional:

Guatambu Rastros do Pampa Tannat, do produtor Guatambu Estância do Vinho, região da Campanha Gaúcha

 

Tinto Novo Mundo

Casillero del Diablo Devil’s Collection, da Viña Concha y Toro, Vale do Rapel, Chile

 

Tinto Velho Mundo/Itália/França, entre outros

Le Vigne Di Sammarco Solemnis Primitivo Salento IGP, do produtor Le Vigne di Sammarco, região da Puglia, Itália

 

Tinto Velho Mundo/Península Ibérica:

Scala Coeli, da Adega Alentejana, região do Alentejo, Portugal

 

Fortificados e Doces

Andresen Porto White 10 Years, do produtor Andresen, região do Douro, Portugal

 

  • 22º AVALIAÇÃO dos vinhos nacionais safra de 2014

A Associação Brasileira de Enologia promove uma avaliação dos vinhos brasileiros da safra do ano que ainda vai entrar no mercado, uma seleção de 16 vinhos das 290 amostras degustadas de 58 vinícolas

 

Categoria vinho base para espumante

Domno do Brasil – vinho base espumante (Chardonnay
Chandon do Brasil – vinho base espumante (Chardonnay/Pinot Noir/Riesling Itálico)
Vinícola Geisse – vinho base espumante (Chardonnay/Pinot Noir


C
ategoria branco fino seco não aromático
Vinícola Salton – Riesling itálico
Vinícola Fazenda Santa Rita – Chardonnay
Vinícola Góes & Venturini Ltda – Chardonnay.
Cooperativa Vinícola Nova Aliança Ltda – Chardonnay

 

Categoria branco fino seco aromático
Vinícola Giacomin – Moscato giallo

Categoria tinto fino seco jovem
Giacomin Ind. De Bebidas – Vinhos Hortência – Cabernet sauvignon

Categoria tinto fino seco
Vinícola Góes – Cabernet franc

Leia também: O merlot brasileiro é o melhor do mundo?

9-SYRAH_GR-sin-año

  • WINES OF CHILE – Melhores vinhos de 2014 eleitos pelo júri da 12º Wines of Chile Awards (AWoCA)

A décima segunda edição deste concurso foi realizado pela primeira vez no Brasil, e pesou o paladar brasileiro na distribuição dos prêmios. Aqui não se trata de uma lista por ordem de classificação, mas do melhor vinho por categoria. Um syrah, da Casas del Bosque, foi eleito o melhor entre todos os vinhos degustados e premiados.

Best in the Show

Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

 

Premium Red

Armida 2009/De Martino

 

Premium White

Amelia 2013/Concha y Toro

 

Other Reds

Tama Vineyard Selection Carignan 2013/Viña Anakena

 

Other Withes

Single Vineyard Neblina Riesling 2011/Leyda

 

Blends

5 Cepas 2013/Casa Silva

 

Rosé

Gallardía del Itata Cinsault 2014/De Martino

 

Sparkling Wine

Brut Nature/Viña Morandé

 

Late Harvest

Erasmo Late Harvest Torontel 2009/Erasmo

 

Cabernet Sauvignon

Gran Terroir de los Andes – Los Lingues Cabernet Sauvignon 2012/Casa Silva

 

Carmenere

Carmenere Reserva 2013 Pedriscal Vineyard/Falernia

 

Pinot Noir

Pinot Noir Reserva 2013/Falernia

 

Syrah

Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

 

Chardonnay

Tarapacá Gran Reserva Chardonnay/Viña Tarapacá

 

Sauvignon Blanc

Specialties Sauvignon Blanc O

sol_de_sol_Chardonnay_2009-720x960

  • CHILE – GUIA DESCORCHADOS 2015

O Guia Descorchados tornou-se uma referência dos vinhos Chilenos. Abaixo a lista dos destaques da degustação em suas respectivas categorias:

 

Melhor tinto

Cousiño Macul Lota Cabernet 2009 – 97 Pontos

 

Melhor branco

De Martino Viejas Tinajas Muscat 2013 – 96 pontos

 

Branco revelação

Sierras de Bellavista Riesling 2013 – 92 pontos

 

Tintos revelação

Tabalí Roca Madre Malbec 2014 – 93 pontos

Santa Carolina Specialties tinto de Montaña Malbec 2013 – 94 pontos

Concha y Toro Marques de Casa Concha País Cinsault 2014 – 93 pontos

J.A Jofré Vinos Fríos del Año Carignan Tempranillo Carmenére 2014 – 93 pontos

 

Marca revelação

Sol de Sol, Aquitania

 

Bodega revelação

House Casa del Vino e El Viejo Almacén de Souzal

 

Melhor Cabernet Franc

Maquis Franco 2011 – 96 pontos

 

Melhor Cabernet Sauvignon

Cono Sur Silencio 2010 – 96 pontos

Santa Rita Casa Real Reserva Especial 2011

 

Melhor Carignan

Bodegas RE Re Nace Cariñena 2013 – 95 pontos

 

Melhor Carmenére

Concha y Toro Terrunyo Lote 1 2013 – 95

 

Melhor Chardonnay

Aquitania Sol de Sol 2011 – 96 pontos

 

Melhor Cinsault

De Martino Viejas Tinajas 2014 – 94 pontos

 

Melhor espumante

Bodegas RE Re Noir Nature Virgen Pinot Noir – 94 pontos

Morandé Nature Chardonnay/Pinot Noir – 94 pontos

 

Melhor Malbec

House Casa del Vino 2013 – 93 pontos

Viu Manet Viu 1 2011 – 93 pontos

 

Melhor Merlot

Tres Palacios cholqui 2011 – 93 pontos

 

Melhor mescla branca

Apaltagua Coleccíon Blanc 2014 – 93 pontos

Ramirana Gran Reserva 2014 – 93 pontos

William Févre 2012 – 93 pontos

 

Melhor mescla tinta

Cousino Macul Lota Cabernet 2009 – 97 pontos

 

Melhor moscatel

De Martino Viejas Tinajas Muscat 2013 – 96 pontos

 

Melhor outras cepas brancas

Casa Marin Casona Vineyard Gewurztraminer 2014 – 94 pontos

 

Melhor outras cepas tintas

Lapostolle Collection Monastrel 2013 – 93 pontos

Pérez Cruz Chaski Petit Verdot 2012 – 93 pontos

 

Melhor País

Concha y Toro Marques de Casa Concha Limited Edicion 2014 – 93 pontos

 

Melhor Pinor Noir

Maycas de Limarí San Julián 2013 – 93 pontos

Montsecano 2013 – 93 pontos

Tabalí Talinay 2013 – 93 pontos

 

Melhor Riesling

Sierras Bellavistya 2014 – 94 pontos

 

Melhor Rosado

Bodegas RE Pinotel Pinot Noir Moscatel 2014 – 92 pontos

 

Melhor Sauvignon Blanc

Labirinto 2014 – 96 pontos

Leyda Lot 4 2014 – 96 pontos

 

Melhor Syrah

Errázuriz Costa 2013 – 95 pontos

Leyda Lot 8 2012 – 95 pontos

Undurraga TH 2012 – 95 pontos

 

Super preço extremo branco

Cono Sur Bicicleta Gewurztraminer 2014 – 89 pontos

 

Super preço extremo tinto

Santa Rita 120 Reserva Especial Cabernet Sauvignon 2013 – 89 pontos

 

Super preço branco

Leyda Garuma Vineyard Sauvignon Blanc 2014 – 94 pontos

 

Super preço tinto

Cacique Maravilla 2014 – 92 pontos

Maycas de Limarí Sumaq Pinor Noir 2013 – 92 pontos

bodega-del-fin-del-mundo-fin-single-vineyard-malbec-neuquen-argentina-10337239

  • WINES OF ARGENTINA – Melhores vinhos Concurso Wines of Argentina Awards (WAA) 2014

O prestigiado concurso do WAA é uma referência entre os produtores da Argentina. Este colunista acompanhou a premiação deste ano. Abaixo os resultados.

Espumantes – método tradicional

faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Zuccardi Blanc de Blancs 2007- Familia Zuccardi

Importado pela Ravin

 

Torrontés

faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Colomé Torrontés 2013- Bodega Colomé

Importado pela Decanter

 

 Cabernet franc

faixa de preço  entre 20.00 e 29.99 dólares

Numina Cabernet Franc 2011- Bodegas Salentein SA

Importado pela Zahil

 

acima de 50.00 dólares

Andeluna Pasionado Cabernet Franc 2010- Andeluna Cellars Srl

Importado pela World Wine

 

Cabernet sauvignon

faixa de preço entre 30.00 e 49.99 dólares

Bramare Lujan de Cuyo Cabernet Sauvignon 2011-Viña Cobos SA

Importado pela Grand Cru

 

Malbec

faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Es Vino Reserve Malbec 2012- Es Vino Wines

Ainda sem importadora no Brasil

 

faixa de preço entre 20.00  e 29.99 dólares

Alta Vista Terroir Selection Malbec 2011- La Casa del Rey SA- Alta Vista

Importado pela Épice

 

faixa de preço entre 30.00  e 49.99 dólares

Vineyard Selection Malbec 2012- Riccitelli Wines

futura importação pela Wine Brands

 

faixa de preço acima de 50.00 dólares

Republica del Malbec – Blend de Terroirs 2012- Riccitelli Wines

futura importação pela Wine Brands

 

Blends de tintos

faixa de preço entre 13.00  e 19.99 dólares

Paz Blend 2012- Finca Las Moras

Importado pela Decanter

 

faixa de preço entre 30.00 e 49.99 dólares

Field Blend 2011- Zorzal Wines

Importado pela Grand Cru

 

acima de 50.00 dólares

Decero Amano, Remolinos Vineyard 2011- Finca Decero

 

Medalhas por região

Mendoza

Lindaflor Malbec 2009, Monteviejo

 

Norte

Serie Fincas Notables Malbec 2011, Bodega El Esteco

Importado pela Bruck

 

San Juan

Paz Blend 2012, Finca Las Moras

Importado pela Decanter

 

Patagônia

 Fin Single Vineyard Cabernet Franc 2010, Bodega del Fin Del Mundo

Importado pela Mr Man

  • PORTUGAL –  50 melhores vinhos de Portugal

O único master of wines do Brasil, Dirceu Vianna Júnior, que mora e trabalha em Londres. teve a árdua missão de selecionar entre 500 rótulos portugueses os 50 mais representativos do país. Esta é a sua lista, apresentada em um evento em São Paulo:

 BRANCOS

1. Covela Escolha Branco, 2012

Produtor: Lima Smith

Região: Vinho Verde

Uvas: avesso e chardonnay

Importador: Magnum Importadora

2. Quinta da Levada, 2012

Produtor: Quinta da Levada Sociedade Agrícola

Região: Vinho Verde

Uva: azal

Sem importador

3. Soalheiro, 2012

Produtor: Quinta do Soalheiro

Região: Vinho Verde

Uva: alvarinho

Importador: Mistral

4. Quinta de Gomariz Grande Escolha, 2012

Produtor: Quinta de Gomariz

Região: Vinho Verde

Uva: alvarinho, loureiro e trajadura

Importador: Decanter

5. Casa da Senra, 2012

Produtor: Abrigueiros – Produções Agrícolas e Turismo

Região: Vinho Verde

Uva: loureiro

Sem importador

6. Tapada dos Monges, 2012

Produtor: Manoel da Costa Carvalho Lima & Filhos

Região: Vinho Verde

Uvas: loureiro, arinto e trajadura

Importadores: Garrafeira Real e Fadaleal Supermercados

7. Muros Antigos, 2012

Produtor: Alselmo Mendes Vinhos

Região: Vinho Verde

Uva: loureiro

Importador: Decanter

8. Portal do Fidalgo, 2011

Produtor: Provam

Região: Vinho Verde

Uva: alvarinho

Importador: Casa Flora Ltda

9. Muros de Melgaço, 2011

Produtor: Anselmo Mendes Vinhos

Região: Vinho Verde

Uva: alvarinho

Importador: Decanter

10. Royal Palmeira, 2009

Produtor: Ideal Drinks

Região: Vinho Verde

Uva: loureiro

Importador: Idealdrinks & Gourmet

11. Quinta da Fonte do Ouro Encruzado, 2011

Produtor: Sociedade Agrícola Boas Quintas

Região: Dão

Uva: encruzado

Importador: Adega dos 3

12. Morgado de Santa Catherina, 2010

Produtor: Companhia das Quintas Vinhos

Região: Lisboa

Uva: arinto

Importador: Wine .com

13. Redoma Reserva, 2011

Produtor: Niepoort (vinhos)

Região: Douro

Uva: rabigatto, codega, donzelinho e arinto

Importador: Mistral

14. Conceito Branco, 2010

Produtor: Conceito Vinhos

Região: Douro

Uva: (mistura de vinhas velhas)

Importador: Épice

vallado

TINTOS

15. Cortes de Cima Trincadeira, 2011

Produtor: Cortes de Cima

Região: Alentejo

Uva: trincadeira

Importador: Adega Alentejana

16. Terra D’Alter Touriga Nacional, 2010

Produtor: Terra D’Alter Companhia de Vinhos

Região: Alentejo

Uva: touriga nacional

Importador: Obra Prima Importadora

17. Herdade da Pimenta Grande Escolha, 2010

Produtor: Logowines

Região: Alentejo

Uvas: syrah, touriga nacional e touriga franca

Importador: RJU Comércio e Beneficiamento de Frutas e Verduras

18. Tinto da Talha Grande Escolha, 2009

Produtor: Roquevale

Região: Alentejo

Uva: syrah, alicante bouschet e touriga nacional

Importador: Adega Alentejana

19. Canto X, 2009

Produtor: Herdade da Madeira Velha

Região: Alentejo

Uvas: alicante bouschet e touriga nacional

Sem importador

20. Cartuxa, 2009

Produtor: Cartuxa – Fundacão Eugénio de Almeida

Região: Alentejo

Uvas: aragonez, trincadeira e alicante bouschet

Importador: Adega Alentejana

21. Cortes de Cima Reserva, 2009

Produtor: Cortes de Cima

Região: Alentejo

Uvas: aragonez, syrah, petit verdot e touriga nacional

Importador: Adega Alentejana

22. Dona Maria Reserva, 2008

Produtor: Julio Bastos – Dona Maria

Região: Alentejo

Uvas:, alicante bouschet, petit verdot e syrah

Importador: Decanter Vinhos

23. Conde D’Ervideira Private Selection Tinto, 2008

Produtor: Ervideira, Sociedade Agrícola

Região: Alentejo

Uvas: aragonez, trincadeira e Alicante bouschet

Importador: Intercom Comércio Internacional

24. Aliança Bairrada Reserva, 2011

Produtor: Aliança Vinhos de Portugal

Região: Bairrada

Uvas: touriga nacional, baga e tinta roriz

Sem importador

25. Vinha Pan, 2009

Produtor: Luís Pato

Região: Bairrada

Uva: baga

Importador: Mistral

26. Marquesa de Alorna Reserva, 2009

Produtor: Quinta da Alorna Vinhos

Região: Tejo

Uvas (não divulgado)

Importador: Adega Alentejana

27. Julia Kemper, 2009

Produtor: Cesce Agrícola

Região: Dão

Uvas: touriga nacional, tinta roriz, alfrocheiro e jaen

Importador: Gracciano Com. Imp. Exp. Bebidas

28. Quinta Fonte do Ouro Touriga Nacional, 2009

Produtor: Sociedade Agrícola Boas Quintas

Região: Dão

Uva: toruiga nacional

Importador: Adega dos 3

29. Casa da Passarela Vinhas Velhas, 2009

Produtor: O Abrigo da Passarela

Região: Dão

Uvas: castas autóctones

Importador: Vinica

30. Quinta do Serrado Reserva, 2009

Produtor: Sociedade Agrícola Castro Pena Alba – FTP Vinhos

Região: Dão

Uvas: touriga nacional, alfrocheiro e jaen

Sem importador

31. Quinta do Perdigão Touriga-Nacional, 2008

Produtor: Quinta do Perdigão

Região: Dão

Uva: touriga nacional

Importador: Mistral

32. Quinta da Bica Reserva, 2005

Produtor: Quinta da Bica Sociedade Agrícola

Região: Dão

Uvas: touriga nacional, alfrocheiro, tinta roriz e jaen

Importador: Gianno Import

33. Quinta do Vallado Reserva Field Blend Douro Tinto, 2011

Produtor; Quinta do Vallado Sociedade Agrícola

Região: Douro

Uvas: vinhas velhas de 100 anos e touriga nacional

Importador: Cantu

34. Quinta da Casa Amarela Grande Reserva, 2011

Produtor: Laura Valente Regueiro

Região: Douro

Uvas: touriga franca, tinta roriz e touriga nacional

Importador: Winemundi

35. Casa Ferreirinha Callabriga, 2010

Produtor: Sogrape Vinhos

Região: Douro

Uvas: toruiga franca, touriga nacional e tinta roriz

Importador: Zahil

36. Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas, 2010

Produtor: Quinta do Crasto

Região: Douro

Uvas: 25 a 30 uvas diferentes de vinhas velhas

Importador: Qualimpor

37. Pintas, 2010

Produtor: Wine & Soul

Região: Douro

Uvas: vinhas velhas

Importador: Adega Alentejana

38. Poeira, 2010

Produtor: Jorge Moreira Produção e Comercialização de Vinhos

Região: Douro

Uvas: vinhas velhas

Importador: Mistral

39. Batuta, 2010

Produtor: Nieepoort (Vinhos)

Região: Douro

Uvas: touriga franca, tinta roriz, rufete, malvazia entre outras

Importador: Mistral

40. Passadouro Touriga Nacional, 2010

Produtor: Quinta do Passadouro Sociedade Agrícola

Região: Douro

Uva: touriga nacional

Importador: Adega Alentejana

41. Quinta do Pessegueiro, 2010

Produtor: Quinta do Pessegueiro Sociedade Agrícola

Região: Douro

Uvas: touriga nacional, touriga franca, vinhas velhas e roriz

Importador: World Wine

42. CV-Curriculum Vitae, 2010

Produtor: Lemos & Van Zeller

Região: Douro

Uvas: variadas

Importador: World Wine

43. Quinta de la Rosa Reserva, 2009

Produtor: Quinta da Rosa Vinhos

Região: Douro

Uvas: touriga nacional, touriga franca e tinta roriz

Importador: Ravin

44. Chryseia, 2009

Produtor: Symington Family Estates Vinhos

Região: Douro

Uvas: touriga nacional e touriga franca

Importador: Mistral

45. Quinta do Noval Touriga Nacional, 2009

Produtor: Quinta do Noval

Região: Douro

Uvas: touriga nacional

Importador: Adega Alentejana

46. Quinta do Portal Auru, 2009

Produtor: Quinta do Portal

Região: Douro

Uvas: touriga nacional, touriga franca e tinta roriz

Importador: Wine & Roses / Chaves & Oliveira

 

FORTIFICADOS

47. Bacalhôa Moscatel Roxo, 2001

Produtor: Bacalhôa Vinhos de Portugal

Região: Península de Setúbal

Uva: muscatel roxo

Importador: Portus Cale Exp. Imp.

48. Justino’s Madeira Colheita, 1995

Produtor: Justino’s Madeira Wines

Região: Madeira

Uva: tinta negra

Importador: Porto a Porto / Casa Flora

49. Graham’s Tawny 30 anos

Produtor: Symigton Family Estates

Região: Douro

Uvas: touriga nacional, touriga franca, tinta barroca, tinta roriz e tinta cão

Importador: Mistral

50. Burmester Porto Colheita, 1963

Produtor: Sogevinus Fine Wines

Região: Douro

Uvas: tradicionais do Douro

Importador: Adega Alentejana

Outras listas

Top 20 white and fortificad wines – Jancis Robinson

Top 20 sparkling wines – Jancis Robinson

 

 

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 4 de abril de 2014 Novo Mundo, ViG | 01:49

50 vinhos argentinos que vale a pena conhecer. Parte 3 – vinhos de corte de Mendoza

Compartilhe: Twitter

Nesta terceira parte da lista de 50 vinhos saborosos da Argentina que vale a pena conhecer, o destaque são os vinhos de corte (blend, ou mistura de várias uvas na elaboração do vinho) de Mendoza.

Atenção, não se trata de uma lista dos melhores vinhos da Argentina, mas uma seleção da rica amostra de tintos e brancos que provei em uma semana em viagem por lá. Trata-se, como só pode ser, de uma seleção pessoal.

Na próxima e última nota desta série, os destaques são os  vinhos varietais (feitos de uma única uva)  de outras variedades  diferentes da malbec da região de Mendoza.

Região de Mendoza – vinhos de corte (blends)

A região de Mendoza também é pródiga em blends ou vinhos de corte do tipo bordalês ou tendo a malbec como protagonista, mas sendo escoltada por outra variedade, aportando mais estrutura, acidez, potência e diversos sabores. No geral, os tintos  top de linha das principais vinícolas são blends de malbec,. Esta escolha pela mistura no principal rótulo já diz  muita coisa sobre este estilo de vinho.

unanimemascota 26 Unânime 2009

Mascota Vineyards/Santa Ana

Região: Vale de Uco

Site official: http://www.bodegas-santa-ana.com.ar/sitio-Por/index.php

Uvas: cabernet sauvignon, malbec, cabernet franc

R$ 78,00

A voz do vinho: para começar uma lista de vinhos de corte, nada melhor que uma unanimidade, pelo menos no rótulo. O vinho ícone da Mascota é um blend espetacular que tem este nome pois na hora de decidir o corte ideal para o rótulo existiu um consenso entre todos os envolvidos. Complexo na boca, entrega as frutas da malbec e a estrutura da cabernet sauvignon. Gostoso na entrada e com bom fim de boca.

Por que escolhi: bom exemplo de blend por um bom preço

 

casarena50527 505 essência Blend 2013

Casarena Bodega y Viñedos

Região: Agrelo, Luján de Cuyo

Site oficial  www.casarena.com

Uvas: malbec 50%, cabernet  sauvignon 30% e merlot  20%

Importador: Magnum

R$ 35,00

A voz do vinho: quem disse que os vinhos de corte precisam ser caros? Boa mescla, belo exemplo de blend macio, fruta franca, vinho correto, redondo, fácil de beber e de gostar.

Por que escolhi: bom blend de entrada

 

amanodecero28. Decero Amano Remolinos Vineyard 2011

Finca Decero

Região: Agrelo

Site oficial: http://www.decero.com/about/remolinos-vineyard/

Uvas: malbec 60%, cabernet sauvignon 30%, tannat 1%, petit verdot 4%

Importador: era da Ana Import

R$ 264,00

A voz do vinho: outro que levou o Trophie de melhor blend acima de 50dólares do AWA  (Argentine Wine Awards) 2104. Muito perfumado, bem malbec no nariz, muita fruta do cabernet sauvignon e taninos e estrutura do tannat e petit verdot, que também dá acidez. Passa 22 meses na barrica amaciando, apurando seus sabores e desenvolvendo seus aromas. Vinho de gente grande

Por que escolhi: paixão ao primeiro gole

 

expressiones29. Expresiones Reserve 2012

Finca Flichman

Região: Mendoza

http://www.flichman.com.ar/home.html

Uvas: malbec 60% e cabernet sauvignon 40%

Importador La Pastina

R$ 60,00

A voz do vinho: esta medida de 60% malbec e 40% cabernet sauvignon com um tempo de passagem pela barrica  parece que dá certo. Aparece em muitos rótulos de Mendoza. As frutas vermelhas e as notas de especiarias aparecem, criam volume em boca e um tanino delicado traz maciez e um final prolongado.

Por que escolhi:  boa “impressão” ao primeiro gole que se confirma com o tempo em taça

 

lagarde-henry-gran-guarda,jpg30 Henry Grand Guarda nº 1 2009

Lagarde

Região: Luján de Cuyo, Mendonza

Site oficial: www.lagarde.com.ar

Uvas: cabernet sauvignon 39%, malbec 35%, petit verdot 13% e cabernet franc 13%

Importador: DeVinum

R$ 210,00

A voz do vinho: o vinho número 1 da Lagarde só é elaborado em safras especiais e passa dois anos em barricas de carvalho de primeiro uso. A palheta de aromas é ampla, com destaques para café, couro, tostado, tabaco do tempo em madeira, pimenta, fruto maduro. O paladar confirma esta impressão, tanto na intensidade como na qualidade dos sabores. Potente, sério, final longo. O corte muda bastante a cada ano, o que sugere a visão do enólogo como resultado do  que a natureza lhe oferece. Já havia provado o 2007, onde a cabernet franc predominava. Este aqui é um senhor mais sério.

Por que escolhi: um corte bordalês de respeito, vinho de decanter, de reflexão

Trivento-AMADA-SUR31 Trivento Amado Sur Malbec 2012

Bodega Trivento

Região: variadas em Mendoza

Site oficial: http://www.trivento.com/triv/site2.php

Uvas: malbec 70%, bonarda 18% e syrah 12%

Importador: VCT

R$ 58,00

A voz do vinho: da série dormindo com o inimigo, a Trivento é um investimento da gigante chilena Concha y Toro na Argentina. O vinho de corte busca um equilíbrio e puxa o que melhor tem cada variedade. Aqui a malbec aportou elegância, a syrah a estrutura e a bonarda ampliou a acidez e completou com frutas vermelhas. Um tinto macio, suave, com uma boa fruta fresca. Sempre na lista dos vinhos smart buys (boas compras) da Argentina.

Por que escolhi: pela suavidade da mescla e preço

 

 

premios_phi-eng32 Phi– Finca el Origen 2009

Finca el Origen

Região: Vale do Uco

Site oficial: http://www.fincaelorigen.com/

Uvas: malbec 79%, cabernet franc 11%, cabernet sauvignon 7% e petit verdot 3%

Importador: Casa Rio Verde BH

R$ 150,00

A voz do vinho: a Finca El Origen também tem suas raízes no Chile, são os mesmos proprietários da Santa Carolina. Vinhaço. Elegante, complexo, com todas as qualidades que um blend aporta a uma garrafa. Tem um estilo bordalês de ser. Passa 18 meses em barricas de carvalho. A malbec torna o vinho macio e floral, a cabernet franc traz especiarias e complexidade ao caldo, a cabernet sauvignon dá envergadura e mais aromas, frutas e aquele tiquinho de petit verdot ajuda na acidez, dando mais longevidade ao vinho. Um vinho de corte por excelência. O nome Phi é letra grega que representa a proporção, o número encontrado na natureza. Muito bom também o Finca el Origen Cabernet Sauvignon, um cabernet de zona fria com 12 meses de barrica, bons taninos, fruta negra.

Por que escolhi: pela complexidade e bom uso da madeira, que não encobre a fruta

 

enamore33 Enamore 2011

Renacer e Allegrini

Região: Luján de Cuyo

Site oficial: http://www.bodegarenacer.com.ar/

Uvas: malbec 45%, cabernet sauvignon 40% e bonarda 10%

Importador Vinhos do Mundo

R$ 165,00

Voz do vinho: o que acontece quando se junta um enólogo da região do Veneto (Paolo Mascanzoni, da Allegrini) com outro da Mendoza  (Alberto Antonini, Renacer)? Um tinto vinificado como um amarone do hemisfério norte mas com uvas do hemisfério sul, ambos representados pelas linhas em forma de novelo desenhadas no topo e na base do rótulo. As uvas ficam expostas ao sol e ao vento para perder cerca de um terço de sua água. Este método tradicional do Amarone se chama apassimento, que acaba concentrando mais o açúcar da fruta. Na boca a fruta vermelha é mais doce, o vinho macio, redondo. Interessante esta transferência de método para as uvas locais.

Por que escolhi: fácil de beber e agradar e, vamos combinar, um belo nome para um vinho

 

Durigutti34 Durigutti Familia 2008

Familia Durigutti

Região: Maipú e La Consulta

Site oficial: www.durigutti.com

Uvas: malbec 85%,  cabernet franc 3%, cabernet sauvignon 3%, syrah, 5% e bonarda 4%

Importador (sem importador no Brasil)

Voz do vinho: destaque para o belo aroma de ameixas,  floral e de especiarias. Na boca mostra um sabor delicioso, equilibrado e com boa persistência de seus frutos. Passou dois anos em barricas francês e foi engarrafado em outubro de 2010. Mostrou boa evolução e vai em frente.

Por que escolhi: tem um paladar encantador

 

diamandes35 DiamAndes de Uco Gran Reserva 2008

DiamAndes

Região: Vale de Uco

Site oficial: www.diamandes.com

Uvas: malbec 70% e cabernet sauvignon 25%

Importador: Magnum

R$ 180,00

A voz do vinho: para não dizer que esqueci de Michel Rolland, aqui uma ótima contribuição de seu expertise no estilo bordalês transportado para as características do hemisfério sul. A vinícola é um empreendimento do casal Alfred-Alexandre e  Michèle Bonnie, proprietário do Château Malartic-Lagravière e do Château Gazin Rocquencourt, em Bordeaux. 15 milhões de dólares de investimento depois eles inauguraram a estonteante Bodega DiamAndes onde elaboram parte das 1 milhão de garradas do vinho-consórcio Clos de los 7. Além desses rótulos também produzem a linha DiamAndes. Um bom viognier de entrada, um malbec e este gran reserva. O vinho passa 24 meses em barricas francesas de primeiro uso, é bem escurão, muito macio na boca, potente. As frutas negras e tostados são expressivas e elegantes. O conceito de viticultura de precisão alcança pontos de maturação mais precisos para as uvas selecionadas.

Por que escolhi: um novo clássico argentino

 

piatelli36  Trinitá Piatelli

Piatelli Vineyards

Regiões: Agrelo, Luján  de Cuyo e Vale do Uco

Site oficial: http://www.piattellivineyards.com/

Uvas: malbec, cabernet sauvignon, merlot

Importador: Vinhos do Mundo

R$ 205,00

A voz do vinho: vinhedos de 30 a 70 anos de cabernet sauvignon, malbec e merlot  fornecem a matéria-prima para esta belezinha. As varietais são afinadas em separado por 12 meses em pequenas barricas de primeiro e segundo uso preservando a fruta na composição do corte. A boca mostra cerejas negras maduras que aparecem antes nos aromas. Potente, de grande volume, vale decantar ou pelo menos deixar um tempo na taça para revelar seus frutos, toques de especiarias e os efeitos da barrica que ampliam o vinho mas não o esconde.

Por que escolhi: por que é delicioso de beber

 

Gonzalezodonnel37 Gongález O’ Donnell

Hacienda del Plata

Região: Luján de Cuyo

Site official http://haciendadelplata.com/

Uvas: malbec 50% e cabernet sauvigon 50%

Importador: Wine to Go

R$ 232,00

A voz do vinho: a hacienda del Plata é um vinícola boutique de uma família de origem irlandesa, daí o nome no rótulo. São apenas 750 garrafas deste rótulo. O caldo passa 36 meses em barricas de carvalho francês de primeiro uso seguidos de mais 18 meses de envelhecimento em garrafa antes de ser comercializado. Elegante no nariz e na boca, combina em parcelas iguais a cabernet sauvignon e a malbec e desta disputa por espaço nasce um tinto de corte que é longo e de bastante impacto. Merece decantar antes de servir.

Por que eu escolhi: pelo privilégio de ter provado uma das 750 garrafas

 

bcrux38 Bcrux 2010 tempranillo

O Fournier

Região: La Consulta

Site oficial: http://www.ofournier.com/web/ar_00_es.html

Uvas: tempranillo, malbec e touriga nacional

Importador: Vinci Vinhos

R$ 114,00

A voz do vinho: o espanhol José Manuel Ortega Gil-Fournier tem uma história curiosa, largou a vice-presidência do Santander para se dedicar aos vinhos. Hoje possui vinícolas no Chile, Argentina e na Espanha natal. Mas montou morada na Mendoza, onde a mulher tem um premiado restaurante na vinícola e deve abrir outro na cidade. Os vinhos de O Fournier se distinguem por uma busca de qualidade sem exagero no preço. A linha BCrux é intermediária, é muito amplo na boca e apetitiso no paladar. O BCrux sempre foi uma mescla em que a tempranillo, não por acaso a uva de expressão da Espanha, foi protagonista, mas as outras uvas  que compõem a mescla  variam. Desde 2009 Gil-Fournier começou a acrescentar a portuguesa touriga nacional, que tem dado bons resultados e acrescentado mais  aroma ao tinto.

 Por que escolhi: os vinhos de Fournier merecem ser conhecidos, a linha Urban, na média de 50 reais, é um bom início

 

PascualTosoMagdalena39 Magdalena Toso 2011

Pascual Toso

Região: Maipu, Mendoza

Site oficial: www.bodegastoso.com.ar

Uva: malbec 60%, cabernet sauvignon 40%

Importador: Vinoteca Dibeal Brasil CIEBA

R$ 370,00

 A voz do vinho: expressão sublime da malbec, mostrando todo o potencial da região de Barrancas, em Maipú, Mendoza, combinado ao cabernet sauvignon. As uvas rigorosamente selecionadas em colheita manual, e depois fermentadas e enriquecidas em barricas de carvalho francês se transformam num vinho estupendo.  Muito intenso nos aromas, vai se abrindo aos poucos e revelando camadas de frutas, compotas, chocolate, a boca é o que mais me impressionou, um veludo, e um final longo e telúrico. A madeira integrada acrescenta e não doma o vinho. Potente e expressivo.

Por que escolhi: em degustações grandes costumo dar estrelas aos vinhos que provo como referência para o futuro. A memória gustativa era boa, a memória escrita marcou  cinco estrelas neste aqui.

Preços coletados em abril de 2014

Declaração: Este colunista esteve na Argentina a convite da Wines of Argentina, onde provou 228 vinhos, visitou várias vinícolas e teve contato com dezenas de produtores. Desta boca-livre resultou o texto produzido neste post sobre os vinhos argentinos.

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 1 de abril de 2014 Novo Mundo, ViG | 09:47

50 vinhos argentinos que vale a pena conhecer. Parte 2 – malbec de Mendoza

Compartilhe: Twitter

Nesta segunda parte da lista de 50 vinhos saborosos da Argentina que vale a pena conhecer, o destaque são os vinhos elaborados  100% com a uva malbec produzidos na região de Mendoza.

Nas próximas notas exploramos mais dois segmentos da  região de Mendoza – responsável por 80% da produção de vinho no país.

  •  melhores vinhos de corte (blends).
  •  varietais de outras uvas

Atenção, não se trata de uma lista dos melhores vinhos da Argentina, mas uma seleção da rica amostra de tintos e brancos que provei em uma semana em viagem por lá. Trata-se, como só pode ser, de uma seleção pessoal.

 Vinhos de Mendoza – Malbec 100%

Os vinhedos em Mendoza estão plantados em altitudes a 1.000 metros acima do nível do mar. Toda a região que produz vinho é donominada de Cuyo – engloba Mendoza, San Juan e La Rioja. Cuyo significa, no idioma Huarpe Mikayac, “o país dos desertos”. O que é uma realidade, e a água que vem das geleiras controlada pelo governo. Mendoza ainda se divide em cinco zonas: Norte, Leste, Centro, Sul e Vale de Uco. Luján de Cuyo, localizada no Centro, é conhecida como a “La Tierra del Malbec” e junto com Maipú é a região vitivinícola mais tradicional de Mendoza. São tintos mais estruturados, com frutas bem maduras, floral, com bom volume em boca e taninos macios. A região de Mendoza é um paraíso para quem aprecia vinhos. 80% dos vinhos da Argentina são produzidos ali. Nesta primeira etapa dos rótulos de Mendoza, começamos com os tintos de puro malbec. Deliciosos, tradicionais, inovadores. Tem de tudo, abaixo minha modesta seleção.

Riccitelli16 Republica del Malbec Blend de Terroir 2012

Matias Riccitelli

Região: Luján de Cuyo

Site oficial: http://www.matiasriccitelli.com/eng/index.html

Uva: malbec

Importador: (chegará ao Brasil pela Wine Brands)

R$: (na Argentina está classificado entre vinhos por mais de 50 dólares)

 A voz do vinho: uma nova geração, de calças coloridas e ideias idem, busca nada menos que a excelência no vinho argentino e ainda atrair um consumidor mais jovem. Matias Riccitelli faz parte desta geração. Provavelmente sua mamadeira era batizada com vinho.  Matias é  filho do lendário enólogo da gigante Bodega Norton Jorge Riccitelli. Todos os rótulos que já provei deste sujeito são espetaculares, sempre extraindo o melhor da malbec. São vinhos sedosos, intensos e complexos. Aromas de frutas negras, especiarias e muito equilibrado na boca, com vontade de quero mais. Levou o Trophie da AWA (Argentina Wine Awards) 2014. Vale conhecer também o Vineyard Selection Malbec, outro vencedor de medalhas. Este segundo puxa  mais para a elegância, e tem maior capacidade de envelhecimento, mas para tomar agora o Republica del Malbec me agradou mais.

Por que escolhi: talvez o melhor dos malbecs provados e pelo reconhecimento da nova geração

 

esvino 17 Es Vino Reserve Malbec 2009

Es.Vino/Finca Sophenia

Região: Tupungato

Site oficial http://www.sophenia.com/

Uva: malbec

Importador: não achei no Brasil, mas a World Wine importa a linha Finca Sophenia

R$:  (estava na categoria entre 13 e 20 dólares na premiação da AWA)

A voz do vinho: pois é, este tinto também foi premiado com um Trophie no concurso AWA 2014. Fiquei encantado com os aromas florais, sua fruta, a explosão em boca, a maciez e persistência do vinho. Não conhecia. A história da Es.Vino é curiosa. As herdeiras da Finca Sophenia, as gêmeas Eugenia e Sofia (daí o nome), receberam uma vinícola para chamar de sua quando tinham dez anos de idade. Depois de adultas deram vida ao sonho de um vinho moderno, para um público jovem, mas elegante. Eu diria que criaram um malbec sedutor, longo no sabor.

Por que escolhi: me encantei com a fruta deste malbec

 

LuigiBoscaMalbec18. Luigi Bosca Malbec Terroir Los Miradores 2011

Luigi Bosca

Região: Valle de Uco

Site oficial: http://www.luigibosca.com.ar/

Uva: malbec

Importador: Decanter

R$ 114,00

A voz do vinho: um grande malbec elaborado com clones provenientes de três terrenos diferentes da Luigi Bosca e plantada na Finca Los Miradores, no Vale do Uco, a uma altitude de 1.150 metros. Muito intenso, fruta expressiva, bastante longo no final de boca, aquela sensação do vinho que permanece depois de engolido. Boa acidez e ótimo corpo.

Por que escolhi: a mão do homem na seleção das uvas resulta em um belo malbec

 

PascualTosoMalbecreserve

19. Pascual Toso Reserve Malbec 2012

Pascual Toso

Região: Maipú

Site oficial: http://www.pascualtoso.com/

Uva: malbec

Importador: Vinoteca Brasil

R$ 59,00

A voz do vinho: esta é uma bela linha intermediária da Pascual Toso, a vinícola de Pauls Hobbs na Argentina. Tem boa persistência, é gostoso de beber, macio, mostra frutas negras e boa relação de custo-qualidade. Da mesma linha, o Cabernet Sauvignon tem boa estrutura, taninos firmes e boa fruta.

Por que escolhi: bom preço e bom vinho

 

expressiones20.  Trapiche Malbec Single Vineyard  2011

Trapiche

Região: Mendoza

Site oficial: http://trapiche.com.ar/pt

Uva: malbec

Importador: Interfood

R$ 202,00 (safra 2008)

A voz do vinho: delicioso estilo de malbec, a fruta bem integrada, equilibrado, frutas vermelhas e negras, muito macio. Um trabalho do enólogo-chefe da Trapche, Daniel Pi, que separa o melhor malbec de várias regiões e produz este caldo delicioso.

Por que escolhi: exibido, foi destaque entre 16 malbecs de diferentes terroirs que provei em uma degustação de top malbecs.

 

Casarena_Malbec21 Casarena Lauren’s Vineyard 2011

Casarena Bodega y Viñedos

Região: Agrelo

Site oficial: www.casarena.com

Uva: malbec

Importador: Magnum

R$ 130,00

A voz do vinho: o rótulo é uma vista aérea geométrica e estilizada do vinhedo em Agrelo. Uma parcela única  abastece este vinho de floral intenso, a tal da violeta, quase um vidro de perfume em forma de vinho, e de boca ampla e sedutora. Um malbec feminino e sedutor, com ótima fruta e bastante macio. Para aqueles que apreciam a exuberância do primeiro impacto, mas exigem estrutura no paladar. Provei este vinho da safra 2010 e agora veio a confirmação de sua qualidade na safra de 2011. Quase um irmão gêmeo, o Casarena Malbec de Pedriel também merece uma visita. Boa qualidade por um preço compatível. Mais um enólogo da nova geração mostrando serviço: Bernardo Bossi Bonilla.

Por que escolhi: pela consistência, preço e qualidade

 

argento resreva22 Malbec Reserva Argento 2012

Argento

Região: Maipú

Site oficial: http://www.argentowine.com/pt/

Uva: malbec

Importador: Domno

R$ 45 reais

A voz do vinho: A enóloga Silvia Cort, responsável pelos vinhos desde 2004, é uma apaixonada pela malbec. Resultado: um caldo bem extraído, mais encorpado, que passa 9 meses em barricas de carvalho americano e francês e confere notas de chocolate, taninos macios e gosto de frutas negras.

Por que escolhi: tem personalidade e bom preço

 

LAMascota23 La Mascota Malbec 2012

Mascota Vineyards/Santa Ana

Região: Maipú

Site oficial: http://www.bodegas-santa-ana.com.ar/sitio-Por/index.php

Uva: malbec

R$ 60,00

 A voz do vinho: este malbec, da linha de criação especial do enólogo Opi Sadler, é macio, gostoso, passa 15 meses na barrica, traz grande satisfação no paladar e tem uma ótima relação custo-benefício. A Mascota é um projeto de vinhos premium da gigante Santa Ana, a vinícola número 1 em volume da Argentina

Por que escolhi: bom na taça e bom de bolso

 

 

SerreraGranGuarda24 Serrera Gran Guarda 2008

Serra Wines

Região: Valle do Uco

Site official: http://www.serrera.com.ar/

Uva: malbec

Importador: Hannover Vinhos

R$ 160,00

A voz do vinho: um malbec de 2008 que mostra como  evolui bem esta uva quando tratada com respeito. Passa mais de 14 meses nas barricas de  carvalho de primeiro uso e fica quietinho na garrafa mais um ano antes da comercialização. A boca é macia, redonda, potente e lembra aromas de frutas negras, especiarias e chocolate; o final é longo e delicioso. Um carinho no paladar. No Brasil a safra à venda é de 2006, que talvez mostre outras delicias da evolução.

Por que escolhi: pelo potencial de envelhecimento da malbec

 

puntofinal25 Punto final – Reserva Malbec 2011

Renacer

Região: Perdriel, Luján de Cuyo

Site oficial: http://www.bodegarenacer.com.ar/

Uva: malbec

Importador Vinhos do Mundo

R$ 99,00

A voz do vinho: O rótulo deste belo malbec é repleto de termos que descrevem as sensações provocadas pelo vinho. Entre eles, aparecem aromas de frutas vermelhas, notas de especiarias, taninos suaves, final harmonioso. É um vinho com legenda, delicioso e de uma malbec agradável ao paladar.

Por que escolhi: agrada de início e prazeroso de beber.

 

Preços coletados em abril de 2014

Declaração: Este colunista esteve na Argentina a convite da Wines of Argentina, onde provou 228 vinhos, visitou várias vinícolas e teve contato com dezenas de produtores. Desta boca-livre resultou o texto produzido neste post sobre os vinhos argentinos.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 31 de março de 2014 Novo Mundo, ViG | 16:00

50 vinhos argentinos que vale a pena conhecer. Parte 1 – Salta e Patagônia

Compartilhe: Twitter

A felicidade, dizia o modernista Oswald de Andrade, é a prova dos noves. A escolha de um (ou mais) vinho, tentando plagiar, é a prova dos 228. Explico, recentemente tive o privilégio de experimentar exatos 228 rótulos argentinos “in loco”. Foram almoços, degustações, minifeiras e visitas a vinícolas em território Argentino a convite da Wines of Argentina*. Deste mar de vinhos provados selecionei 50 rótulos que traduzem de alguma maneira a atual produção de tintos (mais estes) e brancos de qualidade que se faz hoje no país.

Fui checar minhas anotações, as fotos dos rótulos e buscar na memória gustativa os vinhos que de alguma forma me impressionaram para esta seleção ViG (Vinho indicado pelo Gerosa) Argentina. Atenção, não se trata de uma lista dos melhores vinhos da Argentina, mas uma seleção da rica amostra de tintos e brancos que provei em uma semana em viagem por lá. Trata-se, como só pode ser, de uma seleção pessoal.

Por ser uma lista um pouco extensa, dividi a nota em várias partes, que serão publicadas ao longo da  semana.

Para começar os vinhos de Salta/Cafayate e da Patagônia

Nas próximas notas, os vinhos indicados são da região de Mendoza – responsável por 80% da produção de tintos, brancos e espumantes no país

  •  grandes malbecs
  •  melhores vinhos de corte (blends).
  •  varietais de outras uvas

Vinhos de Salta e Cafayate

As parreiras estão localizadas entre 1.500 e 3.000 metros sobre o nível do mar (a região vitivinícola mais alta do mundo). A chuva é rara, 200 milímetros por ano. A colheita na região é realizada uma semana antes do que em Mendoza. Os vinhos têm uma ótima acidez e são mais amigáveis. A branca torrontés produz caldos mais sutis e menos exibidos na região. Os tintos são mais intensos pois o sol, mais próximo pela altitude, faz com que as frutas engrossem as cascas para proteger as sementes, e como se sabe é nas cascas que se concentram aromas, cor e outros elementos dos tintos. Além do malbec, vale conhecer os cabernet sauvignon e cabernet franc da região.

colomé-torrontes1 Colomé Torrontés 2013

Bodega Colomé

Site oficial: http://www.bodegacolome.com/

Uva: torrontés

Importador: Decanter

R$ 56,00

A voz do vinho: a uva branca porta-estandarte da Argentina encontra aqui um representante à altura de seu marketing. A Bodega Colomé, do suíço Donald Hess, tem vinhedos plantados muito perto do céu. Localizados entre 2.300 e 3.100 metros de altura são considerados os vinhedos mais altos do mundo. Esta torrontés tem uma pegada mais seca, elegante e mostra uma ótima acidez, com bom frescor e frutas tropicais na boca. Levou o prêmio Trophie da AWA (Argentina Wine Awards) 2014.

Por que escolhi: torrontés menos floral e mais seca, mostra o potencial da variedade.

 

cafayatecabsauvignon2. Cafayate Reserve Cabernet Sauvignon – 2012 

Bodegas Etchart

Site oficial: http://www.bodegasetchart.com/

Uva: cabernet sauvignon

Importador: Pernod Ricard

R$: 31,00

A voz do vinho: a Etchart faz parte do grupo de bebidas Pernod Ricard. O vinho não chega a ser uma prioridade numa empresa que produz vodcas, uísques e licores. Mas o vinho é bem tratado aqui. Na região de Cafayate, de maior altitude, os tintos são mais intensos. Este cabernet sauvignon é da linha de entrada e agrada bastante no paladar. Sem complicações mas com uma boa fruta, passa seis meses em barrica, o suficiente para uma amaciada nos taninos e dar uns toques de baunilha. A cabernet sauvignon surpreendeu bastante nos vinhos argentinos. Em uma linha superior, o também Cabernet Sauvignon Gran Linaje é mais complexo e maduro e agradou bastante também.

Por que escolhi: bom vinho para o dia a dia.

 

CiclosMalbec3. Ciclos Malbec 2012

Bodega El Esteco

Site Oficial: http://www.elesteco.com/bodega/

Uva: malbec 100%

Importador: Bruck

R$ 85,00

A voz do vinho: talvez o nome Bodega El Esteco não seja familiar, mas certamente Michel Torino é. Trata-se da mesma vinícola em fase de transição de nome. Dentro da vinícola o Hotel & Spa Patios de Cafayate oferece 32 suítes para quem quer se esbaldar de vinho e sossego. Este malbec de Cafayate passa 12 meses em barricas francesas e americanas. No nariz ele entra um pouco alcoólico, mas revela-se na boca com uma fruta vermelha gostosa, bem macio e com boa intensidade. Provei novamente este vinho em um restaurante em São Paulo e estava fantástico. Medalha de ouro no AWA 2014.

Por que escolhi: malbec de boa extração e fruta saborosa.

 

CiclosIcone4. Ciclos Ícono

Bodega El Esteco

Site Oficial: http://www.elesteco.com/bodega/

Uvas: malbec e merlot

Importador: Bruck

R$ 85,00

A voz do vinho: apesar do nome, não é o tinto ícone da El Esteco. O top de linha leva o nome de Altimus, e é um blend das melhores uvas do ano selecionadas pelo enólogo Alejandro Pepa. O ícono é uma mescla bem realizada de malbec e merlot, macio, longo, com uma fruta ampla. Muito gostoso. Eu sempre sou da opinião que a malbec é sempre beneficiada quando misturada a outras uvas. Aqui está um exemplo. O rótulo, um sol desenhado pelo artista plástico uruguaio Carlos Paez Vilaró, recentemente falecido, se transformou em uma bela homenagem e traduz o clima da região.

Por que escolhi: um vinho ensolarado e feliz na homenagem.

 

LAborum-Tannat5. Laborum Tannat 2012

Bodega El Porvenir de Cafayate

Site oficial: http://www.elporvenirdecafayate.com/

Uva: tannat

Importador: Vinhos do Mundo

R$ 79,00

A voz do vinho: primeiro da série de vinhos com assessoria do consultor Paul Hobbs que vai aparecer nesta lista. Alguns acusam Hobbs de pesar a mão. Discordo, ele tem vinhos de perfis diferentes em cada região. E boas surpresas. Mas aqui a estrela é o jovem e inovador enólogo Mariano Quiroga, que comanda a alquimia sob supervisão do americano. Este tannat é muito persistente no nariz, tem boa acidez natural. Prima mais pela elegância e longevidade. Um tannat oposto daquele estilo agressivo e ao mesmo tempo potente que estamos acostumados a tomar.

Por que escolhi: pela elegância. Este tannat não é agressivo, não luta UFC, pratica ioga.

 

elporvneirtannat-amauta6. Amauta Corte IV Cabernet Franc e Malbec  2013

Bodega El Porvenir de Cafayate

Site oficial: http://www.elporvenirdecafayate.com/

Uvas: cabernet franc e malbec

Importador: Vinhos do Mundo

R$ 79,00

A voz do vinho: o trabalho de Mariano Quiroga merece uma segunda indicação. Este rótulo está ainda para sair no mercado e é aquilo que Mariano define como vinho de autor. A cada ano a composição muda, com a decisão dos enólogos de usar as melhores uvas das melhores parcelas no corte do vinho. Aqui ele combinou o floral do malbec com a potência e o final de boca da cabernet franc e o resultado é espetacular. Belo trabalho de fusão da uva símbolo da argentina (a malbec) com aquele que os especialistas estão apontando como a grande vedete os próximos anos (a cabernet franc)

Por que escolhi: pelo trabalho do enólogo e a escolha das duas variedades de grande expressão na Aregrntina – malbec e cabernet franc

IMG_22397. Cafayate Gran Linaje 2013

Bodegas Etchart

Site oficial: http://www.bodegasetchart.com/

Uva: torrontés

Importador: Pernod Ricard

R$: 55,00

 A voz do vinho: olha o Paul Hobbs aí geeente! a safra 2009 deste vinho levou 92 pontos de Robert Parker, o que é espantoso para um branco sul-americano, ainda mais da uva torrontés. Tem uma pegada mais floral, característica da uva, mas com um belo rastro cítrico e boa acidez

Por que escolhi: um outro exemplo do potencial da torrontés, com bela expressão da uvas

 

Vinhos da Patagônia

Se Salta possui os vinhedos mais altos do mundo, a Patagônia exibe os vinhedos mais ao sul do planeta, no paralelo 39. Ao contrário das regiões de Salta e Mendoza, seus vinhedos estão entre 300 e 500 metros do nível do mar, proporcionando uma maturação mais prolongada das uvas. Por conta de suas condições climáticas, dos ventos frequentes, baixa umidade e ampla diferença térmica entre dia e noite (algo como 20 graus) na época da maturação das uvas, o nível de acidez que se obtém é alto, o que resulta em um bom potencial de guarda. O baixo rendimento dos cachos de uva impõe a produção de vinhos de qualidade. Inicialmente a região ficou marcada pelos pinot noir especiais, muito elegantes, de ótimo final de boca (temos alguns exemplos abaixo). Mas há um enorme potencial também para um malbec mais fino, sem tanta extração, mais sutil nos aromas e paladar e com uma fruta que enche a boca

humbertocanale-riesling8. Humberto Canale Old Vineyard Riesling 2013

Humberto Canale

Site oficial: http://www.bodegahcanale.com/

Uva: riesling

Importador: Grand Cru

R$ 78,00

A voz do vinho: uma uva incomum na Argentina, a riesling, assume na região dominada pelos ventos da Patagônia um caráter untuoso e ao mesmo tempo fresco. Um riesling que não pretende imitar os alemães ou da Alsácia, e por isso mesmo agrada por sua personalidade

Por que escolhi: pela inusitada variedade branca na Argentina

 

Saurus-Familia-Schroeder9. Saurus Barrel Fermented 2012 Pinot Noir/Malbec

Familia Schroeder

Site oficial: http://www.familiaschroeder.com/

Uvas: malbec 50% e pinot noir 50%

Importador: Decanter

R$ 206,00 (safra 2005)

A voz do vinho: interessante mescla com as duas melhores uvas da Patagônia, a malbec e a pinot noir, em porcentagens semelhantes. Difícil identificar nos aromas a uva predominante. Vem um perfume que lembra a malbec, depois outra cafungada e surge um toque terroso e de cereja  da pinot noir. Bem legal. Tem a estrutura da malbec, a cor e a fineza da pinot noir.

Por que escolhi: pela ousadia do blend

 

desierto_pampa10. Desierto Pampa 2009

Bodegas del Desierto

Site oficial: http://www.bodegadeldesierto.com.ar/

Uva: malbec

Importador: sem importador no Brasil

Preço médio: 30 dólares

 A voz do vinho:  outra vinícola com assessoria do consultor Paul Hobbs. São 18 meses de barricas francesas, o que aporta um toque de café e tabaco. Boa fruta fresca, macio, tem um bom frescor e uma fineza do malbec da região. Termina bem na boca. Algum importador se habilita?

Por que escolhi: pelo frescor e novidade

 

IMG_Fin-del-mundo220011. Fin Single Vineyard Cabernet Franc 2009

Bodega del Fin del Mundo

Site oficial: http://www.bodegadelfindelmundo.com/

Uva: cabernet franc

Importador: Mr Mann

R$ 175,00 (safra 2008)

A voz do vinho: a cabernet franc da argentina é uma variedade que merece atenção, vou insistir neste tema e trazer outras alternativas de cabernet franc de Mendoza na próxima lista. Os 18 meses de barrica dão toques de baunilha e coco, uma fruta mais madura no nariz e na boca, bem típica, um perfil de cabernet franc mais internacional, com toques de ervas. Equilibrado e delicioso. Medalha de ouro no AWA 2014.

Por que escolhi: belo exemplo de cabernet franc da Argentina

 

Malma NQN-pinot noir12. Malma – Pinot Noir 2012

Bodega NQN

Site oficial http://www.bodeganqn.com.ar/home.php

Uva: pinot noir

Importador: Vinhos do Mundo

R$ 59,00

A voz do vinho: no terroir da Patagônia a pinot noir se beneficia do clima da região desértica e da altitude menos elevada. A região ficou marcada pelo marketing da pinot noir, mas nem sempre o resultado é assim uma bandeira a ser balançada.  Aqui a pinot noir se revela delicada, fina, com aquela cereja típica da variedade e mostra especiarias no final de boca.

Por que escolhi: é um pinot noir mais acessível da Patagônia e com estilo.

 

vinho-chacra-55-pinot-noir-2011-8261-MLB20002706627_112013-F13. Chacra Cinquenta y Cinco 2012

Bodega Chacra

Site oficial http://www.bodegachacra.com/

Uva: pinot noir

Importador: Ravin

R$ 398,00 (a safra 2010)

A voz do vinho: Vinho fino é outra coisa! Trata-se de um investimento do italiano Piero Incisa dela Roccheta, nada menos que o homem por trás do supertoscano Sassicaia. Tem preço de supertoscanos também. O nome vem do vinhedo antigo, plantado em 1955. Os vinhedos são orgânicos e certificados. O resultado é espetacular e de enorme tipicidade. Apresenta um nariz extraordinário e envolvente, profusão de cerejas na boca, terra molhada, delicadas especiarias. Para ocasiões especiais. Levou medalha de ouro no AWA 2014.

Por que escolhi: para compreender o potencial do pinot noir da Patagônia

 

Noemia

14 Noemía 2011

Bodega Noemía

Site oficial: http://www.bodeganoemia.com/

Uva: malbec

Importador: Vinci

R$ 388,00 (safra 2008)

A voz do vinho: Estes italianos não são bobos. Outro empreendimento europeu na Patagônia, este da Condesa Noemi Marone Cinzano, em parceria com o enólogo Hans Vinding-Diers, o mesmo do Chacra acima, a propósito. Os caldos engarrafados na bodegas Noemía são a prova de que a malbec varia muito de região para região, e aqui a uva se pauta pela finesse, delicadeza, um perfume sedutor, uma intensidade marcante, passeia pelo copo e pelo paladar por um bom tempo. Alia potência e elegância, sempre fino, na busca da excelência do terroir orgânico e biodinâmico.

Por que escolhi: não é barato, mas é um dos melhores malbecs da Argentina, consistente em todas as safras que provei.

 

quimay15. Quimay Manos Negras 2011

Quimay

Site oficial: http://manosnegras.com.ar/

Uva: malbec 100%

Importador: (sem importador)

R$ (em torno de 30 dólares na Argentina)

A voz do vinho: o nome da vinícola– localizada na região de Neuquen -, é uma homenagem aos trabalhadores que botam a mão na terra para dela extrair as uvas que fermentadas se transformam em  uva. Potente, tem aquele licor de cacau exibido no paladar e uma sensação agradável na boca, textura sedosa. Mais um exemplo das possibilidades da malbec da Patagônia. Um belo site apresenta a bodega e a visão dos quatro sócios sobre a missão de seu trabalho.

Por que escolhi: me encantei com o vinho, adorei o site

Preços coletados em abril de 2014

Declaração: Este colunista esteve na Argentina a convite da Wines of Argentina, onde provou 228 vinhos, visitou várias vinícolas e teve contato com dezenas de produtores. Desta boca-livre resultou o texto produzidos neste post sobre os vinhos argentinos.

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Novo Mundo | 12:48

Você conhece vinho argentino? Um passeio pelas regiões vinícolas da Argentina

Compartilhe: Twitter
Finca Cruz del Alto

Vinhedos da Finca Cruz del Alto, da Bodega Trivento: malbec legendada e cordilheira ao fundo

 Você toma vinho argentino, não? Deve tomar. 20,21% do vinho importado que entra no Brasil vem do nosso vizinho mais ao sul da América de mesma latitude. No copo, pelo menos, nos entendemos. Mas será que você conhece mesmo o vinho argentino? Você já ouviu falar das regiões de Cafayate, Salta, Patagônia, Vale de Uco, Luján de Cuyo, San Juan ou apenas ouviu falar de Mendoza. Ou nem isso?

A maioria das garrafas que chegam ao Brasil são provenientes da região de Mendoza e San Juan, responsáveis por 90% da produção do país (201,441 hectares de vinhedos, para ser mais preciso). Mas há duas outras regiões que produzem tintos e brancos que merecem ser conhecidas: a distante Patagônia, mais ao sul, e a quase boliviana Salta/Cafayate (pronúncia-se Cafajate), localizada mais ao norte. E você pode se perguntar. E qual a importância deste momento Wikipedia para eu continuar desfrutando meu vinhozinho argentino?

Leia também Qual o melhor vinho argentino? Concurso escolhe os melhores rótulos em diferentes faixas de preço

Bom, conhecimento não ocupa espaço, como dizia minha mãe, e o pai dela. E conhecimento alarga nossa visão das coisas e nos amplia a possibilidade de conhecer novos vinhos da Argentina e talvez entender os já conhecidos. Há uma geração de apreciadores de vinho que se iniciou com tintos argentinos e chilenos, e muitos consumidores que apenas bebem vinhos importados destes países. As razões são conhecidas. O  principal argumento é o preço, obtido graças ao acordo tarifário do Mercosul que dá uma livrada na cara da montanha de impostos que incidem sobre a bebida importada. O outro argumento é que o vinho argentino caiu no gosto do brasileiro.

Sebastian Zuccardi e quinze tipos diferentes de malbecs: "É preciso comunicar o lugar"

Sebastián Zuccardi entre quinze tipos diferentes de malbec: “É preciso comunicar o lugar”

Eu achei que conhecia bastante vinho argentino, afinal sou de uma geração que se iniciou com os mesmos tintos argentinos e chilenos que o resto dos brasileiros apreciam. Mas a visita que fiz recentemente à Argentina mostrou na prática o que parece óbvio. As diversas regiões têm características diferentes que agregam sabores específicos para os vinhos produzidos. Afinal, são quilômetros que separam os terrenos, as diferentes altitudes, os climas e as diversas composições do solo. E mesmo dentro das regiões há estilos diferentes. O jovem enólogo Sebastián Zuccardi é um defensor do terroir argentino e de como ele influencia o sabor de um vinho. Para ele, mais importante que a varietal (tipo de uva) é a zona em que ele é cultivado. “A Argentina precisa comunicar o lugar”, defende. Mas nós costumamos uniformizar: é um malbec argentino. Esta é uma lição da viagem na taça. São diferentes.

Leia também: A Argentina não é só malbec. Mas é malbec também

Isso não significa que todo vinho argentino é bom, que alguns vícios do passado estejam totalmente ultrapassados (como vinhos carregados de madeira, desiquilibrados ou mesmo maquiados para atender expectativas do mercado internacional) ou que não existam verdadeiras zurrapas de preço baixo que são empurradas para o mercado brasileiro. Por isso mesmo um pouco mais de conhecimento ajuda na escolha da garrafa. A visita mostrou um cenário de constante evolução e profissionalismo da indústria, a riqueza das diversas regiões e uma boa estrutura ao enoturismo. Contra as ideias preconcebidas – devido ao sucesso de vendas o tinto argentino merece com frequência um ar de desdém por parte dos especialistas e crítica –  nada melhor que o conhecimento.

Argentina, um raio-X

A Argentina tem um consumo per capita de 25 litros por ano, já foi de 90 litros, imagine só. Para efeito de comparação, no Brasil são 2,0 litros per capita. O país consome cerca de 70% de sua produção e exporta entre 25 a 30%. É o oitavo maior produtor do mundo e também o oitavo país em superfície cultivada (mais de 217.750 hectares). Algumas características comuns influenciam e diferenciam a qualidade dos vinhos:

– altitude elevada dos vinhedos

– baixa fertilidade do solo

– baixo índice pluviométrico

– clima continental (sem influência do mar, do contrário do Chile, por exemplo)

– pureza da água (abastecida pela Cordilheira dos Andes)

– e até uma cultuta interna do vinho, que mantém um mercado interno aquecido.

Leia também: O vinho do papa Francisco é ou deveria ser Bonarda

As variedades tintas representam 52,31% da produção e as brancas 20,89%. São 1301 bodegas fermentando uva e engarrafando vinhos.

Principais uvas por volume de cultivo:

Tintas

Malbec 31,71%

Bonarda 17,42%

CabernetSauvignon 15,15%

Syrah 12,12%

Merlot 5,82%

Tempranillo 5,85%

Sangiovese 1,83%

Pinot Noir 1,76%

Outras 6,53%

 

Brancas

Pedro Gimenez  28,04%

Torrontés Riojano 18, 36%

Chardonnay 15,16%

Chenin 5, 68%

Torrontés Sanjuanino 4,78%

Sauvigon Blanc 5,39%

Semillon 1,97%

Vioginer 0,9%

Outras 18,70%

Vinhedos da Lagarde em XX, Mendoza

Terraço dn casa da Bodega Lagarde, em Luján de Cuyo: vista para as cordilheiras e para os vinhedos

Regiões – Mendoza

Mendoza é uma região que vive da fama de seus vinhedos. Diga lá que cidade do mundo tem vinhedos plantados no estacionamento do aeroporto? O município é tomado por ruas largas e arborizadas e grandes praças. 80% da produção de vinhos da Argentina está concentrada em seus vales, limítrofes à Cordilheira dos Andes. Toda a região que produz vinho é donominada de Cuyo, – engloba Mendoza, San Juan e La Rioja. Cuyo significa, no idioma Huarpe Mikayac. país dos desertos (eu tenho uma tese, estas línguas indígenas tanto na Argentina como no Chile só servem para nomear regiões e rótulos de vinho, dando uma pegada de origem e mistério na coisa toda). E a terra é árida mesmo, o que é bom para o vinhedo, irrigado pela água que desce das geleiras, que é fortemente controlada pelo governo. A propósito, o ideal para a planta, segundo nos explicou Carlos Tizio, gerente geral do Clos de Los Siete, não é o estresse pela escassez de água, mas pelo déficit. Traduzindo, não dê 100% da água que a planta precisa, mas uns 50 a 60%, assim ela busca os demais nutrientes no solo, equilibra seu crescimento e mantém a qualidade das uvas produzidas. Os vinhedos estão em altitudes médias de 1.000 metros acima do nível do mar.

Quase todas as variedades de uva são plantadas aqui. Mendoza ainda se divide em cinco zonas: Norte, Leste, Centro, Sul e Vale de Uco. Luján de Cuyo, localizada no Centro,  é conhecida como a “La Tierra del Malbec” e junto com Maipú é a região vitivinícola mais tradicional de Mendoza. São tintos mais estruturados, com frutas bem maduras, floral, com bom volume em boca e taninos macios. Mas também há produção de bons bonardas e de cabernets sauvignon muito interessantes. O corte bordalês costuma ser usado nos rótulos top de gama. Curioso. Mesmo as vinícolas com grande expressão em malbec quando vão elaborar o seu vinho ícone costumam preferir vinhos de corte. Perguntei a razão para um enólogo que preferiu responder sem ser identificado: “O vinho de corte é um trabalho do enólogo, que pode escolher as melhores variedades produzidas naquele ano em seu vinhedo”. Até aí nenhuma novidade. Mas por que não a malbec 100%, insisti? “Talvez por que  por que a malbec não seja ‘a melhor uva’ argentina, mas sim a que melhor representa o país”. Claro que há rótulos de altíssima gama apenas da varietal malbec, e com exclentes resultados, mas é mais comum encontrar os ícones com a malbec acompanhada de cabernet sauvignon, merlot, cabernet franc…

As vinícolas mais conhecidas, aquelas que você esbarra no supermercado e na carta dos restaurantes, estão espalhadas pela região. Nomes como Achaval Ferrer, Terrazas, Finca Flichman, Luigi Bosca, Pascual Toso, Lagarde, Salentein, Catena Zapata, Alta Vista, Alto Las Hormigas, Septima, Argento, Escoruhiela Gastón, Clos de los 7, Doña Paula, Dominio del Plata, La Celia, Kaiken, Chamiza, Rutinni, Nieto Senetiner, Navarro Correas, Norton, O Fornier, Pulenta, Ruca Malen, Trapiche, Trivento, Zuccardi. Além desses as menos conhecidas, mas de excelente qualidade,  como DiamAndes, Ricitteli, Casarena, Finca El Origen, Funckenhausen, Bodega Vistalba, Otaviano, Renacer, Serrera Wines, Durigutti e Hacienda del Plata, algumas sem importador no Brasil.

Cuyo é a maior região vitivinícola da América do Sul. Apenas para ilustrar o gigantismo da operação: a Santa Ana, pertencente ao grupo PeñaFlor, conta com mais de 50 enólogos em sua equipe, 1500 rótulos diferentes e produz mais de 150 milhões de litros de vinho por ano – 6 milhões de caixas apenas do rótulo Santa Ana. Um assombro. Aqui etambém stão concentrados grandes investimentos internacionais – é onde Michel Rolland tem seus vinhedos junto com outros seis proprietários franceses, no projeto Clos de los 7.

Quebrada das Conchas

Marte? Velho Oeste ? Não, Quebrada de las Conchas, na Ruta 68, que liga Salta a Cafayate: a força da natureza

Regiões – Salta/Cafayate

Para chegar até a região de Cafayate, onde está concentrada 70% da producão local de vinhos (pouco mais de 2.500 hectares), o viajante pega a sinuosa Ruta 68, passando pela deslumbrante Reserva Natural de Quebrada de las Conchas. É nada mais do que lindo! A natureza esculpiu lentamente, em milhões de anos, formas que lembram bichos, catedrais, castelos e barcos entre as montanhas de rochas que dominam o cenário. As diferentes formações geológicas tingem de verde, marrom, vermelho, branco e suas nuances multicoloridas as montanhas de pedras. É uma prova inquestionável de que o tempo da terra é diferente do tempo dos homens.

150 anos

Planta de 152 anos e ainda produzindo: raridade

Este cenário antecede a visita aos vinhedos de altitude da região de Cafayate. As parreiras estão localizadas entre 1.500 e 3.000 metros sobre o nível do mar (a região vitivinícola mais alta do mundo). A chuva é rara, 200 milímetros por ano. A colheita na região é realizada uma semana antes do que em Mendoza. Os vinhos têm uma ótima acidez e são mais amigáveis. A branca torrontés produz vinhos mais sutis e menos exibidos na região. Os tintos são mais intensos pois o sol, mais próximo pela altitude, faz com que as frutas engrossem as cascas para proteger as sementes, e como se sabe é nas cascas que se concentram aromas, cor e outros elementos dos tintos. Além do malbec vale conhecer seus cabernet sauvignon e cabernet franc. Uma curiosidade para enófilos de carterinha: na Finca de La Merced, na Bodega Etchart, parreiras de 150 anos ainda produzem uvas da variedade criolla e torrontés. Principais bodegas: Colomé, El Esteco, Amalaya, El Porvenir, Etchart, Michel Torino, Tukma, San Pedro de Yacochuya.

 

 

Regiões – Patagônia

É inacreditável imaginar que no meio daquele deserto cresçam plantas que resultem vinhos tão elegantes. Se Salta possui os vinhedos mais altos do mundo, a Patagônia exibe os vinhedos mais ao sul do planeta, no paralelo 39. Ao contrário das regiões de Salta e Mendoza, seus vinhedos estão entre 300 e 500 metros do nível do mar, proporcionando uma maturação mais prolongada das uvas. Em termos quantitativos, é quase um dedal de vinho comparado às outras regiões. A Patagônia é responsável apenas por 1,69% da area vitivinícola da Argentina.

 

Bodega del Desierto: não é apenas uma força de expressão

Bodega del Desierto: deserto não é apenas uma força de expressão

Por conta de suas condicões climáticas, dos ventos frequentes, baixa umidade e ampla diferença térmica entre dia e noite (algo como 20 graus) na época da maturação das uvas, o nível de acidez que se obtém é alto, com permite um bom potencial de guarda. O baixo rendimento dos cachos de uva impõe a produção de vinhos de qualidade. Inicialmente a região ficou marcada pelos pinot noir especiais, muito elegantes, de ótimo final de boca (o exemplo mais conhecido é o Chacra) e por um sauvignon blanc delicado. Mas há um enorme potencial também para um malbec mais fino, sem tanta extração, mais sutil nos aromas e paladar e com uma fruta que enche a boca.  As principais vinícolas são Bodega del Desierto, Familia Schroeder, Humberto Canale, Bodega del Fin del Mundo, NQN, Noemia, Bodegas Chacra

Declaração: Este colunista esteve na Argentina a convite da Wines of Argentina, onde provou 228 vinhos, visitou várias vinícolas e teve contato com dezenas de produtores. Desta boca-livre resultou o texto produzidos neste post sobre os vinhos argentinos.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014 Degustação, Novo Mundo, ViG | 12:50

Qual o melhor vinho argentino? Concurso escolhe os melhores rótulos em diferentes faixas de preços

Compartilhe: Twitter

 

18 jurados provaram 650 vinhos e usaram este ficha para escolher os melhores rótulos da Argentina

18 jurados provaram 650 vinhos e usaram este ficha para escolher os melhores rótulos da Argentina

Qual o melhor vinho argentino? Para tentar responder esta questão a Wines of Argentina, entidade que promove o vinho no país, realiza há 8 anos o concurso Argentina Wine Awards (AWA), que distribui medalhas de ouro, prata e bronze e trofeus dos melhores rótulos em várias categorias. É a premiação mais importante dos vinhos da Argentina, comemorada como um Oscar pelos produtores e uma baita ferramenta de marketing e qualificação do vinho – e claro uma oportunidade para vender mais garrafas e destacar os rótulos em outros concursos internacionais, publicações especializadas e incrementar a discussão nas redes sociais. Parafraseando a  vitoriosa campanha de Bill Clinton à presidência dos Estados Unidos: “É a divulgação, estúpido”!

Todos os anos são convidados jurados internacionais de alguma categoria ligada ao mundo do vinho. Isso dá musculatura, credibilidade e repercussão ao evento. Já fizeram parte desta comissão de notáveis, sommeliers, produtores e especialistas. Em 2014 foram os jornalistas especializados de 9 países que beberam e cuspiram mais de 650 amostras para definir as melhores do ano. O slogan explicitava o espírito da coisa, eram os “Heavyweight journalists in the ring”, algo como os jornalistas peso-pesados no ringue. Entre o time dos jurados destaques para o inglês Steven Spurrier (que a propósito não deve mais aguentar concursos, mas leva uma boa grana para abrilhantá-los com sua experiência), o chileno Patricio Tapia, o americano Bruce Schoenfeld, o especialista de Cingapura Tommy Lam, o sommelier sueco Andreas Larson e o chinês Demei Li. O Brasil, importante mercado para os vinhos argentinos, estava representado pelos jornalistas Jorge Lucki, do Valor Econômico, e Suzana Barelli, da revista Menu. Jornalistas e colunistas de vinho de vários países também são convidados para acompanhar a premiação e o seminário que antecede a entrega das medalhas (entre eles este colunista que vos escreve, ver declaração abaixo). Não são bobos estes argentinos…

Leia também: A Argentina não é só malbec. Mas é malbec também

Como funciona o concurso

São doze jurados internacionais e 6 nativos, divididos em seis grupos de três componentes, sempre composto de dois convidados internacionais e um representante argentino. Importante ressaltar que este elemento fã do Maradona e do Messi nunca degusta rótulos que tenha alguma ligação comercial ou tenha sido feito em sua bodega, pois seria fácil reconhecer seu vinho e dar uma forcinha na premiação. São 20 categorias por variedade de uva, e cinco diferentes faixas de preço (em dólar), e finalmente região. É uma divisão importante, pois compara laranja com laranja (no caso uva com uva), pois o maior problema de alguns concursos é colocar no mesmo cesto vinhos de 15 dólares e de mais de 50 dólares e julgar tudo junto. Mas atenção, este não é o preço no Brasil!

Para definir os prêmios mais importantes, chamados de Trophy, os doze jurados se reúnem para experimentar mais uma vez os vinhos condecorados previamente com o ouro e assim definem o campeão dos campeões em cada categoria.

Leia também: O vinho do papa Francisco é ou deveria ser Bonarda

A lista de premiados não é pequena (não são bobos estes argentinos…) Das mais de 650 amostras apenas 50 rótulos não mereceram medalhas. A distribuição de prêmios foi a seguinte: 58 ouros, 256 prata, 276 bronze e finalmente os 12 trophies e os destaques de quatro regiões produtoras (Norte, Mendoza, San Juan e Patagônia). A Argentina trabalha fortemente na divulgação das diferentes regiões vinícolas, algo importante, pois assim como não existe vinho francês, mas de alguma região da França, não existe um vinho argentino, mas uma diversidade de regiões – um tema para desenvolver em um próximo post.

The winer is…

Entre os escolhidos há representantes de várias tendências, dos vinhos orgânicos às marcas tradicionais; dos tintos de muita extração e musculatura às experiências de jovens enólogos que privilegiam a fruta e a inovação. Abaixo, estão os vinhos que levaram um Trophy para chamar de seu e grudar o selo na garrafa. Este colunista teve o privilégio de provar vários destes rótulos no dia seguinte à divulgação dos vencedores e mesmo sem a menor competência para julgar o que já foi julgado por gente muito mais qualificada, escolho as minhas preferências com o ViG (Vinho indicado pelo Gerosa).

Trophies – os melhores vinhos da Argentina segundo a AWA 2014

Espumantes – método tradicional

faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Zuccardi Blanc de Blancs 2007- Familia Zuccardi

Importado pela Ravin

Torrontés

faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Colomé Torrontés 2013- Bodega Colomé

Importado pela Decanter

 Cabernet franc

selo-vinnho-betofaixa de preço  entre 20.00 e 29.99 dólares

Numina Cabernet Franc 2011- Bodegas Salentein SA

Importado pela Zahil

acima de 50.00 dólares

Andeluna Pasionado Cabernet Franc 2010- Andeluna Cellars Srl

Importado pela World Wine

Cabernet sauvignon

faixa de preço entre 30.00 e 49.99 dólares

Bramare Lujan de Cuyo Cabernet Sauvignon 2011-Viña Cobos SA

Importado pela Grand Cru

Malbec

selo-vinnho-beto faixa de preço entre 13.00 e 19.99 dólares

Es Vino Reserve Malbec 2012- Es Vino Wines

Ainda sem importadora no Brasil

faixa de preço entre 20.00  e 29.99 dólares

Alta Vista Terroir Selection Malbec 2011- La Casa del Rey SA- Alta Vista

Importado pela Épice

selo-vinnho-betofaixa de preço entre 30.00  e 49.99 dólares

Vineyard Selection Malbec 2012- Riccitelli Wines

futura importação pela Wine Brands

 

selo-vinnho-betofaixa de preço acima de 50.00 dólares

Republica del Malbec – Blend de Terroirs 2012- Riccitelli Wines

futura importação pela Wine Brands

 

Blends de tintos

faixa de preço entre 13.00  e 19.99 dólares

Paz Blend 2012- Finca Las Moras

Importado pela Decanter

 

faixa de preço entre 30.00 e 49.99 dólares

Field Blend 2011- Zorzal Wines

Importado pela Grand Cru

selo-vinnho-beto acima de 50.00 dólares

Decero Amano, Remolinos Vineyard 2011- Finca Decero

 

 

Medalhas por região

Mendoza

Lindaflor Malbec 2009, Monteviejo

Norte

selo-vinnho-betoSerie Fincas Notables Malbec 2011, Bodega El Esteco

Importado pela Bruck

 

 

San Juan

Paz Blend 2012, Finca Las Moras

Importado pela Decanter

Patagônia

selo-vinnho-beto Fin Single Vineyard Cabernet Franc 2010, Bodega del Fin Del Mundo

Importado pela Mr Man

 

 

O que dizem os jurados sobre vinho argentino e seu mercado

A AWA convida jurados de vários países também por outros motivos: está ávida por informação dos mercados internacionais e por uma avaliação de seus vinhos de gente que bebe tintos, brancos e espumantes de todas as regiões do mundo. Na Argentina, como em todo país produtor, praticamente só se bebe vinho local (e por um preço de dar inveja a nós brasileiros). Um painel com este time trouxe informações valiosas.

• o chinês Demi Li, enólogo e professor, alertou para a complexidade do mercado de seu país de proporções continentais, com números que sempre iniciam na casa do bilhão de qualquer coisa. Com gente saindo pelo ladrão, e um potencial imenso, recomendou a simplificação da imagem para o consumidor chinês. Por exemplo, recomendou evitar muitos descritivos do vinho. Disse que o conceito de harmonização é algo que passa longe da realidade do consumidor chinês (e de praticamente todo habitante deste planeta, com execeção, talvez,  de você que me lê e dos homens que cospem vinho). Para exemplificar sua tese mostrou um slide com a imagem de uma refeição típica de uma das regiões do país com inúmeros pratos  diferentes e desafiou” “Vocês conseguem propor alguma hormonização com isso”? Outro dado curioso, que desmente a imagem do consumidor que mistura vinho com coca-cola: o chinês não gosta de vinho doce, e aprecia o branco.

• O americano Bruce Schoenfeld, editor de Travel+Leisure,  e colaborador de  publicações, como Wine Spectator, serviu à plateia um chardonnay de Washignton, EUA, e comentou: “Este vinho é ótimo, mas não copiem, nós já temos isso nos Estados Unidos. O melhor vinho não vem do marketing, mas de sua identidade”.

• O brasileiro Jorge Lucki deu um banho de realidade sobre a  atual situação do mercado brasileiro de consumo de vinho apresentando duas visões, o copo meio cheio, que é o potencial de consumo a ser explorado – o consumo per capita de vinho no Brasil ainda é baixo, de 2 litros per capita por ano, contra 25 da Argentina, por exemplo-, o conhecimento de uma pequena elite sobre os vinhos do topo da pirâmide (cada vez mais adiquiridos em viagens ao exterior); e o copo meio vazio, mostrando uma tabela com a carga tributária imensa que eleva o preço do vinho naquele patamar que todos conhecemos bem, ou seja sete vezes mais caro que o valor que ele sai do país de origem, a queda de consumo em restaurantes, e a enorme concorrência com rótulos de todo o mundo. E fez um alerta aos produtores presentes: “Não fechem negócio com importadoras novas e sem experiência”. É, o Brasil não é para amadores!

leia também: Chile e Argentina dominam o mercado de importação de vinhos no Brasil

• O sommelier Andreas Larsson, que além de ostentar o título de melhor sommelier da Europa também colabora para publicações especializadas, pôs o dedo na ferida e condenou a estratégia de apostar somente na varietal malbec como a identidade argentina. “Sem querer tirar o mérito da malbec, provei blends muito mais ricos e importantes”.

• Steven Spurrier nadou contra a corrente dos críticos que reclamam muito dos vinhos alcoólicos. Para ele assim como na Califórnia, o álcool elevado é uma característica do vinho argentino: “Não me preocupo com o álcool. O equilíbrio do vinho é que é o fundamental”

• Na explanação mais midiiatica e animadinha do dia, o representante de Cingapura Tommy Lam, que combina um coque beatnik no cabelo com um terno e gravata formal, levantou a bola da branca nativa torrontés como o vinho ideal para a comida asiática e com um identidade que deveria ser melhor trabalhada  pelos produtores assim como faz a riesling alemã.

Cabernet Franc

Uma unanimidade entre os paladares dos jurados ali reunidos: a uva cabernet franc surpreendeu por sua qualidade. Patricio Tapia, editor do importante guia Descorchados de vinhos do Chile e Argentina foi mais explícito: “Prestem atenção. Algo se passa com a cabernet franc da Argentina!” Esta variedade recebeu a medalha virtual “aposta do futuro”, se existisse esta categoria, Opinião que este vos escreve assina  embaixo (escreverei um post sobre o assunto em breve, comentando os cabernet franc degustados. Não morram de catapora de ansiedade!).

Declaração: Este colunista esteve na Argentina a convite da Wines of Argentina, onde provou 228 vinhos, visitou várias vinícolas e teve contato com dezenas de produtores. Desta boca-livre resultou o texto produzidos neste post sobre os vinhos argentinos.

 

Autor: Tags: , , , ,