Publicidade

Posts com a Tag sauvignon blanc

sexta-feira, 4 de agosto de 2017 Brancos, Novo Mundo, Tintos | 02:44

Os vinhos da Nova Zelândia: Sauvignon Blanc, Pinot Noir, Syrah, Merlot…

Compartilhe: Twitter
Mar, céu e terra: vinhedos de Hawsk's Bay. Efeito uau para os olhos e nos vinhos!

Mar, céu e terra: vinhedos de Hawke’s Bay. Efeito uau!  (Foto: Hawkes Bay Mission State Winery)

Há dois produtos da Nova Zelândia que são emblemáticos. O kiwi e o vinho. Sem desprezar o kiwi, eu prefiro o vinho. É sobre ele o tema desta coluna. A Nova Zelândia fica um bocado longe. É um país sem fronteiras, duas ilhas cercadas pelas águas do Oceano Pacífico. São 16 horas de avião para percorrer 12.221 quilômetros. Muito provavelmente não é sua primeira opção de férias – a não ser que seja apaixonado por esportes radicais (ou kiwi…). Mas os vinhos da Nova Zelândia percorrem todo este trajeto até você. Apesar da tímida presença nas prateleiras brasileiras – o volume de importação no Brasil é pequeno –, não são tão difíceis de encontrar. O barato do vinho, um chavão sempre pertinente, é esta diversidade: o legal é experimentar vinhos de diferentes países. 

kiwi

País do kiwi e dos vinhos. Eu prefiro os vinhos, e você?

O que que é que a Nova Zelândia tem

Se você nunca provou um rótulo da Nova Zelândia, está perdendo a oportunidade de conhecer brancos e tintos comprometidos com a qualidade e o frescor. Se já bebeu um rótulo neozelandês, provavelmente foi um Sauvignon Blanc, a clássica uva branca de Bordeaux que encontrou na Nova Zelândia um solo para chamar de seu. Não é à toa que tenha topado com uma taça de Sauvignon Blanc: 86,4% das garrafas exportadas pelo país são desta variedade de caráter fresco e acidez competente.

Sem preconceitos, tá? Se você é daquele tipo  que torce um pouco o nariz para a Sauvignon Blanc, está aqui a oportunidade de mudar esta visão.  Tem gente que acha que Sauvignon Blanc é sinônimo de um vinho meio aguado. De fato, alguns rótulos pecam pela timidez olfativa ou pela baixa intensidade em boca e criam esta aversão. O inverso é verdadeiro, o excesso de exuberância dos maracujás e cítricos forçam a barra e cansam as narinas.

Mas aqui o bicho é outro. A uva criou um estilo próprio no país dos kiwis, virou referência. E são muito bons. Desde os rótulos de base até aqueles que levam parte substancial do seu salário. A Sauvignon Blanc da Nova Zelândia tem um perfil no geral identificável: aromas de frutas tropicais, cítricos, pimentão, toque herbáceo, verde (até aí tudo bem), melão, abacaxi (não muito comum) e trazem um conjunto harmônico de boa acidez, boca limpa e final fresco e intenso. Resultado do clima e do lugar. A Nova Zelândia tem um clima influenciado pelo oceano, com brisas marítimas e noites frescas, repleto de planícies próximas do Pacífico e cercadas de cadeias de montanhas. E daí? Daí que este padrão de clima mais fresco e influência do oceano permite um longo processo de amadurecimento das uvas gerando acidez alta e boa fruta. O solo em geral é de areia, pedregulhos e sedimentos. Estes detalhes fazem a diferença. A foto que abre este blog é o padrão dos vinhedos de lá… Já começou a repensar a possibilidade de umas férias na Nova Zelândia? Vamos em frente!

Duas ilhas e regiões

O país é constituído de duas ilhas: do Norte e do Sul. É emoldurado por paisagens lindas, natureza exuberante (filmaram Senhor dos Anéis ali), renda per capita alta, população contida (4,7 milhões de habitantes espalhado em todo território), cidades organizadas, economia arrumada. E, naquilo que nos interessa, bons vinhos. As exportações crescem nos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Holanda e China. Os vinhedos ocupam 10 regiões, compostas de 2040 vinícolas. Nenhuma delas muito extensa. Para completar o cenário, 98% dos vinhedos têm certificado de produção sustentável. Dá até raiva, né não? Vai ser correto assim lá… na Oceania!

A maior e mais famosa região vinícola é de Marlborough, que tem apenas 24.356 hectares e representa mais de 70% da área plantada com vinhedos – para efeito de comparação: só em Mendoza, na Argentina, são 160.000 hectares de vinhedos. Fica a dica. Se tiver de memorizar uma região da Nova Zelândia, é a de Marlborough. Como o Blog do Vinho não tem vocação para Wikipédia, não vale a pena listar todas. As mais representativas, aquelas que você vai achar uma garrafa para comprar ou provar, são: a já comentada Marlborough, Central Otago, Nelson (Ilha Sul), Wairarapa/Martinborough; Hawke’s Bay (Ilha Norte).

Sobre uvas e ovelhas

naturesustainabilitypeterburge

Ovelhas, vinhedos e sustentabilidade: tem uma lógica! (Foto: Peter Burge)

A fama da Sauvignon Blanc é relativamente recente. Se engana quem pensa  que a uva branca está plantada nas principais regiões desde o início dos tempos. Ledo “uva” engano. Durante muitos anos predominou em solo neozelandês as uvas de garrafão de lá, depois substituídas pela superprodução da nefasta Müller-Thurgau (aquela do vinho da garrafa azul que proporcionou muito porre nos anos 80 e 90), que viveu seu apogeu e decadência na década de 1980 também na Nova Zelândia. Passou.

A Sauvignon Blanc começou a ser cultivada na década de 1970, mais precisamente 1973, e os vinicultores adotaram a vinificação em tanques de aço inox. A razão é mais prática do que teórica: sobravam tanques de aço inox nas ilhas por conta da produção de laticínios de ovelhas, bicho abundante naquela parte do planeta (há mais ovelhas do que gente por lá). O resultado foi surpreendente. Sucesso de crítica e público. A Sauvignon Blanc virou sinônimo de vinho de boa qualidade da Nova Zelândia e dominou o cenário. Dos 36.000 hectares de vinhedos plantados, 21.000 são da Sauvignon Blanc, que desbancou a Chardonnay que chegou a ter seus 5 minutos de fama e hoje é a segunda variedade branca mais cultivada.

Outras uvas

Mas a Nova Zelândia não é só Sauvignon Blanc. Os rótulos de Pinot Noir da Nova Zelândia também são conhecidos e reconhecidos. Os muito bons rivalizam com bons exemplares da Borgonha, e o preço é mais amigável. Os apenas bons já proporcionam um prazer imenso para os apreciadores desta uva tinta de casca fina e personalidade grossa. Mas há outros tintos que também brilham, em produções menores ainda, mas de qualidade bem bacana.

Recentemente fui apresentado a um Syrah e um corte bordalês de regiões da Ilha do Norte. Outra dica: quem quiser arriscar um Merlot, um Syrah procure aquelas garrafas que têm estampado no rótulo a região de Hawke’s Bay e Auckland & Northland, ambas da Ilha Norte.

Tampa de rosca

Outra característica que diferencia os vinhos da Nova Zelândia é a tampa de rosca. Mais de 90% das garrafas são tampadas assim. Sem muita polêmica: é legal, fácil de abrir, conserva melhor os vinhos, e é mais sustentável. Se perde na liturgia ganha na eficiência. Nada contra a cortiça. Mas evitar um vinho por conta da tampa de rosca é um erro tão estúpido quanto desprezar o charme da cortiça por que agride as cascas dos sobreiros – que são plantados com este propósito.

BRANCOS
Sauvignon Blanc e Gewürztraminer

Peter Yealands 2016

Peter-Yealnds

 

Uva :100% Sauvignon Blanc

Produtor: Yealands Estate

Região: Marlborough

Importador: vários importadores

Preço: R$ 79,90

Uma historinha. O primeiro Sauvignon Blanc que provei da Yealands Estate foi às cegas, como jurado da TOP Ten da Expovinis 2010. Era o  Sauvignon Blanc Yealands Estate 2008  – e eles faturaram o prêmio de melhor branco importado. De lá para cá  negociaram com importadores e grandes redes, como o Pão de Açúcar, e são fáceis de encontrar. E muitas vezes entram em oferta. São dois destaques que fazem a diferença: logística e preço. Por isso começamos com o Sauvignon  Blanc da Yealands. Fácil de encontrar e acessível. Vinícola de grande estatura e pegada sustentável (tem o certificado de Carbon Zero), é um bom começo para conhecer a tipicidade e potencialidade da uva na Nova Zelândia. Aqui tem aquela sensação agradável de frescor, boa acidez, e frutas como maracujá e o toque herbáceo.

Kim Crawford Sauvignon Blanc 2014

kim-crawford-sauvignon-blanc-2014-bottle-1447430157

Uva: 100% Sauvignon Blanc

Produtor: Kim Crawford

Região: Marlborough

Importador: Interfood

Preço: R$ 207,00

Vinícola criada em 1996 (tradição não é o forte da Nova Zelândia, né?). Ganhou prêmios e reconhecimento. Na nariz e na boca um cítrico, um pimentão verde (que os especialistas chamam de pirazina), grama (é a forma de indicar algo vegetal) e a esperada acidez correta que estimula ao próximo gole.

Framingham Sauvignon Blanc 2014

Framingham-Zahil

Uva:100% Sauvignon Blanc

Região: Marlborough

Importador: Zahil

Preço: R$ 238,00

Aqui a complexidade aumenta, o investimento traz como retorno um vinho mais intenso nos aromas e sabores. A acidez é mais marcante, a persistência final em boca também. O herbáceo (o vegetal) é agradável e típico. Um toque de mineralidade, por mais difícil que seja definir isso, chega junto.

Cloudy Bay

claudy-bay2

Uva: 100% Sauvignon Blanc

Produtor: Cloudy Bay

Região: Marlborough

Preço: R$ 303,00

Um exemplar neozelandes bem conhecido no Brasil, presença frequente em feiras, e em alguns restaurantes. A salada de frutas aqui fica mais complexa: abacaxi (uma fruta que aparece  na Sauvignon Blanc da Nova Zelândia), maçã verde, notas de limão, ervas frescas e toque floral. Acidez marcante, mineralidade, boa presença em boca e saboroso final.

Vinoptima Ormond Gewürzutraminer 2006

gerwus

Uva: Gerwüstraminer

Produtor: Vinoptima Ormond

Região: Gisborne (Ilha Norte)

Importador: Premium Wines

Preço: R$ 341,00

Um pirata no meio da onipresente Sauvignon Blanc! E trazida pela importadora, a Premium,  que começou seu portfólio em um ousada estratégia de privilegiar os vinhos da Nova Zelândia! Trata-se de um  Gerwüstraminer de enciclopédia. O enólogo deu uma de chef de cozinha e encheu garrafa de temperos e especiarias, destaque para  o gengibre. E ainda  salpicou baunilha e notas de lichia. É menos exibidão aromaticamente, não tem aquele floral excessivo  típico da variedade. O adocicado (tem 13 graus de álcool) é contrabalanceado pelo frescor que é a impressão digital, como já vimos, dos vinhos da Nova Zelândia. Uma untuosidade  envolve a boca antes de descer goela abaixo. Show de bola, mas tem seu preço. 

TINTOS

Pinot Noir, Syrah e Corte Borldalês

Peter Yealands Pinot Noir

peter yelands pinot noir

Uva: 100% Pinot Noir

Produtor: Peter Yealands Estate

Região: Marlborough

Importador: vários

Preço: R$ 79,90

Do mesmo produtor  da Sauvignon Blanc, um vinho de base para quem quer começar a navegar pelos Pinot Noir de Marlborough. Você desembolsa menos e começa a entender a pegada de frescor, leveza e fruta fresca também nos tintos,  influência que o clima aporta nos rótulos da Nova Zelândia. Aquela típica cor mais clara, uma delicadeza em boca que vai conquistando. Uma cereja de menor ou maior intensidade vai aparecendo. Bem-vindo à Pinot Noir!

Sileni Cellar Selection

sileni pinot noir

Uva: 100% Pinot Noi

Produtor: Sileni Estates

Região: Hawke’s Bay

Importador: Mistral

Preço: R$ 135,00

Um Pinot Noir correto, um patamar (ou dois) acima. Vinho é isso aí. Bom quando traduz as características da uva e aí vai acrescentando camadas de aromas e sabores. Aqui percebe-se a fruta madura, a maciez em boca e final elegante de um produtor de vinhos de excelência.

Villa Maria Private Bin Pinot Noir 2013

Villa Maria

Uva: 100% Pinot Noir

Produtor: Villa Maria

Região: Marlborough

Importador:  Winebrands

Preço: R$ 277,00
Vinícola de respeito de Marlborough, apesar do nome estranho para um vinho da Nova Zelândia. Um Pinot Noir de intensidade média, como uma boa fruta, aquela cereja aguardada que é porta-bandeira da variedade e toques de especiarias. Um bom exemplo da capacidade em domar esta uva difícil e entregar delicadeza e refinamento.

Wild Rock Gravel Pit Red 2008

Wild-Rock-Pit_red

Uvas: 71% Merlot, 25% Malbec, 4% Cabernet Franc

Produtor: Wild Rock Wine Company

Região: Hawke’s Bay

Importador: Decanter

Preço: R$ 176,00

Um vinho de corte é sempre uma escolha do enólogo, que combina as uvas como um artista mistura tintas. Aqui a Merlot predomina, acompanhada de Malbec (viu, não tem só na Argentina!) e um toque da Cabernet Franc.  O vinho mais antigo da lista (2008), mas sem sinais visíveis de evolução na cor (o bicho aguenta muito tempo), mas com alguma evolução na fruta, que lembra ameixa doce, fruta negra madura. Os 14 meses de madeira estão marcados no nariz e no final de boca. É Wild Rock: potência e elegância em três acordes.  

Crossroads Milestone Series Syrah Hawke’s Bay 2013

Crossroad-syrah

Uva: 100% Syrah

Produtor: Crossroasd Milestone

Região: Hawke’s Bay/Gimblett Gravels

Importador: Vinho & Ponto

Preço: R$ 224,00

Opa! Um inesperado Syrah da Nova Zelândia. Uma surpresa apresentada pelo especialista Arthur Azevedo numa degustação da ABS-São Paulo. Multo legal. Syrah com muita fruta negra, tostados, especiarias (como todo syrah deve ter), eu achei ali um cravo, algo assim. Para completar, aquela  característica de identifica os vinhos da Nova Zelândia, acidez que embala o conjunto da obra. 

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 10 de outubro de 2016 Brancos, Nacionais, Tintos | 19:17

O vinho brasileiro ganha espaço em restaurantes, em loja exclusiva e na sua casa

Compartilhe: Twitter
Vinhedos da Guaspari: nova fronteira do vinho, em Espírito Santo do Pinhal, no estado de São Paulo

Vinhedos da Guaspari: nova fronteira do vinho, em Espírito Santo do Pinhal, no estado de São Paulo

Algumas pessoas, as mal informadas, se espantam quando eu digo que tomo vinho nacional – e com alguma frequência. Esboçam aquele sorriso incrédulo seguido de um “ah, vá” e, diante da minha insistência, recorrem ao segundo argumento mais utilizado diante da possibilidade de desarrolhar um rótulo verde-amarelo: “Ok, até tem alguns bons, mas o preço…”.

Sabe nada, inocente!

Vamos lá. Sim, há vinhos nacionais bons e muito bons – e os ruins ou bem meia-boca, alguns têm um preço maluco, outros compatíveis com o mercado e há também os achados.

O mesmo fenômeno ocorre no universo dos vinhos importados – tanto em preço como na qualidade. A combinação de preço e volume faz parte da construção de marca que rege a indústria desta bebida – de toda indústria, a propósito. Vale sempre lembrar que o vinho nacional paga também uma alta carga de impostos: 54,73% do preço da garrafa vai para o governo na forma dos mais variados tributos, o que contribui na formação do preço. No importado a mordida é de 74,73%

Mas se ainda existe este comportamento preconceituoso entre alguns consumidores de vinho, sinais opostos e positivos mostram que o  vinho brasileiro, das mais diversas regiões e estilos, vem conquistando um espaço maior na taça. E se é verdade que o melhor do vinho  é a diversidade, o Brasil hoje faz parte desta equação.

E quais são estes sinais?

Muitos restaurantes, pelo menos em São Paulo, estão aumentando a oferta de rótulos nacionais em suas cartas, além dos obrigatórios espumantes.

Os vinhos antes restritos ao sul do país agora exploram novas fronteiras. Tanto no Nordeste, um projeto mais antigo, quanto nos improváveis estados de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo (benza deus, São Paulo, quem diria?) e Goiás, e consolidando a vocação da Campanha Gaúcha, nas franjas do Uruguai.

Pequenos produtores de vinhos orgânicos ou biodinâmicos brasileiros também estão encontrando seu público e espaço para comercializar seus rótulos.

As lojas também abrem mais espaço para o vinho nacional. No exemplo mais radical, uma loja e bar em um bairro boêmio em São Paulo vende exclusivamente rótulos brasileiros.

E como temos mesmo este complexo de vira-latas, nada como o endosso de uma publicação internacional de prestígio para consolidar esta tendência. A prestigiosa revista inglesa Decanter publicou em sua edição de outubro uma reportagem de 4 páginas com o título “Golden era for Brazil“, enfatizando que 2016 é um ano histórico para os produtores de vinho brasileiros. No texto, o autor elogia a qualidade e a diversidade (olha só) do vinho nacional, além de destacar as três primeira medalhas de ouro conquistados pelo Brasil no concurso que a revista promove (Decanter World Wine Award) entre rótulos de todo mund. Foram agraciados dois rótulos da Casa Valduga (Casa Valduga Terroir Leopoldina Merlot e o Gran Leopoldina Chardonnay D.O) e outro da jovem Vinícola Guaspari. (Vista do Chá Syrah 2012) (leia mais sobre a Guaspari mais abaixo).

Blog do Vinho bebeu

Nas últimas semanas tenho bebido rótulos brasileiros em restaurantes, bares e em casa. E não foram apenas espumantes. É apenas mais um reflexo do que escrevi acima. Aos vinhos, pois:

Pinot Noir: simples, descontraído, saboroso

paradoxo1Nos restaurantes Modi e no Lambe-Lambe, uma rede que une qualidade e preço e entrega uma culinária saborosa com ingredientes mais simples, o vinho em taça é o fresco e gostoso Paradoxo Pinot Noir da Salton. Uma ótima sugestão do consultor Luis Felipe Campos, responsável pela carta dos restaurantes. Com uvas da região da Campanha Gaúcha, baixo teor alcoólico e fruta delicada,  acompanha bem entradas, pratos mais leves, frango. Agrada também em carreira solo.

Varietal-Pinot-Noir-2012Outro exemplo de Pinot Noir nacional bacana é o Varietal Pinot Noir da Aurora, de Bento Gonçalves, uma delícia de vinho jovem, frutado e que a gente mata uma garrafa num bate papo sem perceber. Fácil de encontrar em supermercados, é uma boa pedida para levar para casa e beber sempre jovem. Agrada também os Tio Patinhas do Baco, com um preço bem acessível (algo como 25 reais)

Menos álcool, mais frescor

vinheticaAinda no universo dos brasileiros conquistando espaço nas cartas dos restaurantes, este rótulo da foto ao lado, da Campanha Gaúcha, foi provado no simpático Allez, Allez!, um bistrô na Vila Madalena.  O Vinhetica – Terroir de Rouge é um achado. Em primeiro lugar, trata-se de um tinto com 12,5 de álcool, que só por isso merece todas nossas mesuras. Supergastronômico, com frutas frescas e acidez bem marcante, mostra um aroma balsâmico. A maceração é do tipo carbônica, como fazem os Beaujolais Nouveau da vida, ou seja, a fermentação acontece dentro da fruta, o que preserva o frescor que se destaca na bebida. O Vinhetica Terroir de Rouge é o resultado da leveza da uva arinarnoa (que desconhecia) com a robusta cabernet sauvignon, um experimento do viticultor francês Gaspar Desurmont que se apaixonou pelo solo brasileiro e por aqui montou seu empreendimento. Já havia provado em um evento, mas na companhia da comida, deu uma valorizada.

Vinho paulista

Os chamados vinhos de inverno, nos quais se incluem os vinhos produzidos em solo dos Bandeirantes, são fruto de uma técnica de cultivo adaptado ao clima da região sudeste/centro-oeste conhecido como poda invertida. Técnica esperta, ela engana o ciclo vegetativo da parreira e gera frutos em julho, agosto, época de menos chuva e clima mais temperado. Minha primeira experiência foi o tinto Primeira Estrada, lá em 2013. Esta técnica, desenvolvida por Murilo Albuquerque, da Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), possibilitou a aventura de outros empreendedores que tinham “um vinho na cabeça e uma uva na mão”. Entre este grupo se encontram malucos/empreendedores de Minas Gerais, Goiás e São Paulo, em geral com origem na zona cafeeira destes estados. A Guaspari e a Casa Verrone são dois exemplos.

 Guaspari, agora numa versão mais econômica

Desde que colocou no mercado seus três primeiros rótulos, um aprazível sauvignon blanc e dois syrah (Vista da Serra e Vista do Chá), a Guaspari surpreendeu os céticos, mereceu boas críticas da imprensa especializada e elogios entre os consumidores. Arrasou conquistando o prêmio máximo da Decanter – como contamos acima. Um baita efeito “uau!” para um iniciativa pioneira e iniciante. Mas de bobos eles não têm nada e os louros não vieram por acaso. A Guaspari criou uma estrutura profissional para chegar nisso. Com vinhedos plantados em uma fazenda cafeeira na região de Espírito Santo do Pinhal, no Estado de São Paulo, a Guaspari chegou chegando com um trabalho ousado que contou com a consultoria do enólogo americano Gustavo González – que tem no currículo a vinícola americana Robert Mondavi – e com um marketing imbatível: um vinho de qualidade produzido em São Paulo. Pronto, ganhou as manchetes! E se posicionou com preço de gente grande (cerca de 150 reais a garrafa).

O que leva a uma reflexão sobre preço e vinho nacional: se o vinho é de qualidade, que diferença faz a nacionalidade na hora de colocar a mão no bolso? valedapedra

Este ano a Guaspari lançou uma segunda linha de vinho, um pouco mais acessível, nem por isso na bacia das almas (78 reais): o Vale da Pedra tinto 2015 (também da tinta syrah, que parece ser a uva que mais se adaptou a estes novos territórios do vinho) e o Vale da Pedra branco 2015 (sauvignon blanc, a branca que também se deu melhor). Curiosamente, ao contrário do padrão dos vinhos nacionais, se você procurar a uva na parte principal do rótulo não encontrará. Este novo vinho vem atender esta tendência de vinhos mais jovens, leves e com maior potencial de consumo. A madeira – quando existe – é apenas coadjuvante. É o caso deste syrah com um estilo “chocolate com pimenta”, que tem esta pegada bem marcante no final de boca. As especiarias típicas da uva estão lá, a acidez dá prazer e a parceria com a comida é mais fácil.  Os vinhos são encontrados em sua loja virtual e na rede de supermercados Saint Marche, em São Paulo.

 Casa Verrone, de Itobi para o mundo

caa-verroneVocê sabe onde fica Itobi e Divinolândia? Eu até sei, pois já fui a Itobi, mas garanto que não foi por conta de vinho, que nem sabia que existia. Mas um produtor – a Casa Verrone – arranca do solo destes municípios no interior do Estado de São Paulo, na região da Serra da Mantiqueira, as uvas que maceradas dão os caldos de seus vinhos. E, para surpresa geral da nação, o seu Chardonnay Speciale Casa Verrone 2015 levou o prêmio na sua categoria na Grande Prova de Vinhos do Brasil 2016. Este eu provei em casa, mas comprei na RedButeco, descrito logo abaixo. É um chardonnay de estilo mais amadeirado, amanteigado, que lembra um pouco os brancos dos anos 2000 produzidos no Chile e Argentina, mais gordo que fresco. Um estilo com vários defensores.

 

Vinho de Food Truck

losmendozitos
Quem já passou por eventos e feiras ou deu um rolê pelos FoodTrucks que explodiram em 2015, e estão se adaptando à realidade de  2016, já deparou com a marca Los Mendozitos, que segundo definição dos fundadores trata-se de uma “rede de Wine Bars itinerantes do Brasil especializados em vinhos de produções familiares”. Por itinerante entenda-se trailers e até bicicletas que comercializam vinhos. Uma ideia que apostou na simplicidade, no preço e no vinho em taça.  E deu certo. Agora os Mendozitos resolveram ocupar um espaço fixo no FoodTruck do Vila Butantã – que é formado por trailers tradicionais de comida e algumas lojas fixas ocupadas em cointainers que formam um mini shopping ao livre em frente à sede da Odebrecht, em São Paulo. Ao contrário do modelo de negócio dos trailers, que é de venda de vinho em taça, na loja fixa o consumo maior é de garrafas. A nota curiosa é que, apesar do nome, os vinhos nacionais também têm vez nas prateleiras como os espumantes do Don Giovani e tintos e brancos nacionais. O rótulo que leva o nome da loja, Los Mendozitos, a propósito, é um cabernet sauvignon produzido pela Guatambu, de Don Predito, no Rio Grande do Sul. Eu imaginava que seria um Malbec de Mendoza… Sem grandes pretensões, correto, com bons taninos, é outro exemplo de vinho nacional ocupando os espaços que ampliam o consumo dos nossos rótulos e atingem um público diversificado.

Um tinto de outro mundo

alma_penada

O mundo do produtor independente Eduardo Zenker é o vinho de garagem. Não é uma força de expressão. Literalmente ele faz suas alquimias em uma garagem em Garibaldi – da mãe. Foi ali que um casal de amigos provou e trouxe esta garrafa de um Ancellota de 2013 que foi batizado como o sugestivo nome de Alma Penada, já que é um caldo  condenado à extinção. Explicando: as parreiras de onde vieram as uvas foram cortadas pelo fornecedor e este vinho não se repetirá. Este eu provei na casa desses amigos.  Vinhos como os de Zenker fazem parte do movimento de vinhos natureba, que aqui em São Paulo tem como maior divulgadora a Enoteca Saint Vin Saint da Lis Cereja. E só o fato de este tipo de vinho diferentão, que defende a interferência mínima do homem no vinhedo e na vinificação, ter um espaço conquistado, já mostra que há vinhos brasileiros em todos os estilos disponíveis. E público para isso – e até uma feira anual pra lá de concorrida que reúne vários produtores. O Alma Penada é bem escurão, estava muito floral, tinha uma espécie de gosto de terra. Na proposta orgânica, o sabor da uva parece mais natural, mas surgem algumas arestas, algo parece meio desequilibrado, o que os defensores classificam como qualidade intrínseca do processo. Definitivamente é um caldo controverso, mas que vale ser conhecido. Ainda citando a tal reportagem da Decanter, um dos rótulos indicados pelo autor é o Era dos Ventos, Peverella, 2013, do casal Luis Henrique e Talise Zanini em parceria com o proprietário do restaurantes Aprazível, Pedro Hermeto uma espécie de vinho laranja tupiniquim e o Atelier Tormentas, Vermelho Cabernet Franc 2015, do polêmico vinhateiro Marco Danielle, do qual escrevi em 2009 e nunca mais cruzei. Este eu preciso provar.

Red: um buteco de vinhos verde-amarelos

red

Por fim, fui conhecer um projeto que parecia pra lá de original e ousado: o Red Buteco. Trata-se de um bar e loja exclusivos de rótulos brasileiros. Voltado para o público jovem e encravado também na Vila Madalena, onde a cerveja, o chopp e a caipirinha reinam incontestes, parecia um suicídio comercial. E aparentemente está dando certo. O público escolhe o vinho nas prateleiras, os atendentes são jovens sommeliers que conhecem os rótulos e tudo é servido em um ambiente moderno e descontraído. Não há muito ritual, bebe-se pelo prazer, pela companhia, no buteco. Para acompanhar a bebida, há um cardápio restrito de aperitivos (gostei da coxinha. Pode coxinha e vinho? Pode!) e pratos rápidos (menos bons). Os rótulos disponíveis variam desde alguns produtores conhecidos do Sul, como Lidio Carraro, Pizzato, Dal Pizzol, Cave Geisse até rótulos de regiões experimentais e pouco conhecidas, do Paraná (espumante Poty), Minas Gerais (Luis Porto) e evidentemente São Paulo (Guaspari e Casa Verrone, foi lá que comprei o meu).

Os proprietários são três jovens com carreira em outra atividade – economista/sommelier, arquiteto/urbanista e advogado/Dj, respectivamente. O público é alegre, predominantemente feminino. Um consumidor novo, com menos vontade de encontrar frutas do bosque no vinho e mais vontade de ter prazer com a bebida e sua companhia.  Acho que não podia ter notícia melhor para o vinho brasileiro.

Serviço:
Red Buteco de Vinhos Brasileiros
Rua Mourato Coelho, 1.160, Vila Madalena, São Paulo, SP

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 28 de janeiro de 2014 Brancos, Espumantes, Rosé | 12:19

Beber vinho com este calor? Sim: espumantes, brancos, rosés e tintos leves

Compartilhe: Twitter
Este é o cenário ideal: vai um vinho para acompanhar?

Este é o cenário ideal: vai um vinho para acompanhar?

 Vamos combinar, com esta canícula que estava fazendo lá fora, um calor de rachar mamona, o vinho não é a primeira idéia de bebida alcoólica que vem à cabeça. É a cerveja estupidamente gelada, a caipirinha de frutas. Não é comum se ouvir por aí: “Estou louco para sair do escritório e bebericar um sauvignon blanc”, ou “meu sonho agora é estar na praia secando uma garrafa de espumante” e nem o delírio mais gay pressupõe uma vontade louca de “me acabar com várias taças de um rosé gelado”.

Mas que saber? Todas as opções acima são pra lá de válidas. E cabe até um tinto nesta lista. São bebidas que cumprem a função de refrescar o dia, provocar acidez na boca, dar uma sensação de fruta ampla e leve, e principalmente acompanhar uma refeição com leveza e elegância ou um bate-papo descontraído com uma bebida idem.

Espumantes, brancos, rosés, tintos: opções é o que não faltam

Espumantes, brancos, rosés, tintos: opções é o que não faltam

Todo verão que estou na praia um hábito que sempre provoca pescoços torcidos e um toque de curiosidade é quando carrego para a areia um baldinho de gelo com uma bela garrafa de espumante nacional. Taças de plástico coloridas no formato correto dão um ar alegre e preservam a espuma. Está preparada a festa! O estampido seco da rolha sendo liberada e aquela espuma que sobe ao ser despejada da garrafa causam uma certa inveja. Alguns olham com muxoxo para sua lata de cerveja de sempre, outros cutucam o parceiro(a) para novidade. Não passa despercebido.

Uma deliciosa lembrança de um período de férias passado em Arraial da Ajuda, no sul da Bahia. Caminhada pela praia, o calor que se imagina. Resolvemos estacionar o esqueleto escaldado em um bar de hotel que oferecia um quiosque coberto e avançando sobre a praia. Pedimos um Chandon que veio triscando, na temperatura certa e conservado em um balde de gelo. Uma porção de iscas de peixe acompanhava a bebida. A felicidade estava repleta de borbulhas e nenhum outra bebida traria maior prazer. O espumante, com certeza, é a opção número 1, 2 e 3 para o verão.

Um belo sauvignon blanc lentamente apreciado, acompanhando o passar do dia, ou como parceiro de um peixe grelhado já é uma boa pedida no mundo dos brancos. Delicado e elegante se for um exemplar do Loire, cítrico e com toque de maracujá, se o rótulo for do Mercosul, ou com um toque de grama, da longínqua Nova Zelândia. Um alvarinho ou albarinho, com sua acidez cortante enfrentando os calores dos trópicos também vai bem. A vignoier, cultivada na frança e no novo mundo, faz uma presença mais floral. Há quem se restabeleça com a torrontés argentina,  indicada para paladares mais doces. No cair da tarde um chardonnay mais mineral da região de chablis, na França, ou orgânicos da região de Casablanca, no Chile, ou mesmo os bons exemplares de Santa Catarina. Para aqueles que preferem um chardonnay mais potente, com notas de frutas tropicais doces, mel, baunilha e toque de madeira, alguns rótulos de Mendoza, na Argentina, dos Estados Unidos, Austrália, de outras regiões do Chile ou da Sicília, na Itália. Os portugueses contribuem com outro branco com mais textura, ideal para peixes mais gordurosos, como o antao vaz.

Os rosés ocupam um lugar de destaque no verão. É refrescante até de olhar. Como já foi escrito aqui, o rosé é o vinho com a cor do por-do-sol. Não precisa dizer mais nada. Gastronômico por definição e charmoso pela coloração é o vinho ideal para aperitivos, almoço na praia, para descontrair o cardápio executivo da cidade que derrete no aslfalto. As opções óbvias da Provence, elegantes e de cor mais discreta, lembrando uma casca de cebola, da região do Rhone, ainda na França, do Chile, um pouco ais frutados e potentes, da Argentina com a mesma pegada. Algumas boas opções nacionais e outras do Alentejo, Portugal, são rosés de climas quentes.

Para finalizar, tintos mais leves, por que não? Conservados em uma temperatura mais elevada – mantenha resfriado num balde com água fresca – cumprem o seu papel. Menos alcoólicos, mais ligeiros, frutados, podem ajudar e enfrentar os dias de sol. O Beaujolais, elaborado coma uva gamay, é a indicação com menor possibilidade de erro. No Brasil o Beaujolais Noveau chega com um preço meio proibitivo, uma pena. Mas alguns Beaujolais Village, da região do Rhone, são possíveis. Duas das grandes produtoras nacionais, a Miolo e a Salton têm em sua linha gamays bem-feitos e honestos. Da Itália, os barberas, com boa acidez, pouca poténcia e muita fruta são indicados também. E por que não abrir um espaço para um excitante pinot noir, que deve ser servido mais fresco, mas não gelado! De cor mais clara e maior elegância é uma uva de diferentes matizes de acordo com sua região. Para o verão, os pinot genéricos da Borgonha, que não assaltam seu bolso, os corretos pinot do Chile, de Casablanca e San Antonio, que estão ficando cada vez mais elegantes, bons exemplares da Patagônia, na Argentina, excelentes exemplares da Nova Zelândia e da África do Sul que também chegam com um preço mais competitivo.

Pensando bem, opção é o que não falta. Não acho que os personagens fictícios do primeiro parágrafo vão trocar a cerveja e a caipirinha pelas alternativas de vinho sugeridas, mas aqueles que sabem experimentar e variar não enfrentarão dificuldades.

E aí, vai um vinho para refrescar neste calor?

 

 

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

quarta-feira, 26 de novembro de 2008 Brancos, Novo Mundo, Velho Mundo | 23:29

Brancos, bons e nem sempre baratos

Compartilhe: Twitter

Para quem me acompanha aqui, desculpe a demora. Um certo André até resolveu perguntar se o colunista estava vivo. No post anterior (ali embaixo), a idéia era mostrar que as uvas de pele mais clara, quando fermentadas e transformadas em álcool, são capazes de produzir pérolas líquidas. Os leitores deste blog, na sua maioria, concordaram com o autor e até enviaram suas sugestões.

Agora resta cumprir a promessa e sugerir algumas garrafas que merecem ser desarrolhadas – ou desrosqueadas. Explico. Muitos dos vinhos brancos contemporâneos usam tampas de rosca, algo que é perfeitamente normal, seguro e recomendado para bebidas mais frescas, que não têm pretensão de evoluir na garrafa. Acredite, há grandes rótulos com tampas de rosca, isso não deve limitar seu processo de escolha.

Antes das sugestões, uma constatação: a oferta de brancos é infinitamente menor que a de tintos. Entre numa loja de vinhos ou no corredor de bebidas do supermercado e repare: a minoria branca está relegada a um cantinho de menor exposição. Nas cartas dos restaurantes, a lista de brancos costuma ser minimalista, o que empurra o cidadão na escolha de um tinto mesmo. Resultado: pouca variedade resulta em preço nem sempre atraente. O que justifica o “nem sempre” do título. Há brancos de preço bastante acessível, claro, mas é mais fácil achar uma variedade maior de tintos bons e baratos do que dos brancos da mesma categoria de preço.

Para facilitar um pouco a vida, a lista está dividia por tipo de uva, um argumento bastante “novo mundo”, mas de fácil assimilação e organização. Afinal, estamos aonde? Predominam, é claro, os chilenos e argentinos das uvas sauvignon blanc e chardonnay. A relação não tem a pretensão de apontar os melhores brancos do planeta, muito menos disponíveis no mercado. São 30 dicas com um único critério: de já ter passado pela minha taça. Espero que a extensa lista compense a longa espera.

SAUVIGNON BLANC

Viña Errazuriz – Reserva Sauvignon Blanc 2007
Vale de Casablanca, Chile – R$ 47,02
2007 foi uma boa safra na região de Casablanca. O Errazuriz tem uma linha de grande qualidade, este sauvignon blanc é um vinho fresco, com maracujá perceptível até para quem acha que sentir aroma em vinho é uma afetação de enófilo desocupado.

Boekenhoutskloof – Porcupine Ridge Sauvignon Blanc 2006
Franscchhoeck, África do Sul – R$ 42,78
O porco-espinho do rótulo, ainda bem, não solta dardos afiados, mas sim uma lima no nariz que convida um gole, e fecha o ciclo com o cítrico de volta à boca. Muito bem avaliado pela crítica internacional. Um prêmio para quem conseguir soletrar o nome do produtor e da região onde é elaborado depois de derrubar uma garrafa.

William Cole – Alto Vuelo Sauvignon Blanc 2005
Vale de Casablanca, Chile – R$ 49,00
No Vale de Casablanca são produzidos os mais refrescantes e bem-feitos brancos do Chile. A influência das correntes marítimas do Oceano Pacífico e as médias de temperatura mais baixas são ideais para maturação das uvas brancas. É dali que chega este sauvignon blanc que é puro maracujá, de ótima acidez e delicioso de beber. Um dos meus prediletos.

Domaines Barons Rothschild – Los Vascos Sauvignon Blanc 2007
Casablanca, Chile – R$ 55,00
A empresa é controlada por Domaines Barons Rothschild (Lafite) e busca um perfil mais francês em seus rótulos. Há, por exemplo, uma preocupação permanente com o teor alcoólico de seus vinhos. Este aqui tem boa fruta, frescor e persistência média. Um toque cítrico que agrada, cor bem clarinha. Um bom vinho de aperitivo e para pratos mais leves. Anyway, quem não tem Lafite francês, caça com chileno.

Pascal Jolivet – Attitude Sauvignon Blanc 2006
Loire, França – R$ 72,13
A região do Loire é conhecida por produzir ótimos brancos e com preços mais acessíveis (acessível para vinho francês, fique bem entendido). Taí um exemplo para começar explorar este lado menos conhecido da França. Um vinho do velho mundo de estilo mais moderno, 100% sauvignon blanc, intenso e profundo e com um perfume de flores brancas muito atraente.

Sileni Estates – Cellar Selection 2007
Marlbororough, Nova Zelândia – R$ 73,43
Os críticos Hugh Jonson e Jancis Robinson compartilham muitas opiniões sobre o mundo do vinho. Uma delas é a vocação da Nova Zelândia na construção de brancos da uva sauvignon blanc com  caráter e tipicidade. A fruta expressiva, a longa persistência de aromas e o sabor que preenche a boca entregam neste vinho as características que os mestres ingleses identificam na região.

Quartz “Lês Cailloux du Paradis” 2004
Loire, França – R$ 134,00
O hedonista Ed Motta sabe das coisas. Ele me apresentou esta jóia, da linha orgânica – vinhos naturais que dispensam defensivos agrícolas e outros truques tecnológicos. Este pequeno vinhedo do Loire de 13 hectares traz para a garrafa uma bebida de uma mineral idade cortante e, aposto, muito diferente de qualquer sauvignon que você já provou. Muito longo. Como diria o Ed, de chorar

Casa Marin – Cipreses Sauvignon Blanc 2006
San Antonio, Chile – R$ 160,00
Premiadíssimo sauvignon da também elogiadíssima enóloga María Luz Marín. No nariz e na boca é superlativo em frutas tropicais. O final é longo, muito longo. Daqueles vinhos que o prazer aromáticos é tão grande quanto o gustativo. Recebeu a menção como o melhor sauvignon blanc do Chile no guia local Descorchados. Cobra caro pela fama…

CHARDONNAY

Salton – Volpi Chardonnay 2006
Serra Gaúcha, Brasil – R$ 24,00
A série que tem as bandeirinhas de Volpi no rótulo, e dá o nome ao vinho, indica um produto de maior qualidade da gaúcha Salton. É bastante agradável, com alguma tipicidade, fresco e com uma madeira bem integrada. Um ligeiro toque amanteigado no final da boca é percebido. Tomei recentemente, depois de muito tempo sem provar, e me surpreendeu. O preço é um enorme atrativo. A Salton promete retomar a produção de outros brancos da linha Volpi. Recentemente colocou nas gôndolas o sauvignon blanc e pretende relançar o gerwustreminer. Bom que a indústria nacional se volta também para os brancos.

La Roche – Punto Nino
Casablanca, Chile – R$ 44,00
Na Borgonha, La Roche é chamadode o Rei de Chablis. Pois os franceses instalaram-se em Casablanca (olha aí a região de novo) para produzir um chardonnay com o mesmo estilo gaulês, mas com tempero chileno. Se tomados lado a lado, um La Roche francês e outro chileno, as diferenças saltam ao nariz e na boca. O preço salta no bolso: R$ 44,00 X R$ 90,00.  Mas os pilares dos brancos elegantes produzidos em Chablis são preservados: o frescor, a acidez bem dosada, uma certa alegria. O rótulo idêntico reforça esta identidade da marca.

Santa Helena – Selección del Directório Chardonnay
Casablanca, Chile – R$ 44,10
Um chardonnay bem feito da gigante Santa Helena que, preconceitos à parte, têm brancos e tintos de todos os naipes, como este chardonnay de boa estrutura, toques de baunilha e manteiga e envelhecido por 12 meses em barricas de carvalho.

Rutini – Rutini Chardonay 2006
Mendoza, Argentina – R$ 66,00
Outro chardonnay que passa por madeira – 30% de primeiro ano e 70% de segundo uso -, mas não é dominado por ela. As frutas tropicais estão bem presentes –  tem um abacaxi inconfundível – e a boa acidez se mescla com aquele amanteigado típico da fermentação malolática e da batonagem (explicação irritante: a malolática transforma o ácido málico em lático, a batonagem mantém as leveduras em contato com o suco, ambas acabam desenvolvendo no vinho esta sensação untuosa e amanteigada que a barrica potencializa). Muito técnico? Seguinte, o vinho tem caráter mas não é enjoativo.

Villa Francioni Chardonnay 2006
Bom Retiro, Santa Catarina – R$ 66,00
Este representante verde-amarelo de Santa Catarina tem um espírito mais pugilista, de ataque. É mais indicado para quem gosta de chardonnay opulento, com um tostado que explode no nariz e na boca, um toque de amêndoas, mas com uma acidez adequada. Seu enólogo, Bettú, passa uma mensagem clara. Trata-se de um chardonnay para quem gosta de branco com madeira. Na minha modesta opinião, um dos melhores chardonnay elaborados por aqui.

Albert Bichot Vielles Vignes 2005
Chablis, Borgonha – França – R$ 69,00
Já que se falou aqui de Chablis, um original merece ser degustado. Este é da linha mais básica, 20% do vinho passa por carvalho. Não é exuberante, mas tem uma cremosidade perceptível e ótima acidez e toque cítrico. A somellière Alexandre Corvo, que nos brinda vez ou outra com seus comentários, também já recomendou em seu blog.

Eduardo Chadwick – Arboleda Chardonnay 2005
Vale de Casablanca, Chile – R$ 75,00
Chadwick divide seus vinhedos em 90% de tintos e 9% de brancos. Nem por isso trata mal suas uvas que não são tintas.  O estilo é mais parrudo, amadeirado, com aquela cremosidade um pouco amanteigada na boca, uma característica bem de chardonnay do novo mundo, elaborado por um produtor que prima pela qualidade de seus rótulos.

Maycas del Limari Chardonnay Reserve Especial 2006
Vale del Limari, Chile – R$ 96,00
Marcelo Papa  é um dos craques da enologia chilena, da poderosa e onipresente Concha y Toro. É dele o sempre bom cabernet sauvignon (ops!) Marques da Casa Concha. Aqui a ubervinícola tem um empreendimento com outro nome (Maycas del Limari) e proposta: apostar em vinhos de alta gama e para um público mais conhecedor. A origem é de uma região pouco explorada no Chile, o Vale do Limari. Trata-se de um chardonnay de fato diferente: muito fresco e mineral, aromas de maçã verde presentes. O toque fumê, muito agradável, vem do contato com as borras, já que não passa por madeira.

Catena Zapata – Catena Alta Chardonnay 2005
Mendoza, Argentina –  R$ 103,45
Catena é sempre Catena. O produtor que revolucionou o vinho argentino produz um chardonnay de alta estirpe, mais sério, cremoso, passeia pela boca antes de descer redondo e macio pela garganta. É longo e sedutor e mereceu pontuação acima de 90 pontos do Roberto Parker. Alguém se importa?  Olha, eu juro que nunca é determinante, mas chama a atenção.

Viña Aquitania Sol del Sol  2005
Traiguén, Chile – R$ 147,00
Sempre citado pela crítica como um dos mellhores chardonnay do Chile, trata-se, de fato, de um dos mellhores e mais elegantes chardonnay do Chile. Eu tive o privilégio de provar várias safras (no jargão, dá-se o nome de degustação vertical) deste excepcional vinho e a evolução do bicho é para calar a boca de quem diz que branco não envelhece bem, ainda mais do novo mundo. Mais ainda, a elegância, aquela característica que nasce com o vinhedo – da mesma maneira que nasce com algumas pessoas – faz este Sol brilhar mais forte na taça. Fácil negociar com o bolso alheio, mas vale um investimento maior.

Monteviejo – Lindaflor Chardonnay 2006
Mendoza, Argentina R$ 183,00
Este branco carnudo, encorpado e com fruta explosiva, um abacaxi em calda, cai bem ao gosto do consumidor nacional. O final é bem prolongado, mas não é exatamente pelo lado da elegância, mas da potência. O vinho é parte de projeto Clos de Los Siete, do renomado e controverso Michel Rolland. Precinho assusta um pouco, né não?

Pierre-Andre, Mersault 1Er Cru lês Charmes 2005
Borgonha, França R$ 742,00 (uau!)
Bom, aqui a coisa é de gente grande. O tipo do branco que deve fechar uma refeição, em vez de abri-la. Para ocasiões especialíssimas, aquele jantar apaixonado ou então com o seu amigo rico… enfim. O 1er cru da região de Mersault, localizado a 8 quilômetros de Beaune, é um chardonnay untuoso, encorpado mas extremamente sedoso. Os aromas vão do pêssego às nozes. É pura expressão de seu terroir, de seu solo argiloso. Um mersault com um leitãozinho é o caminho para o paraíso…

CASTAS PORTUGUESAS

Borba Antão Vaz & Arinto 2005
Alentejo, Portugal – R$ 31,00
Também já citei este vinho antes. A mistura dessas duas castas típicas portuguesas resulta num branco de aromas cítricos, boa estrutura e com toques de baunilha. O caldo é fermentado em barricas de carvalho. Há sempre uma boa discussão sobre qual a melhor harmonização com o bacalhau. Eu, por exemplo, prefiro brancos mais estruturados. Em Portugal os tintos têm a preferência. Provei este Borba com um bacalhau grelhado, em meio a tintos muito mais caros e famosos, e este se encaixou melhor no meu radar de harmonização. Quando soube do preço, então, a felicidade foi maior.

Qualimpor – Esporão Reserva
Alentejo, Portugal – R$ 87,50
Este alentejano de corpo e alma é um típico branco de regiões mais quentes. Untuoso, intenso, de pegada mais encorpada, é uma mistura das uvas brancas nativas antão vaz, roupeiro e arinto. Quando penso em bacalhau, é um dos primeiros rótulos que me ocorrem, até por que é fácil de encontrar em lojas. O vinho de cima á mais difícil de encontrar… Foi citado pelo leitor Luiz Garcia como estupendo. Estamos juntos nessa, Garcia! Estágio de seis meses em barricas de carvalho americano. Tem aroma frutado com notas de madeira, ananás, pêssego e baunilha.

FP Ensaios Branco
Beiras, Potugal – R$ 46,20
A genética pode não explicar tudo, mas com certeza deu uma mão aqui. Filipa Pato é filha de Luiz Pato, mas trilha seu caminho com independência e, principalmente, competência. De sua palheta de uvas autóctones (aquelas que são nativas de uma região ou país) Filipa extrai vinhos que são parceiros para a comida. Neste Ensaios 2005, o arinto dá o frescor e o bical é responsável pela cremosidade que envolve a boca.

RIESLING

Cono Sur Bicicleta Riesling 2006
Bio-Bio, Chile – R$ 23,80
Olha a Cono Sur aí de novo, gente! Não há muito como evitar, seus vinhos de base são bem-feitos e o preço é imbatível. Entra sempre na minha lista. A Cono Sur é uma perna do gigante Concha y Toro chileno. Trata-se de um riesling básico, mas já com as características da uva  presentes no nariz e na boca, sempre aquele toque um pouco mineral dizendo “presente”! Na temperatura adequada (de 10 a 12º) vai bem com um peixinho leve.

Selbach-Oster Riesling QbA Troken
2007

Mosel, Alemanha – R$ 79,40
A riesling, como escrevi antes, revela todo seu potencial na Alemanha e na Alsácia (França). As garrafas de gargalo alongado da Selbach-Oster acondicionam brancos de grande acidez, mineralidade à flor da pele e, neste caso aqui, bom preço. Para recuperar a imagem do vinho branco alemão sem gastar muito.

Petaluma Riesling Clare Valley 2005
Clare Valley, Austrália – R$ 118,00
A Austrália também vem fazendo sucesso nos brancos de alta gama. Este aqui tem sabor amplo com as notas minerais típicas dessa cepa notável, concentrado e longo, atraente acidez e longa persistência. É um vinho que equilibra pureza e fruta. Aromas de boa complexidade, em especial o toque de petróleo, querosene, típicos da cepa.

OUTRAS CASTAS

TORRONTÉS
Colomé – Torrontés 2007
Salta, Argentina R$ 38,00
O proprietário da Colomé é um suíço. A torrontés, junto à malbec, é considerada uma casta emblemática da Argentina. A combinação, no entanto, deu certo. As parreiras ficam próximas à Cordilheira dos Andes, neste que é considerado um dos mais altos vinhedos do mundo (entre 2200 e 3015 metros). Assim como a Gewurztraminer (leia abaixo), a torrontés é puro perfume, o caldo denso às vezes tem um perfil até meio doce. Servida na temperatura correta é uma bela maneira de abrir os trabalhos.

GEWURZTRAMINER
Cordilheira de Santanna – Reserva Especial ,Gewurztraminer 2004
Campanha, Brasil – R$ 42,00
Outra dica de leitor, desta vez do Marco Aurélio, que compartilho. A gewurztraminer é uma cepa muito floral, tem aroma de pétalas de rosas mesmo, que não é do agrado de todo mundo. Mas é muito agradável de beber. Esta experiência bem realizada do casal de enólogos Rosana Wagner e Gladistão Omizzolo na região da Campanha rendeu apenas 6.700 garrafas. Uma pode ser sua e aí você avalia se concorda comigo e com o Marco Aurélio.

FURMINT
Oremus – Tokaji Furmint Mandolás 2005
Oremus, Hungria – R$ 79,40
A Hungria não é só vinho branco doce, os famosos tokay. Também produz brancos secos de muito estilo e personalidade. É o caso deste aqui, que uva a uva furmint que é ao mesmo tempo encorpado e cítrico. Vale conhecer, na linha de descobrir novas uvas.

VIOGNIER
Família Zuccardi – Santa Julia Viognier 2006
Mendoza, Argentina – R$ 22,50
Outra alternativa de uva branca mais para o lado da leveza e do frescor, e aquele toque cítrico agradável que merece compartilhar sua taça. A linha Zuccardi sempre tem boas opções em vários níveis de tintos e brancos, este tem a vantagem de um preço mais acessível.

PEVERELLA
Cave Ouvidor – Insólito 2005
Santa Catarina, Brasil (em torno de R$ 100,00, se você achar)
Aqui eu quebro o crit´´erio estabelecido acima e finalizo com um vinho que nunca provei. A produção de apenas 1.000 garrafas torna a procura complicada. Vale pela curiosidade. A uva é a peverella, introduzida no Brasil em 1930. Um vinho na linguagem dos brancos naturais, biodinâmicos do Loire, sem adição de sulfito. O leitor Flavio Henrique Silva recomendou com veemência. Ed Motta, fã das ampolas naturais, também citou várias vezes em sua antiga coluna Boa Vida aqui na VEJA.com. Duas indicações valem mais do que a minha. Reproduzo o texto de Ed Motta: “Quando vi a coloração alaranjada já fiquei empolgado, mas o nariz e boca desse vinho são muito complexos, um elixir de nozes e frutas tropicais, sem dúvida o melhor vinho brasileiro que bebi. É vinho branco que pode ser decantado: durante toda a degustação esse vinho foi ficando cada vez mais importante, notas de mel, ultraincrível.”. Se um dia provar, juro que comento aqui. Mas acho que posso confiar na dica.

PREÇOS: os valores foram coletados em 25/11 em sites de lojas, supermercados, vinícolas e importadoras como Adega Alentejana, Ana Import,  Enoteca Fasano, Expand, Grand Cru, KMM, Mistral, Qualimpor,  Vinci,Vinea Store, World Wine, Zahil.

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 6 de outubro de 2008 Brancos, Tintos | 20:48

Bons, baratos e prazerosos

Compartilhe: Twitter

Sugerir vinhos caros é fácil e, em certo sentido, inútil. Quem compra rótulos de primeira linha, afinal, não precisa de muito conselho ou tem quem o faça pessoalmente. Difícil é descobrir as boas garrafas, ou as ofertas, entre os rótulos mais acessíveis que inundam as prateleiras de lojas e supermercados. E, acredite, há muitas oportunidades à disposição.

Mas até mesmo uma seleção de boas garrafas que não pesam no bolso precisa ser fruto de uma experiência pessoal para não se tornar numa simples listagem de “best buys”. Aqui vai a  minha lista que, como qualquer lista, está sujeita a críticas e correções. O critério foi o de tintos e brancos (deixei de fora os espumantes) até 35 reais. É claro que não se tratam de vinhos hedonistas, que primam pela profusão de aromas, pela intensidade marcante ou final prolongado. Mas podem, sim, tornar o seu dia-a-dia mais feliz.

TINTOS

Salton Classic Tannat
Rio Grande do Sul, Brasil de R$ 11,00 a R$ 15,00
Da linha mais simples da Salton. Correto, bem vinificado. Seu preço é imbatível, seus taninos  melhoram se acompanhados de um churrasquinho informal no clube.

Pupilla Carmenère
Vale Colchagua, Chile – R$ 16,00
A uva-símbolo do Chile, seja lá o que isso queira dizer, num dos tintos de melhor custo-benefício da paróquia, produto da bodega Luis Felipe Edwards. Taninos bem resolvidos, frutas vermelhas e uma especiaria de leve. Resolve a vida e se encontra fácil em supermercados.

Rio Sol Cabernet Sauvignon/Syrah 2006
Vale do São Francisco, Pernambuco, Brasil R$ 18,90
Este tinto nacional foi escolhido pelo júri da última Expovinis (feira de vinho realizada anualmente em São Paulo), em uma degustação às cegas, como o melhor tinto nacional. Concorreu com outros 39 rótulos, a maioria de preço mais elevado. Sou co-responsável: participei do júri. Tem uma fruta muito madura, típica de uma região ensolarada como aquela, mas um bom equilíbrio e acidez presente. Um achado de Pernambuco, uma região pouco provável alguns anos atrás.

Cono Sur Bicicleta Pinot Noir 2006
Vale Central, Chile – de R$ 21,00 a R$ 24,00
Vinícola com preocupações ambientais e certificada pela agricultura orgânica. Difícil recomendar um pinot noir do dia-a-dia, mas a correta linha bicicleta tem varietais que primam pela qualidade. Agradável,  corpo médio (como se espera de um pinot) aromas leve de cereja. Outra dica da mesma linha é o branco da uva riesling.

Emiliana, Cabernet Sauvignon
Valle Rapel, Chile – de R$ 21,00 a R$ 24,00
Esta vinícola também alia vinhedos orgânicos com rótulos de grande produção. Tinto com um nariz mais presente que a boca, que é mais ralinha, mas agradável. Um cabernet sauvignon mais para o lado da juventude, da fruta fresca. Se ajeitou bem com uma massa com molho de carne.

Periquita 2004
Terras do Sado, Portugal – R$ 24,00
O tinto português mais vendido no país. Desde a safra de 2001 modernizou seu corte e ficou mais macio e fácil de beber. Resultado da adição de uma porcentagem maior das castas aragonês e trincadeira à tradicional uva castelão (a periquita), que dá a grande personalidade deste vinho.

Don Roman Tempranillo 2005
Rioja, Espanha – R$ 29,90
Este espanhol está sempre presente em listas de vinhos de bons preços. Mais que correto, tem um bom volume na boca, aromas presentes de especiarias e tostados gostosos. Nos restaurantes do chef e proprietário do La Vecchia Cucina e La Pasta Gialla, Sergio Arno, são servidos com o nome de Arno no rótulo. Foi escolhido por Veja São Paulo como boa opção de custo-qualidade entre os  rótulos personalizados dos restaurantes da cidade.

.com 2005
Alentejo, Portugal – R$ 29,90
Com este nome no rótulo, não podia faltar nesta lista do blog do vinho. Uma mistura das cepas portuguesas trincadeira e aragonez com a francesa cabernet sauvignon e a “francesa de alma lusitana”  alicante bouschet. O produtor Monte dos Cabaços (é isso mesmo, gente, não errei) faz um vinho moderno, quente, ao gosto do consumidor atual.

Los Vascos Cabernet Sauvignon
Vale Colchagua, Chile – R$ 30,00
Frutado e bem feito cabernet chileno com boa acidez, álcool controlado e aquele toque amentolado chileno. Um estilo que não muda. Sempre um boa pedida e, além do mais, sempre dá para dizer que está diante de um Barons de Rothschild.

Los Cardos Malbec 2006
Luján de Cuyo, Argentina – R$ 30,00
Tinto da vinícola Doña Paula que abriu a coleção de livros Vinhos do Mundo, Adega VEJA, da qual ajudei a selecionar: macio, bom de nariz, redondo na boca, nem um pouco enjoativo, como às vezes acontece com a malbec.

Le Bateaux Syrah 2006
Languedoc, França – R$ 35,00
Raro tinto francês na linha bom e barato. Best buy da revista americana Wine Spectator. Não é à toa, tem aquela perceptível especiaria da syrah com frutas bem maduras e a chancela da Domaines François Lurton.

Trio Merlot, Carmenère, Cabernet Sauvignon 2007
Valle Central, Chile – de R$ 37,00 R$ 39,90
Esta linha da gigante Concha y Toro é sempre resultado da mistura de três variedades (daí o nome), a primeira domina o corte, no caso aqui, a merlot. Apesar do preço fora da proposta inicial foi incluído só para chamar atenção de um pequeno detalhe. Muitas vezes, estes cortes  por preço (no caso até 35 reais) em uma lista de v
inhos deixam de fora rótulos bem bacanas. Por 2 ou 4 reais a mais, você tem na taça um tinto saboroso, macio, com notas de chocolate – resultado de um trabalho criterioso do enólogo. Pense nisso também na hora da compra, para menos e para mais

BRANCOS

Casillero del Diablo Sauvignon Blanc 2006
Vale Central, Chile – R$ 26,50
Tem larga distribuição em supermercados e lojas. Boa acidez e frescor. Um toque cítrico que agrada; um aroma de maracujá facilmente perceptível, muito encontrado em sauvignon blanc. Uma recomendação sem medo de errar. Faz um sucesso danado com uma pescadinha lá em casa.

Pizzato Chardonnay
Rio Grande do Sul, Brasil – R$ 27,00
Este não é um chardonnay para quem gosta daquele estilo mais intenso com as notas de barrica, meio amanteigado. Este exemplar nacional aposta na linha contrária, não passa pelo carvalho e tem uma acidez mais presente. Uma opção de chardonnay mais para o frescor.

Villa Montes Sauvignon Blanc 2006
Vale Central, Chile – R$ 31,00
A sempre confiável Viña Montes produz este ótimo e fresco sauvignon blanc, de pureza varietal e cítrico, como é comum nesta uva no Chile. Provei a primeira vez junto a produtores, num agradável almoço, e ficou sempre na lembrança como uma boa opção de branco, que repito sempre que posso.

Borba Antão Vaz & Arinto 2005
Alentejo, Portugal – R$ 31,00
A mistura dessas duas castas típicas portuguesas resultam num branco de aromas cítricos, boa estrutura e com toques de baunilha, resultado da fermentação realizada em barricas de carvalho. Há sempre uma boa discussão sobre qual a melhor harmonização com o bacalhau. Eu, por exemplo, prefiro brancos mais estruturados. Em Portugal os tintos têm a preferência. Provei este Borba com um bacalhau grelhado, em meio a tintos muito mais caros e famosos, e este se encaixou melhor no meu radar de harmonização. Quando soube do preço, então, a felicidade foi maior.

Alamos Chardonnay 2007
Mendoza, Argentina – R$ 32,15
Branco premiado mais básico da linha Catena. Passa seis meses no barril de carvalho o que aquele  sensação cremosa de um chardonnay mais encorpadão, mais recomendado para peixes mais fortes e aves. Bastante elogiado pelos bacanas do vinho de todas as estirpes: a lista começa em Robert Parker, passa pela rival britânica Jancis Robinson e ainda pela revista americana Wine Spectator.

Os leitores deste blog podem contribuir com suas recomendações e tornar esta lista mais rica, completa e diversificada, aí embaixo, nos comentários.

Preços coletados entre os dias 3 e 6 de outubro de 2008  nos sites daslojas Mistral, Expand, Zahil, Rei dos Whisky’s & Vinhos VIP, Imigrantes Bebidas, Pão de Açúcar e Bom Marché

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 25 de setembro de 2008 Brancos, Novo Mundo, Tintos, Velho Mundo | 17:24

Três goles de três vinhos de três países…

Compartilhe: Twitter

…de um mesmo produtor: O. Fournier. Algumas impressões:

O Centauri Sauvignon Blanc 2007 (Chile, Vale de Leyda, San Antonio, U$38,50) vem da primeira safra do projeto do O. Fournier no Chile. Tem ótimo frescor e aquele nariz meio cítrico e de ataque que se espera de um sauvignon blanc do novo mundo.

O tinto Alfa Crux Blend 2002 (Argentina, Mendoza, La consulta, U$ 75,50), como revela o nome, é uma mistura de três uvas: tempranillo (60%), malbec (35%) e merlot (5%). Se tiver de optar, eu costumo preferir os cortes. O produtor Ortega Gil-Forunier também. Neste tipo de vinho o trabalho do enólogo é mais exigido, pois ele pode extrair o melhor de cada uva e reunir num único rótulo. Vinho delicioso, pronto e macio na boca, aromas de frutas mais maduras e flores, tudo isso prolongado por um final longo.

Alfa Spiga 2003 (Espanha, Ribera del Duero 2004, U$ 129,50). Trata-se de um puro-sangue: 100% tempranillo (tinta del país, como é conhecida a uva na região). Ortega Gil-Fournier aposta, e torce, na vocação da tempranillo como uma uva internacional, e cita experiências na Austrália e nos Estados Unidos. E, só para contrariar minha predileção por misturas, mencionada acima, este vinho conquistou de primeira, mas exige um investimento mais alto. O Alfa Spiga, antes de virar garrafa, hiberna 20 meses em barricas novas de carvalho, que dá aquele tempero ibérico e um caldo potente, de cor intensa e fruta madura. Que a tempranillo se espalhe pelo mundo, então.

Site oficial: O. Fournier
Onde encontrar: Importadora Vinci (preços com cotação do dólar do dia)

Autor: Tags: , , , , , ,